Os EUA caíram drasticamente nos rankings globais que medem a democracia e a desigualdade

sinais de desigualdade 9 17
 Camp Laykay Nou, um acampamento de sem-teto na Filadélfia. A alta e crescente desigualdade é uma das razões pelas quais os EUA se classificam mal em alguns rankings internacionais de desenvolvimento. Cory Clark/NurPhoto via Getty Images

Os Estados Unidos podem se considerar um “líder do mundo livre”, mas um índice de desenvolvimento divulgado em julho de 2022 coloca o país muito mais abaixo na lista.

Em seus rankings globais, o Escritório de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas baixou os EUA para 41º em todo o mundo, abaixo de sua classificação anterior de 32º. Sob essa metodologia – um modelo expansivo de 17 categorias, ou “objetivos”, muitos deles focados no meio ambiente e na equidade – os EUA se classificam entre Cuba e Bulgária. Ambos são amplamente considerados como países em desenvolvimento.

Os EUA também são agora considerados uma “democracia defeituosa”, de acordo com Índice de democracia do The Economist.

Como um historiador político que estuda os EUA desenvolvimento institucional, reconheço essas classificações sombrias como o resultado inevitável de dois problemas. O racismo enganou muitos americanos em termos de assistência médica, educação, segurança econômica e meio ambiente que eles merecem. Ao mesmo tempo, à medida que as ameaças à democracia se tornam mais sérias, a devoção ao “excepcionalismo americano” impede o país de avaliações sinceras e correções de rumo.

'A outra América'

As classificações do Escritório de Desenvolvimento Sustentável diferem das medidas de desenvolvimento mais tradicionais, pois estão mais focadas nas experiências das pessoas comuns, incluindo sua capacidade de desfrutar de ar e água limpos, do que na criação de riqueza.

Assim, enquanto o tamanho gigantesco da economia americana conta em sua pontuação, o mesmo acontece com o acesso desigual à riqueza que ela produz. Quando julgado por medidas aceitas como a coeficiente de Gini, a desigualdade de renda nos EUA aumentou acentuadamente nos últimos 30 anos. Pelo Medição da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico, os EUA têm a maior diferença de riqueza entre as nações do G-7.

Esses resultados refletem as disparidades estruturais nos Estados Unidos, que são mais pronunciadas para os afro-americanos. Tais diferenças persistiram muito além do fim da escravidão e da revogação das leis de Jim Crow.

O estudioso WEB Du Bois expôs pela primeira vez esse tipo de desigualdade estrutural em sua análise de 1899 da vida negra no norte urbano, “O Negro Filadélfia.” Embora ele tenha notado distinções de riqueza e status dentro da sociedade negra, Du Bois descobriu que a vida dos afro-americanos era um mundo à parte dos residentes brancos: uma “cidade dentro de uma cidade”. Du Bois atribuiu as altas taxas de pobreza, crime e analfabetismo predominantes na comunidade negra da Filadélfia à discriminação, desinvestimento e segregação residencial – não ao grau de ambição ou talento dos negros.

Mais de meio século depois, com eloquência característica, Martin Luther King Jr. igualmente criticado a persistência da “outra América”, onde “o dinamismo da esperança” se transformou em “a fadiga do desespero”.


 Receba as últimas por e-mail

Revista Semanal Melhor da Semana

Para ilustrar seu ponto, King se referiu a muitos dos mesmos fatores estudados por Du Bois: a condição de moradia e riqueza familiar, educação, mobilidade social e taxas de alfabetização, resultados de saúde e emprego. Em todas essas métricas, Os negros americanos se saíram pior do que os brancos. Mas, como King observou, “muitas pessoas de várias origens vivem nesta outra América”.

As referências de desenvolvimento invocadas por esses homens também aparecem com destaque no livro de 1962 “A Outra América”, pelo cientista político Michael Harrington, fundador de um grupo que acabou se tornando os Socialistas Democráticos da América. O trabalho de Harrington inquietou tanto o presidente John F. Kennedy que supostamente galvanizou-o em formular uma “guerra contra a pobreza”.

O sucessor de Kennedy, Lyndon Johnson, travou essa guerra metafórica. Mas a pobreza ligado a lugares discretos. As áreas rurais e os bairros segregados permaneceram pobres muito além dos esforços federais de meados do século XX.

Em grande parte, porque os esforços federais durante esse período crítico acomodaram em vez de confrontar as forças do racismo, de acordo com minha pesquisa.

Em vários domínios políticos, os esforços sustentados dos democratas segregacionistas no Congresso resultaram em um sistema de política social incompleto e de retalhos. Os democratas do Sul cooperaram com os republicanos para condenar os esforços fracassados ​​de alcançar universal assistência médica or forças de trabalho sindicalizadas. Rejeitando propostas de forte intervenção federal, eles deixaram um legado quadriculado de financiamento local para a educação e saúde pública.

Hoje, muitos anos depois, os efeitos de um estado de bem-estar social adaptado ao racismo são evidentes – embora talvez menos visíveis – na inadequada políticas de saúde dirigindo um declínio chocante na esperança média de vida americana.

