Por que não podemos simplesmente parar de imprimir dinheiro para reduzir a inflação

como controlar a inflação 3 19 
Cada vez que enfrentamos um novo desafio relacionado à inflação, ele assume uma forma diferente e requer um conjunto diferente de soluções. A imprensa canadense / Graham Hughes

Com o Banco do Canadá anunciando um aumento exagerado da taxa de juros esta semana, pode parecer que os bancos centrais estão vem nos resgatar da inflação outra vez. No entanto, embora tenham desempenhado um papel importante na mitigação de uma recessão induzida pela COVID, os bancos centrais não têm o poder de resolver nosso problema de inflação.

Não há dúvida de que as perspectivas de inflação hoje são preocupantes. Com a inflação batendo 5.7% em março, estamos enfrentando uma tempestade perfeita de pressões inflacionárias de uma combinação de gargalos na cadeia de suprimentos, demanda reprimida e aumentos maciços nos preços da energia devido às sanções russas.

À medida que os políticos começam a fazer barulho sobre a inflação, precisamos ter cuidado para não aceitar a suposição ultrapassada de que os bancos centrais podem controlar a inflação limitando a oferta de dinheiro.

Líder do Partido Conservador esperançoso Pierre Poilievre afirmou recentemente que a solução para a inflação é “impedir o banco central de imprimir dinheiro para pagar os gastos do governo”. Isso não é apenas factualmente incorreto (o Banco do Canadá parou de comprar grandes quantidades de títulos do governo em outubro do ano passado), mas também desatualizado.

O legado do monetarismo

No final dos anos 1970 e início dos anos 1980, Ronald Reagan e Margaret Thatcher capitalizou a ansiedade do público em torno do aumento dos preços, levando seus governos conservadores ao poder com a promessa de endurecer a inflação usando o monetarismo.

Não deveríamos ficar muito surpresos, então, ao ver o legado dessa política econômica ultrapassada vivendo nos membros do Partido Conservador do Canadá.e

Poilievre ressuscitou a velha teoria — vamos chamar de monetarismo charlatão — que a inflação é causada por muito dinheiro circulando na economia e que a solução é reduzir a criação de dinheiro do banco central. A inflação nunca foi apenas sobre dinheiro; os bancos centrais não podem simplesmente acenar com uma varinha mágica e derrubá-la novamente.

Os limites da política monetária

Enquanto os bancos centrais desempenhar um papel importante ao manter a inflação sob controle definindo as taxas de juros, eles não têm todas as ferramentas necessárias para reduzir a inflação desta vez – especialmente quando algumas das dinâmicas que impulsionam os aumentos de preços não respondem às mudanças nas taxas de juros.

Como escritor Adam Tooze destaca, a política monetária não pode melhorar os gargalos no fornecimento de microchips - que estão elevando os preços dos carros - ou aumentar a oferta de gás.


 Receba as últimas por e-mail

Revista Semanal Melhor da Semana

Mesmo quando a política monetária é eficaz para reduzir a inflação, há sempre o risco de o banco central ultrapassar seus objetivos e empurrar a economia para uma recessão – à medida que um número crescente de preocupação dos decisores políticos pode acontecer hoje.

Monetarismo charlatão

Então, por que políticos conservadores como Poilievre querem que acreditemos que podemos resolver esse problema fazendo com que o banco central pare de imprimir dinheiro? Este é o tipo de “ideia de zumbi” que não vai morrer, apesar de estar errado, porque sua simplicidade é tão politicamente atraente.

Esta afirmação remonta a A famosa frase de Milton Friedman que a inflação é “sempre e em todos os lugares um fenômeno monetário”. A teoria monetarista que Friedman defendia e que se tornou muito influente nos anos 1970 e início dos anos 1980 supunha que a solução para a inflação era limitar a expansão da oferta monetária.

O que há de errado com essa ideia? banqueiro americano Henry Wallich famosamente respondeu à declaração de Friedman, respondendo, “a inflação é um fenômeno monetário da mesma forma que atirar em alguém é um fenômeno balístico”. Em outras palavras, um excesso de dinheiro pode ser parcialmente culpado pela inflação, mas se você quiser realmente resolvê-lo, precisa entender as causas subjacentes do problema.

As economista político Matthew Watson mostrou, os economistas continuam mudando de ideia sobre as causas mais amplas da inflação: passando de apontar o dedo para os choques internacionais do balanço de pagamentos na década de 1960 para o crise do petróleo na década de 1970, a inflação dos “salários” na década de 1980, governos falta de credibilidade antiinflacionária na década de 1990 e finalmente o problema de expectativas de inflação não ancoradas nas últimas décadas.

