Por que tantos denunciantes de tecnologia são mulheres?

mulheres delatores 6 7
Por que tantos denunciantes de tecnologia são mulheres? A grande maioria dos denunciantes de grandes empresas de tecnologia nos últimos anos são mulheres. Elke Meitzel/Fonte de imagem via Getty Images

Vários denunciantes de alto perfil na indústria de tecnologia entraram no centro das atenções nos últimos anos. Na maioria das vezes, eles têm revelado práticas corporativas que frustram o interesse público: Frances Haugen expôs exploração de dados pessoais na Meta, Timnit Gebru e Rebecca Rivers desafiaram o Google em ética e Problemas de IA, e Janneke Parrish levantou preocupações sobre uma cultura de trabalho discriminatória na Apple, Entre outros.

Muitos desses denunciantes são mulheres – muito mais, ao que parece, do que o proporção de mulheres que trabalham na indústria de tecnologia. Isso levanta a questão de saber se as mulheres são mais propensas a serem denunciantes no campo da tecnologia. A resposta curta é: “É complicado”.

Para muitos, a denúncia é o último recurso para que a sociedade resolva problemas que não podem ser resolvidos dentro de uma organização, ou pelo menos pelo denunciante. Refere-se ao status organizacional, poder e recursos do denunciante; a abertura, comunicação e valores da organização em que trabalham; e à sua paixão, frustração e compromisso com a questão que eles querem ver abordada. Os denunciantes estão mais focados no interesse público? Mais virtuoso? Menos influentes em suas organizações? Essas são possíveis explicações para o porquê de tantas mulheres estarem denunciando a grande tecnologia?

Para investigar essas questões, nós, um cientista da computação e de um sociólogo, explorou a natureza das denúncias de big tech, a influência do gênero e as implicações para o papel da tecnologia na sociedade. O que encontramos foi complexo e intrigante.

Narrativa da virtude

A denúncia é um fenômeno difícil de estudar porque sua manifestação pública é apenas a ponta do iceberg. A maioria das denúncias é confidencial ou anônima. Na superfície, a noção de denunciantes do sexo feminino se encaixa com a narrativa predominante que as mulheres são de alguma forma mais altruístas, focadas no interesse público ou moralmente virtuosas do que os homens.

Considere um argumento feito pela Associação do Sufrágio Feminino do Estado de Nova York em torno de dando às mulheres americanas o direito de votar na década de 1920: “As mulheres são, por natureza e formação, donas de casa. Deixe-os ajudar na limpeza da cidade, mesmo que eles introduzam uma limpeza ocasional da casa.” Em outras palavras, dar às mulheres o poder do voto ajudaria a “limpar” a bagunça que os homens fizeram.

Mais recentemente, um argumento semelhante foi usado na mudança para a fiscalização de trânsito para todas as mulheres em algumas cidades latino-americanas, sob a suposição de que policiais mulheres são mais imunes a subornos. De fato, as Nações Unidas identificaram recentemente o empoderamento global das mulheres como chave para reduzir a corrupção e a desigualdade em seus objetivos de desenvolvimento mundial.

Há dados que mostram que as mulheres, mais do que os homens, estão associadas a níveis mais baixos de corrupção no governo e nas empresas. Por exemplo, estudos mostram que a maior a proporção de mulheres eleitas nos governos de todo o mundo, quanto menor a corrupção. Embora essa tendência reflita em parte a tendência de governos menos corruptos de eleger mulheres com mais frequência, estudos adicionais mostram uma efeito causal direto de eleger líderes femininas e, por sua vez, reduzindo a corrupção.

Estudos experimentais e levantamentos de atitudes também mostram que as mulheres são mais éticas nos negócios do que os seus homólogos masculinos, e um estudo usando dados sobre negócios reais em nível de empresa confirma que os negócios liderados por mulheres são diretamente associada a uma menor incidência de suborno. Muito disso provavelmente se resume à socialização de homens e mulheres em diferentes papéis de gênero na sociedade.


 Receba as últimas por e-mail

Revista Semanal Melhor da Semana

Dicas, mas sem dados concretos

Embora as mulheres possam ser aculturadas para se comportarem de forma mais ética, isso deixa em aberto a questão de saber se elas realmente são mais propensas a serem denunciantes. Os dados completos sobre quem denuncia irregularidades são ilusórios, mas os estudiosos tentam abordar a questão perguntando às pessoas sobre sua orientação de denúncia em pesquisas e vinhetas. Nesses estudos, o efeito de gênero é inconclusivo.

No entanto, as mulheres parecem mais dispostas do que os homens a denunciar irregularidades quando eles podem fazê-lo confidencialmente. Isso pode estar relacionado ao fato de que denunciantes do sexo feminino podem enfrentar taxas mais altas de represálias do que denunciantes do sexo masculino.