Democracia em declínio

Existem outras maneiras de medir o nível de desenvolvimento de um país e, em algumas delas, os EUA se saem melhor.

Os EUA ocupam atualmente a 21ª posição em índice do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, que mede menos fatores do que o índice de desenvolvimento sustentável. Bons resultados em renda média por pessoa – US$ 64,765 – e uma média de 13.7 anos de escolaridade situam os Estados Unidos diretamente no mundo desenvolvido.

Sua classificação sofre, no entanto, em avaliações que dão maior peso aos sistemas políticos.

The Economist's índice de democracia agora agrupa os EUA entre as “democracias imperfeitas”, com uma pontuação geral que se classifica entre a Estônia e o Chile. Fica aquém de ser uma “democracia plena” bem avaliada em grande parte por causa de uma cultura política fraturada. Essa divisão crescente é mais aparente nos caminhos divergentes entre os estados “vermelho” e “azul”.

Embora os analistas do The Economist aplaudam a transferência pacífica de poder diante de uma insurreição destinada a perturbar lo, seu relatório lamenta que, de acordo com uma pesquisa de janeiro de 2022, “apenas 55% dos americanos acreditam que Biden venceu legitimamente a eleição de 2020, apesar de não haver evidências de fraude eleitoral generalizada”.

O negacionismo eleitoral traz consigo a ameaça que as autoridades eleitorais em jurisdições controladas pelos republicanos rejeitarão ou alterarão as contagens de votos que não favorecem o Partido Republicano nas próximas eleições, comprometendo ainda mais a pontuação dos EUA no índice de democracia.

A América vermelha e azul também diferem no acesso aos cuidados reprodutivos modernos para as mulheres. Isso prejudica a classificação de igualdade de gênero dos EUA, um aspecto do índice de desenvolvimento sustentável das Nações Unidas.

Uma vez que o Suprema Corte derrubou Roe v. Wade, estados controlados pelos republicanos promulgaram ou propuseram grosseiramente restritivo leis de aborto, a ponto de colocando em risco a saúde de uma mulher.

Acredito que, quando combinado com desigualdades estruturais e políticas sociais fraturadas, o compromisso republicano cada vez menor com a democracia dá peso à classificação dos EUA como um país em desenvolvimento.

Excepcionalismo americano

Para abordar o fraco desempenho dos Estados Unidos em uma variedade de pesquisas globais, é preciso também lidar com a ideia de Excepcionalismo americano, uma crença na superioridade americana sobre o resto do mundo.

Ambos os partidos políticos há muito promovem essa crença, em casa e no exterior, mas o “excepcionalismo” recebe um tratamento mais formal dos republicanos. Foi a primeira linha da plataforma nacional do Partido Republicano de 2016 e 2020 (“acreditamos no excepcionalismo americano”). E serviu como o princípio organizador por trás da promessa de Donald Trump de restaurar “educação patriótica” para as escolas americanas.

Na Flórida, após lobby do governador republicano Ron DeSantis, o conselho estadual de educação em julho de 2022 aprovou padrões enraizados no excepcionalismo americano, ao mesmo tempo em que impedia a instrução em teoria crítica da raça, uma estrutura acadêmica que ensina o tipo de racismo estrutural que Du Bois expôs há muito tempo.

Com a tendência de proclamar a excelência em vez de persegui-la, o tráfico do excepcionalismo americano encoraja os americanos a manter um forte senso de conquista nacional – apesar das crescentes evidências em contrário.A Conversação

Sobre o autor

Kathleen Frydl, Professor Sachs, Johns Hopkins University

Este artigo foi republicado a partir de A Conversação sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.

Livros recomendados:

Capital do Século XXI
por Thomas Piketty. (Traduzido por Arthur Goldhammer)

Capital na capa dura do século XXI por Thomas Piketty.In Capital no século XXI, Thomas Piketty analisa uma coleção única de dados de vinte países, desde o século XVIII, para descobrir os principais padrões econômicos e sociais. Mas as tendências econômicas não são atos de Deus. A ação política acabou com as desigualdades perigosas no passado, diz Thomas Piketty, e pode fazê-lo novamente. Uma obra de extraordinária ambição, originalidade e rigor, Capital do Século XXI reorienta nossa compreensão da história econômica e nos confronta com lições moderadoras para hoje. Suas descobertas vão transformar o debate e definir a agenda para a próxima geração de pensamento sobre riqueza e desigualdade.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.


A fortuna da natureza: como os negócios e a sociedade prosperam investindo na natureza
por Mark R. Tercek e Jonathan S. Adams.