Mesmo que a inflação de hoje tenha causas semelhantes às da década de 1970, não queremos tentar o monetarismo novamente. Os bancos centrais do Canadá, Estados Unidos e Reino Unido tentaram isso no final da década de 1970. Em 1982, eles desistiram porque o monetarismo simplesmente não funcionou.

A maior parte do dinheiro é, na verdade, criada por bancos privados e assim as tentativas do banco central de limitar a oferta monetária estão fadadas ao fracasso. O banco pode influenciar a demanda por moeda aumentando ou diminuindo as taxas de juros, mas não controla a oferta monetária em si.

A política monetária é um instrumento contundente

O que finalmente derrubou a inflação na década de 1980 foi uma combinação de taxas de juros punitivamente altas – mais de 21 por cento no Canadá – e a recessão mais dolorosa desde a Grande Depressão, com o desemprego subindo para 12.8% no Canadá. Esta não é uma experiência que queremos repetir.

Se o trauma econômico dos anos 1970 e 1980 nos ensina alguma coisa, é que a política monetária pode ser um instrumento muito contundente. Para ser verdadeiramente eficaz, muitas vezes deve ser brutal.

Embora não existam soluções simples para nossos atuais desafios inflacionários, está claro que precisamos de uma abordagem holística. NÓS A recente estratégia do presidente Biden oferece uma alternativa promissora. Seu objetivo é combater a inflação pressionando as empresas a reduzir custos, em vez de salários, e tornando mais acessíveis medicamentos prescritos, energia e creches.

Então, da próxima vez que um político tentar vender a você um remédio monetarista para nossos atuais problemas inflacionários, pergunte se eles estão dispostos a nos fazer pagar os custos de outro erro econômico histórico.A Conversação

Sobre o autor

Jacqueline Best, Professor, Escola de Estudos Políticos, Universidade de Ottawa / Universidade de Ottawa

Este artigo foi republicado a partir de A Conversação sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.

Livros recomendados:

Capital do Século XXI
por Thomas Piketty. (Traduzido por Arthur Goldhammer)

Capital na capa dura do século XXI por Thomas Piketty.In Capital no século XXI, Thomas Piketty analisa uma coleção única de dados de vinte países, desde o século XVIII, para descobrir os principais padrões econômicos e sociais. Mas as tendências econômicas não são atos de Deus. A ação política acabou com as desigualdades perigosas no passado, diz Thomas Piketty, e pode fazê-lo novamente. Uma obra de extraordinária ambição, originalidade e rigor, Capital do Século XXI reorienta nossa compreensão da história econômica e nos confronta com lições moderadoras para hoje. Suas descobertas vão transformar o debate e definir a agenda para a próxima geração de pensamento sobre riqueza e desigualdade.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.


A fortuna da natureza: como os negócios e a sociedade prosperam investindo na natureza
por Mark R. Tercek e Jonathan S. Adams.

A fortuna da natureza: como os negócios e a sociedade prosperam investindo na natureza por Mark R. Tercek e Jonathan S. Adams.Qual é a natureza vale a pena? A resposta a esta pergunta-que tradicionalmente tem sido enquadrado em termos ambientais, está revolucionando a maneira como fazemos negócios. Dentro Fortune da naturezaMark Tercek, CEO da The Nature Conservancy e ex-banqueiro de investimentos, e o escritor de ciência Jonathan Adams argumentam que a natureza não é apenas a base do bem-estar humano, mas também o investimento comercial mais inteligente que qualquer empresa ou governo pode fazer. As florestas, várzeas e os recifes de ostras, muitas vezes vistos simplesmente como matéria-prima ou como obstáculos a serem eliminados em nome do progresso, são de fato tão importantes para nossa prosperidade futura quanto a tecnologia ou a lei ou a inovação empresarial. Fortune da natureza oferece um guia essencial para o bem-estar econômico e ambiental do mundo.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.


Além Outrage: O que deu errado com a nossa economia e nossa democracia, e como corrigi-lo -- por Robert B. Reich

Além OutrageNeste livro oportuno, Robert B. Reich argumenta que nada de bom acontece em Washington, a menos que os cidadãos são energizados e organizados para fazer atos certeza de Washington no bem público. O primeiro passo é ver a imagem grande. Além Outrage liga os pontos, mostrando porque a participação crescente de renda e de riqueza indo para o topo tem prejudicado o crescimento eo emprego para todos, minando a nossa democracia; causado americanos a tornar-se cada vez mais cínico sobre a vida pública, e muitos americanos virou um contra o outro. Ele também explica por que as propostas do "direito regressivo" está absolutamente errado e fornece um roteiro claro do que deve ser feito. Aqui está um plano de ação para todos os que se preocupa com o futuro da América.

Clique aqui para mais informações ou para encomendar este livro na Amazon.


Isso muda tudo: ocupe Wall Street e o movimento 99%
por Sarah van Gelder e funcionários do SIM! Revista.

