Por que não é antiambiental ser a favor do crescimento econômico

energia renovável 9 15

Em meio à crise atual do custo de vida, muitas pessoas que são críticos da ideia de crescimento económico vêem uma oportunidade. Em seu livro recente O Futuro é Decrescimento, por exemplo, os proeminentes defensores Matthias Schmelzer, Aaron Vansintjan e Andrea Vetter argumentam que a inflação pós-Covid foi predominantemente causada pela instabilidade inerente ao sistema capitalista.

Isso veio na forma de problemas com as cadeias de suprimentos globais e a inflação dos preços dos ativos decorrentes da ação do governo em resposta à pandemia. Uma vez que o mesmo sistema é, na sua opinião, também responsável por causar a mudança climática, afastar-se dela e frear o crescimento econômico em que gira ajudará a matar dois coelhos com uma cajadada só.

Argumentos como esses lembram e são diretamente influenciado por um famoso relatório científico de anos 50 atrás chamado Limites do Crescimento. Escrito por um grupo de pesquisadores comissionados pelo think tank Clube de Roma, ele alertou para um “excesso e colapso” da economia global dentro de 100 anos.

Os pesquisadores prevêem que este declínio seria causado pelo crescimento exponencial das populações, industrialização, poluição, produção de alimentos e esgotamento de recursos. A resposta, eles disseram, era passar para um estado de estabilidade econômica e ecológica que seria sustentável no futuro.

Quando o crise do petróleo de outubro de 1973 a março de 1974 viu os preços do petróleo quadruplicarem, foi visto como justificando a previsão do relatório de um aumento dramático no preço do petróleo. Um famoso Newsweek edição do final de 1973 trazia a manchete “Ficando sem tudo”, ao lado de uma foto de Tio Sam olhando para uma cornucópia vazia.

No entanto, ao contrário das previsões do relatório Limits, o choque do petróleo não foi causado pela escassez de recursos, mas pela geopolítica. Os sauditas e o cartel fornecedor de petróleo Opep impuseram um embargo de petróleo ao oeste para protestar contra os EUA que armam Israel em suas guerras contra a Síria e o Egito.

Um equívoco semelhante está no centro dos argumentos de os decrescimentos de hoje sobre a crise do custo de vida. A escassez de petróleo e gás, causando a disparada dos preços, deve-se principalmente à guerra na Ucrânia e a uma queda na oferta devido às grandes empresas investirem menos na produção por causa da agenda líquida zero.

Economia equivocada

Os redatores do relatório Limits não apenas previram um aumento nos preços do petróleo pelas razões erradas, mas também não consideraram como o mercado responderia. Preços mais altos reduziram a demanda e incentivaram o investimento em eficiência energética e a exploração de petróleo, com grandes novas reservas sendo identificadas.

O crescimento tem não (ainda) limitado pela falta de recursos, em parte porque os avanços tecnológicos nos permitem gerar mais com menos e em parte por causa das forças do mercado. Quando um produto ou commodity se torna mais caro, as pessoas usam menos ou mudam para uma alternativa.

Portanto, a realidade é que a inflação pode diminuir com o tempo, dependendo, é claro, do que os bancos centrais fizerem com a política monetária. Da mesma forma, perseguir o decrescimento pode ser inflacionário ou deflacionário. Depende se a oferta de bens e serviços cai mais do que a demanda.


 Receba as últimas por e-mail

Revista Semanal Melhor da Semana

Tanto na década de 1970 quanto hoje, uma das principais questões é um mal-entendido fundamental sobre o que é o crescimento econômico e o que o impulsiona. É visto como sendo dirigido pela quantidade, no sentido de que os decrescimentos pensam que há uma demanda insaciável por mais do mesmo, o que eventualmente ter “consequências devastadoras para o mundo dos vivos”.

Mas o crescimento econômico tem mais a ver com qualidade do que com quantidade. Não se trata apenas de produzir mais carros, por exemplo, mas de torná-los mais eficientes em termos de combustível ou elétricos. Isso, por sua vez, cria demanda por diferentes recursos, como lítio para baterias.

Ou para dar outro exemplo de como os economistas veem o crescimento, um importante estudo analisou como o preço de um unidade de luz caiu ao longo do tempo. Isso ocorreu porque, à medida que a tecnologia mudou de velas para lâmpadas modernas, o custo de produção em termos de horas trabalhadas caiu drasticamente.

Ainda em outro aspecto, os decrescimentos estão inteiramente certos. Novamente, vale a pena olhar para o relatório Limits para entender isso. Para testar seu caso base, os pesquisadores analisaram vários cenários alternativos de como o futuro pode acontecer.