No campo da tecnologia, há um fator adicional em jogo. As mulheres estão sub-representadas tanto em número quanto em poder organizacional. Os “Big Five” em tecnologia – Google, Meta, Apple, Amazon e Microsoft – ainda estão em grande parte branco e masculino.

As mulheres representam atualmente cerca de 25% de sua força de trabalho de tecnologia e cerca de 30% de sua liderança executiva. As mulheres são predominantes o suficiente agora para evitar ser tokens, mas muitas vezes não têm o status de insider e os recursos para efetuar a mudança. Eles também não têm o poder que às vezes corrompe, conhecido como lacuna de oportunidade de corrupção.interesse. Anteriormente, ela havia vazado documentos internos da empresa para mostrar que a Meta estava ciente do mal que estava causando. Foto AP / Alex Brandon

No interesse público

As pessoas marginalizadas muitas vezes falta um sentimento de pertencimento e inclusão nas organizações. O lado positivo dessa exclusão é que essas pessoas podem se sentir menos obrigadas a seguir a linha quando veem algo errado. Dado tudo isso, é provável que alguma combinação de socialização de gênero e status feminino de fora da grande tecnologia crie uma situação em que mulheres parecem ser as denunciantes predominantes.

Pode ser que a denúncia em tecnologia seja o resultado de uma tempestade perfeita entre o gênero do campo e os problemas de interesse público. Não existem dados claros e conclusivos, e sem provas concretas o júri está fora. Mas a prevalência de denunciantes do sexo feminino na grande tecnologia é emblemática de ambas as deficiências, e os esforços dessas denunciantes geralmente visam aumentar a diversidade e reduzir os danos que a grande tecnologia causa à sociedade.

Mais do que qualquer outro setor corporativo, a tecnologia permeia a vida das pessoas. A grande tecnologia cria as ferramentas que as pessoas usam todos os dias, define as informações que o público consome, coleta dados sobre os pensamentos e comportamentos de seus usuários e desempenha um papel importante na determinação de se a privacidade, a segurança e o bem-estar são suportados ou prejudicados.

E, no entanto, a complexidade, as proteções de propriedade intelectual proprietárias e a onipresença das tecnologias digitais tornam difícil para o público avaliar os riscos pessoais e o impacto social da tecnologia. Os firewalls culturais corporativos de hoje dificultam a compreensão das escolhas que fazem parte do desenvolvimento de produtos e serviços que tanto dominam a vida das pessoas.

De todas as áreas da sociedade que precisam de transparência e maior foco no interesse público, acreditamos que a prioridade mais urgente é a big tech. Isso torna ainda mais importante a coragem e o compromisso dos denunciantes de hoje.

Sobre o autorA Conversação

Francine Berman, Diretor de Tecnologia de Interesse Público e Professor de Pesquisa Stuart Rice, Umass amherst e Jennifer LundquistProfessor de Sociologia, Umass amherst

Este artigo foi republicado a partir de A Conversação sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.

Livros recomendados:

Capital do Século XXI
por Thomas Piketty. (Traduzido por Arthur Goldhammer)

Capital na capa dura do século XXI por Thomas Piketty.In Capital no século XXI, Thomas Piketty analisa uma coleção única de dados de vinte países, desde o século XVIII, para descobrir os principais padrões econômicos e sociais. Mas as tendências econômicas não são atos de Deus. A ação política acabou com as desigualdades perigosas no passado, diz Thomas Piketty, e pode fazê-lo novamente. Uma obra de extraordinária ambição, originalidade e rigor, Capital do Século XXI reorienta nossa compreensão da história econômica e nos confronta com lições moderadoras para hoje. Suas descobertas vão transformar o debate e definir a agenda para a próxima geração de pensamento sobre riqueza e desigualdade.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.


A fortuna da natureza: como os negócios e a sociedade prosperam investindo na natureza
por Mark R. Tercek e Jonathan S. Adams.

A fortuna da natureza: como os negócios e a sociedade prosperam investindo na natureza por Mark R. Tercek e Jonathan S. Adams.Qual é a natureza vale a pena? A resposta a esta pergunta-que tradicionalmente tem sido enquadrado em termos ambientais, está revolucionando a maneira como fazemos negócios. Dentro Fortune da naturezaMark Tercek, CEO da The Nature Conservancy e ex-banqueiro de investimentos, e o escritor de ciência Jonathan Adams argumentam que a natureza não é apenas a base do bem-estar humano, mas também o investimento comercial mais inteligente que qualquer empresa ou governo pode fazer. As florestas, várzeas e os recifes de ostras, muitas vezes vistos simplesmente como matéria-prima ou como obstáculos a serem eliminados em nome do progresso, são de fato tão importantes para nossa prosperidade futura quanto a tecnologia ou a lei ou a inovação empresarial. Fortune da natureza oferece um guia essencial para o bem-estar econômico e ambiental do mundo.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.