A fortuna da natureza: como os negócios e a sociedade prosperam investindo na natureza por Mark R. Tercek e Jonathan S. Adams.Qual é a natureza vale a pena? A resposta a esta pergunta-que tradicionalmente tem sido enquadrado em termos ambientais, está revolucionando a maneira como fazemos negócios. Dentro Fortune da naturezaMark Tercek, CEO da The Nature Conservancy e ex-banqueiro de investimentos, e o escritor de ciência Jonathan Adams argumentam que a natureza não é apenas a base do bem-estar humano, mas também o investimento comercial mais inteligente que qualquer empresa ou governo pode fazer. As florestas, várzeas e os recifes de ostras, muitas vezes vistos simplesmente como matéria-prima ou como obstáculos a serem eliminados em nome do progresso, são de fato tão importantes para nossa prosperidade futura quanto a tecnologia ou a lei ou a inovação empresarial. Fortune da natureza oferece um guia essencial para o bem-estar econômico e ambiental do mundo.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.


Além Outrage: O que deu errado com a nossa economia e nossa democracia, e como corrigi-lo -- por Robert B. Reich

Além OutrageNeste livro oportuno, Robert B. Reich argumenta que nada de bom acontece em Washington, a menos que os cidadãos são energizados e organizados para fazer atos certeza de Washington no bem público. O primeiro passo é ver a imagem grande. Além Outrage liga os pontos, mostrando porque a participação crescente de renda e de riqueza indo para o topo tem prejudicado o crescimento eo emprego para todos, minando a nossa democracia; causado americanos a tornar-se cada vez mais cínico sobre a vida pública, e muitos americanos virou um contra o outro. Ele também explica por que as propostas do "direito regressivo" está absolutamente errado e fornece um roteiro claro do que deve ser feito. Aqui está um plano de ação para todos os que se preocupa com o futuro da América.

Clique aqui para mais informações ou para encomendar este livro na Amazon.


Isso muda tudo: ocupe Wall Street e o movimento 99%
por Sarah van Gelder e funcionários do SIM! Revista.

Isso muda tudo: Ocupe Wall Street e o Movimento 99% de Sarah van Gelder e equipe do YES! Revista.Isso muda tudo mostra como o movimento Occupy está mudando a maneira como as pessoas veem a si mesmas e ao mundo, o tipo de sociedade que acreditam ser possível e seu próprio envolvimento na criação de uma sociedade que trabalhe para o 99% em vez de apenas 1%. Tentativas de classificar esse movimento descentralizado e de rápida evolução levaram à confusão e percepção equivocada. Neste volume, os editores de SIM! Revista reunir vozes de dentro e de fora dos protestos para transmitir as questões, possibilidades e personalidades associadas ao movimento Occupy Wall Street. Este livro apresenta contribuições de Naomi Klein, David Korten, Rebecca Solnit, Ralph Nader e outros, além de ativistas do Occupy que estavam lá desde o início.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.



Você pode gostar

siga InnerSelf on

facebook íconeícone do twitterícone do YouTubeícone do instagramícone pintrestícone rss

 Receba as últimas por e-mail

Revista Semanal Melhor da Semana

IDIOMAS DISPONÍVEIS

enafarzh-CNzh-TWdanltlfifrdeeliwhihuiditjakomsnofaplptroruesswsvthtrukurvi

MAIS LEIA

Rosário 10 29
Por que o Rosário é Central para a Fé Católica?
by Kayla Harris
A devoção ao rosário já tinha uma história secular, e a aparição mariana em Fátima…
verdades antigas do budismo 11 5
O mundo moderno descobriu as antigas verdades do budismo?
by Jesse Barker
Para muitas pessoas, o budismo parece ser exclusivamente compatível com estilos de vida modernos e visões de mundo.…
dia dos mortos 11 3
O Dia dos Mortos é Incompreendido - Por que é Importante
by Jane Lavery
Conhecido em espanhol como Día de los Muertos, o Dia dos Mortos é comumente comemorado todos os anos…
morte por poluição 11 11
Poluição do ar pode causar muito mais mortes do que se pensava
by Katherine Gombay
Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores combinaram dados de saúde e mortalidade de sete milhões…
Mulher africana vestindo uma touca com os olhos fechados e sorriso
Quatro requisitos para viver com alegria
by Andrew Harvey e Carolyn Baker, Ph.D.,
Nada é mais importante para o futuro da humanidade do que um retorno global à alegria. Em um momento de…
uma jovem sentada e descansando contra uma árvore
Devagar: a medicina da desaceleração
by Júlia Paulette Hollenbery
Na tentativa de acompanhar um mundo cada vez mais rápido, estamos sempre em movimento, sem parar,…
pessoas de mãos dadas
7 maneiras de mudar o mundo e nossas comunidades
by Cormac Russel e John McKnight
Além de conectar-se pela vizinhança, que outras funções os bairros vibrantes realizam?…
por que o pensamento mágico 11 9
Por que tantas pessoas adotam o pensamento mágico
by Dimitris Xygalatas
No centro da maioria das superstições estão certas noções intuitivas sobre como o mundo funciona. Cedo…

Novas atitudes - Novas possibilidades

InnerSelf.comClimateImpactNews.com | InnerPower.net
MightyNatural.com | WholisticPolitics. com | Innerself Mercado
Copyright © 1985 - 2021 innerself Publications. Todos os direitos reservados.