Em um deles, eles assumiram que o estoque mundial de recursos não renováveis ​​disponíveis dobrou. Isso significava que a escassez era um problema menor do que no caso base. Mas eles previram que, em vez de evitar uma catástrofe, isso causaria aumentos prejudiciais na poluição associada à atividade econômica.

A poluição tornou-se de fato um problema maior do que as restrições de recursos. Por exemplo, Limites previstos que a concentração de CO₂ na atmosfera atingiria 435 partes por milhão (ppm) até 2022 se as tendências no consumo de combustíveis fósseis continuarem inalteradas. Atualmente é 421ppm, então eles estavam bastante próximos. É esta ligação entre os danos ambientais e a economia que é o legado mais importante do relatório.

Gerenciando a riqueza das nações

Após a tese dos Limites, os economistas começou a incorporar a ideia de recursos finitos mais explicitamente em modelos de crescimento econômico. Isso formou a base da abordagem econômica para o desenvolvimento sustentável, que diz que você alcança a equidade intergeracional reinvestindo os recursos de recursos finitos em outros ativos, como edifícios, máquinas ou ferramentas.

Por exemplo, se US$ 1 de petróleo é extraído do solo, US$ 1 deve ser reinvestido em outro lugar. Embora ainda longe de ser universalmente adotada, algumas nações produtoras de petróleo, como Noruega faça isso.

Uma ideia relacionada é que nós deve se afastar de pensar no crescimento da renda nacional e, em vez disso, focar na gestão da riqueza nacional. Riqueza neste contexto refere-se a todos os ativos dos quais as pessoas obtêm bem-estar, e mudanças na riqueza per capita – referidos no campo como “poupança genuína” – são indicadores de que o desenvolvimento é sustentável.

A chave é colocar o preço certo em diferentes tipos de ativos, inclusive levando em consideração danos da poluição. Por exemplo, o carbono é claramente muito importante ao avaliar as mudanças na riqueza. A seguir gráfico usa nossos cálculos para mostrar uma alternativa ao uso do PIB para medir o progresso ao longo do século 20.

Como a 'riqueza' per capita mudou ao longo do século 20energia renovável2 9 15 Dados dos autores/Nosso mundo em dados

Em vez de encorajar o decrescimento, agora é aceito por a maioria dos economistas ambientais que esta medida de riqueza humana é um complemento útil ao PIB. Isso está sendo levado cada vez mais a sério pelos governos. Por exemplo, os EUA anunciaram recentemente que começar a contabilidade por seus bens naturais.

Mas se quisermos vencer a discussão sobre mudar a base sobre a qual medimos o progresso humano, é vital que tenhamos clareza sobre as razões para fazê-lo. Acreditar que o crescimento econômico é inerentemente ruim não ajuda.A Conversação

Sobre os Autores

Eoin McLaughlin, Professor de Economia, Colégio Universitário Cork; Cristian Ducoing, Palestrante Sênior em Transformações da Sustentabilidade ao longo do tempo e do espaço, Universidade de Lunde Les Oxley, Professor de Economia, Universidade de Waikato

Este artigo foi republicado a partir de A Conversação sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.

Livros recomendados:

Capital do Século XXI
por Thomas Piketty. (Traduzido por Arthur Goldhammer)

Capital na capa dura do século XXI por Thomas Piketty.In Capital no século XXI, Thomas Piketty analisa uma coleção única de dados de vinte países, desde o século XVIII, para descobrir os principais padrões econômicos e sociais. Mas as tendências econômicas não são atos de Deus. A ação política acabou com as desigualdades perigosas no passado, diz Thomas Piketty, e pode fazê-lo novamente. Uma obra de extraordinária ambição, originalidade e rigor, Capital do Século XXI reorienta nossa compreensão da história econômica e nos confronta com lições moderadoras para hoje. Suas descobertas vão transformar o debate e definir a agenda para a próxima geração de pensamento sobre riqueza e desigualdade.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.


A fortuna da natureza: como os negócios e a sociedade prosperam investindo na natureza
por Mark R. Tercek e Jonathan S. Adams.

A fortuna da natureza: como os negócios e a sociedade prosperam investindo na natureza por Mark R. Tercek e Jonathan S. Adams.Qual é a natureza vale a pena? A resposta a esta pergunta-que tradicionalmente tem sido enquadrado em termos ambientais, está revolucionando a maneira como fazemos negócios. Dentro Fortune da naturezaMark Tercek, CEO da The Nature Conservancy e ex-banqueiro de investimentos, e o escritor de ciência Jonathan Adams argumentam que a natureza não é apenas a base do bem-estar humano, mas também o investimento comercial mais inteligente que qualquer empresa ou governo pode fazer. As florestas, várzeas e os recifes de ostras, muitas vezes vistos simplesmente como matéria-prima ou como obstáculos a serem eliminados em nome do progresso, são de fato tão importantes para nossa prosperidade futura quanto a tecnologia ou a lei ou a inovação empresarial. Fortune da natureza oferece um guia essencial para o bem-estar econômico e ambiental do mundo.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.