Isso muda tudo: Ocupe Wall Street e o Movimento 99% de Sarah van Gelder e equipe do YES! Revista.Isso muda tudo mostra como o movimento Occupy está mudando a maneira como as pessoas veem a si mesmas e ao mundo, o tipo de sociedade que acreditam ser possível e seu próprio envolvimento na criação de uma sociedade que trabalhe para o 99% em vez de apenas 1%. Tentativas de classificar esse movimento descentralizado e de rápida evolução levaram à confusão e percepção equivocada. Neste volume, os editores de SIM! Revista reunir vozes de dentro e de fora dos protestos para transmitir as questões, possibilidades e personalidades associadas ao movimento Occupy Wall Street. Este livro apresenta contribuições de Naomi Klein, David Korten, Rebecca Solnit, Ralph Nader e outros, além de ativistas do Occupy que estavam lá desde o início.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.



Você pode gostar

EMPODERAMENTO PESSOAL

por que as mães têm raiva 3 8

Por que as mães estão expressando raiva e aproveitando seu poder

Amanda D. Watson, Universidade Simon Fraser
Índigos: Movendo-se para o amor próprio e deixando o trauma do passado
by Doreen Virtue
As crianças índigo costumam ser perfeccionistas e podem ser muito duras consigo mesmas. Um dos…
O que a Bíblia realmente diz sobre o aborto pode surpreendê-lo
by Melanie A. Howard
Os abortos eram conhecidos e praticados nos tempos bíblicos, embora os métodos diferissem significativamente…
Chega de salvadores: recuperando nossa mente da tirania do medo
by Sarah Varcas
Um eclipse lunar em Sagitário em 26 de maio dá início a uma sequência de eventos astrológicos importantes, tornando ...
5 destruidores de casamento e como identificá-los
by Mary Coleman
Como advogado, passei grande parte do tempo aconselhando os peticionários de divórcio. Descobri que havia um…

Viver em harmonia

Miserável e sem noção de por quê?
by Joan Borysenko
Se você está se sentindo frustrado, irritado ou impotente e se pega sempre culpando ...
O que a ciência sabe sobre a cura para o HIV
by Sharon Lewin e Thomas Aagaard Rasmussen, Instituto Peter Doherty para Infecção e Imunidade
A terapia anti-retroviral revolucionou a vida das pessoas que vivem com o HIV. Em muitos países,…
Obsidian oferece a oportunidade de melhorar sua mente e seu foco
by Nicholas Pearson
Obsidian nos pede para não olharmos para os pedaços quebrados que jazem no chão; em vez disso, a obsidiana ajuda ...
Os jovens têm uma relação de amor-ódio com a tecnologia na era digital
by Kate C. Tilleczek
Os jovens agora estão totalmente abrigados na era digital, quando circulam e dentro deles.

CONSCIÊNCIA SOCIAL

Por que as mudanças climáticas estão piorando as inundações
by Frances Davenport
Embora as inundações sejam uma ocorrência natural, as mudanças climáticas causadas pelo homem estão causando graves inundações…
A brancura é um conceito inventado que tem sido usado como ferramenta de opressão
by Meghan Tinsley, Universidade de Manchester
A brancura é uma invenção colonial moderna. Foi concebido no século XVII e usado para fornecer…
Suprema Corte inaugura o oeste selvagem que nunca existiu
by Robert Jennings, InnerSelf.com
A Suprema Corte acaba de, ao que tudo indica, intencionalmente transformar a América em um campo armado.
Por que as bombas de calor e os painéis solares são essenciais para a defesa nacional
by Daniel Cohan, Universidade Rice
Painéis solares, bombas de calor e hidrogênio são todos os blocos de construção de uma economia de energia limpa. Mas são…

À BEIRA

De Trump a Putin: por que as pessoas são atraídas por tiranos?
by Agata Mirowska, Raymond B. Chiu e Rick Hackett
Embora os movimentos populistas existam há muito tempo, tem havido um interesse considerável em…
58% das doenças infecciosas humanas são agravadas pelas mudanças climáticas
by Tristan McKenzie e outros
As mudanças climáticas podem exacerbar 58% das doenças infecciosas com as quais os humanos entram em contato…
O que é o Neoliberalismo?
by Antonio Kamas,
O neoliberalismo é um conceito complexo que muitas pessoas usam – e abusam – em diferentes e muitas vezes…
Moedas digitais do Banco Central podem significar o fim da democracia
by Ori Freiman
Nos últimos anos, testemunhamos um interesse crescente na ideia de banco central digital…

Novas atitudes - Novas possibilidades

InnerSelf.comClimateImpactNews.com | InnerPower.net
MightyNatural.com | WholisticPolitics. com | Innerself Mercado
Copyright © 1985 - 2021 innerself Publications. Todos os direitos reservados.