Além Outrage: O que deu errado com a nossa economia e nossa democracia, e como corrigi-lo -- por Robert B. Reich

Além OutrageNeste livro oportuno, Robert B. Reich argumenta que nada de bom acontece em Washington, a menos que os cidadãos são energizados e organizados para fazer atos certeza de Washington no bem público. O primeiro passo é ver a imagem grande. Além Outrage liga os pontos, mostrando porque a participação crescente de renda e de riqueza indo para o topo tem prejudicado o crescimento eo emprego para todos, minando a nossa democracia; causado americanos a tornar-se cada vez mais cínico sobre a vida pública, e muitos americanos virou um contra o outro. Ele também explica por que as propostas do "direito regressivo" está absolutamente errado e fornece um roteiro claro do que deve ser feito. Aqui está um plano de ação para todos os que se preocupa com o futuro da América.

Clique aqui para mais informações ou para encomendar este livro na Amazon.


Isso muda tudo: ocupe Wall Street e o movimento 99%
por Sarah van Gelder e funcionários do SIM! Revista.

Isso muda tudo: Ocupe Wall Street e o Movimento 99% de Sarah van Gelder e equipe do YES! Revista.Isso muda tudo mostra como o movimento Occupy está mudando a maneira como as pessoas veem a si mesmas e ao mundo, o tipo de sociedade que acreditam ser possível e seu próprio envolvimento na criação de uma sociedade que trabalhe para o 99% em vez de apenas 1%. Tentativas de classificar esse movimento descentralizado e de rápida evolução levaram à confusão e percepção equivocada. Neste volume, os editores de SIM! Revista reunir vozes de dentro e de fora dos protestos para transmitir as questões, possibilidades e personalidades associadas ao movimento Occupy Wall Street. Este livro apresenta contribuições de Naomi Klein, David Korten, Rebecca Solnit, Ralph Nader e outros, além de ativistas do Occupy que estavam lá desde o início.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.



Você pode gostar

siga InnerSelf on

facebook íconeícone do twitterícone do YouTubeícone do instagramícone pintrestícone rss

 Receba as últimas por e-mail

Revista Semanal Melhor da Semana

IDIOMAS DISPONÍVEIS

enafarzh-CNzh-TWdanltlfifrdeeliwhihuiditjakomsnofaplptroruesswsvthtrukurvi

MAIS LEIA

jogador de beisebol com cabelo branco
Podemos ser muito velhos?
by Barry Vissell
Todos nós conhecemos a expressão: "Você é tão velho quanto pensa ou sente". Muitas pessoas desistem…
mudanças climáticas e inundações 7 30
Por que as mudanças climáticas estão piorando as inundações
by Frances Davenport
Embora as inundações sejam uma ocorrência natural, as mudanças climáticas causadas pelo homem estão causando graves inundações…
obrigado a usar máscara 7 31
Só agiremos de acordo com os conselhos de saúde pública se alguém nos obrigar?
by Holly Seale, UNSW Sydney
Em meados de 2020, foi sugerido que o uso de máscara era semelhante ao uso de cinto de segurança em carros. Nem todos…
café bom ou ruim 7 31
Mensagens mistas: o café é bom ou ruim para nós?
by Thomas Merritt
Café é bom pra você. Ou não é. Talvez seja, então não é, então é novamente. Se você beber…
é covid ou feno fecer 8 7
Veja como saber se é Covid ou febre do feno
by Samuel J. White e Philippe B. Wilson
Com o clima quente no hemisfério norte, muitas pessoas sofrerão de alergias ao pólen.…
inflação ao redor do mundo 8 1
A inflação está aumentando em todo o mundo
by Christopher Decker
O aumento de 9.1% nos preços ao consumidor nos EUA nos 12 meses encerrados em junho de 2022, o maior em quatro…
varas de sálvia, penas e um apanhador de sonhos
Limpeza, aterramento e proteção: duas práticas fundamentais
by MaryAnn DiMarco
Muitas culturas têm uma prática ritualística de limpeza, muitas vezes feita com fumaça ou água, para ajudar a remover…
mudando a mente das pessoas 8 3
Por que é difícil desafiar as falsas crenças de alguém
by Lara Millman
A maioria das pessoas pensa que adquire suas crenças usando um alto padrão de objetividade. Mas recente…

Novas atitudes - Novas possibilidades

InnerSelf.comClimateImpactNews.com | InnerPower.net
MightyNatural.com | WholisticPolitics. com | Innerself Mercado
Copyright © 1985 - 2021 innerself Publications. Todos os direitos reservados.