Além Outrage: O que deu errado com a nossa economia e nossa democracia, e como corrigi-lo -- por Robert B. Reich

Além OutrageNeste livro oportuno, Robert B. Reich argumenta que nada de bom acontece em Washington, a menos que os cidadãos são energizados e organizados para fazer atos certeza de Washington no bem público. O primeiro passo é ver a imagem grande. Além Outrage liga os pontos, mostrando porque a participação crescente de renda e de riqueza indo para o topo tem prejudicado o crescimento eo emprego para todos, minando a nossa democracia; causado americanos a tornar-se cada vez mais cínico sobre a vida pública, e muitos americanos virou um contra o outro. Ele também explica por que as propostas do "direito regressivo" está absolutamente errado e fornece um roteiro claro do que deve ser feito. Aqui está um plano de ação para todos os que se preocupa com o futuro da América.

Clique aqui para mais informações ou para encomendar este livro na Amazon.


Isso muda tudo: ocupe Wall Street e o movimento 99%
por Sarah van Gelder e funcionários do SIM! Revista.

Isso muda tudo: Ocupe Wall Street e o Movimento 99% de Sarah van Gelder e equipe do YES! Revista.Isso muda tudo mostra como o movimento Occupy está mudando a maneira como as pessoas veem a si mesmas e ao mundo, o tipo de sociedade que acreditam ser possível e seu próprio envolvimento na criação de uma sociedade que trabalhe para o 99% em vez de apenas 1%. Tentativas de classificar esse movimento descentralizado e de rápida evolução levaram à confusão e percepção equivocada. Neste volume, os editores de SIM! Revista reunir vozes de dentro e de fora dos protestos para transmitir as questões, possibilidades e personalidades associadas ao movimento Occupy Wall Street. Este livro apresenta contribuições de Naomi Klein, David Korten, Rebecca Solnit, Ralph Nader e outros, além de ativistas do Occupy que estavam lá desde o início.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.



Você pode gostar

siga InnerSelf on

facebook íconeícone do twitterícone do YouTubeícone do instagramícone pintrestícone rss

 Receba as últimas por e-mail

Revista Semanal Melhor da Semana

IDIOMAS DISPONÍVEIS

enafarzh-CNzh-TWdanltlfifrdeeliwhihuiditjakomsnofaplptroruesswsvthtrukurvi

MAIS LEIA

morte por poluição 11 11
Poluição do ar pode causar muito mais mortes do que se pensava
by Katherine Gombay
Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores combinaram dados de saúde e mortalidade de sete milhões…
bruxaria e américa 11 15
O que o mito grego nos diz sobre a bruxaria moderna
by Joel Christensen
Viver no North Shore em Boston no outono traz o lindo virar das folhas e…
tornando as empresas responsáveis ​​11 14
Como as empresas podem falar sobre os desafios sociais e econômicos
by Simon Pek e Sébastien Mena
As empresas estão enfrentando pressões crescentes para enfrentar desafios sociais e ambientais, como…
jovem mulher ou menina em pé contra uma parede de graffiti
Coincidência como exercício para a mente
by Bernard Beitman, MD
Prestar muita atenção às coincidências exercita a mente. O exercício beneficia a mente assim como…
pessoas de mãos dadas
7 maneiras de mudar o mundo e nossas comunidades
by Cormac Russel e John McKnight
Além de conectar-se pela vizinhança, que outras funções os bairros vibrantes realizam?…
o que os jovens querem 11 10
O que devo fazer com todas essas coisas climáticas realmente ruins?
by Phoebe Quinn e Katitza Marinkovic Chavez
Muitos jovens sentem-se ansiosos, impotentes, tristes e irritados com as mudanças climáticas. Apesar de haver…
arcos refletidos na água
Egoísmo em um Mosteiro: Lições de Liderança de um Monge e seu Irmão
by David C. Bentall
"Pouco depois que meu irmão se casou, ele me ligou para pedir desculpas. Ele disse que não tinha percebido como...
síndrome da morte súbita infantil 11 17
Como proteger seu bebê da síndrome da morte súbita infantil
by Rachel Moon
A cada ano, cerca de 3,400 bebês americanos morrem repentina e inesperadamente durante o sono, de acordo com o…

Novas atitudes - Novas possibilidades

InnerSelf.comClimateImpactNews.com | InnerPower.net
MightyNatural.com | WholisticPolitics. com | Innerself Mercado
Copyright © 1985 - 2021 innerself Publications. Todos os direitos reservados.