3 maneiras pelas quais as empresas mudam seus produtos para esconder a inflação

esconder a inflação 9 14
 Fazer compras durante um aumento inflacionário pode exigir um pouco mais de reflexão. Sergey Ryzhov / Shutterstock

Inflação dos preços ao consumidor no Reino Unido desacelerou pela primeira vez em quase um ano em agosto. Uma queda nos preços da gasolina ajudou a desacelerar a taxa geral, mas os preços dos alimentos continuam a subir rapidamente. Mas mesmo com uma desaceleração para 9.9%, de 10.1% em julho, a inflação ainda permanece próxima do maior nível em uma geração.

Depois que a inflação atingiu taxas de dois dígitos no início deste ano pela primeira vez desde a década de 1970, muitos olharam para trás para comparar o que está acontecendo agora com o que aconteceu então. Mas essa comparação é problemática porque não são apenas os penteados e modas que mudaram nos últimos 50 anos.

Os hábitos dos consumidores também são muito diferentes e isso significa que a inflação terá um efeito diferente em como as pessoas gastam e economizam, sem falar nos produtos que compram, desta vez.

Para começar, os mercados são muito diferentes hoje em comparação com a década de 1970. A internet e as cadeias de suprimentos globalizadas incentivaram a concorrência de várias fontes, com as pessoas não mais limitadas aos bens e serviços disponíveis localmente. As economias também estão cada vez mais baseadas em serviços, em vez de bens, enquanto as definições de gastos essenciais versus discricionários mudaram.

Outra grande mudança é a desregulamentação de muitos serviços de monopólio fornecidos pelo Estado desde a década de 1970. Independentemente de você achar que isso beneficiou ou não a sociedade, isso permite maior concorrência de preços.

Por exemplo, em vez de um serviço de encomendas monopolista – os Correios – repassar o aumento dos custos sabendo que os clientes têm poucas alternativas, a concorrência entre provedores como Parcelforce, Hermes e DPD, entre outros, pode ajudar a manter os preços baixos.

Mas há certas mudanças de produtos que as empresas podem fazer e fazem para tentar dobrar silenciosamente os custos crescentes nos preços. Aqui estão três para ficar de olho:

1. Produtos de valor

Sem surpresa, as vendas de mantimentos de “marca própria” dos varejistas tendem a subir quando a renda disponível cai. Alinhado com isto, lojas e supermercados responderam à inflação recente promovendo faixas “básicas” ou “essenciais” a preços baixos. Isso também aconteceu na década de 1970.

Os mantimentos de marca própria são geralmente mais lucrativo aos varejistas do que vender produtos de marca dos fabricantes de qualquer maneira. Mas o preço muito baixo deixa pouca margem de lucro e, portanto, os supermercados enfrentam o dilema de que promover faixas de orçamento pode canibalizar as vendas de produtos com margens mais altas.


 Receba as últimas por e-mail

Revista Semanal Melhor da Semana

Por outro lado, a promoção de produtos individuais com preços baixos ajuda os varejistas a transmitir uma percepção de acessibilidade e bom valor. Entre os varejistas de supermercados do Reino Unido, os descontos econômicos ganharam terreno durante a crise financeira de 2007-8.

Como a inflação disparou mais recentemente, Aldi e Lidl ganhou um combinado de 1.8% das vendas de supermercado do Reino Unido nas 12 semanas até 7 de agosto de 2022, representando uma mudança anual de £ 2.3 bilhões nos gastos. Aldi também recentemente ultrapassado Morrisons para se tornar o quarto maior supermercado da Grã-Bretanha.

A vontade dos varejistas de se mostrarem campeões do consumidor no combate à inflação também foi vista recentemente durante o que normalmente são negociações de oferta de rotina. Em julho, um disputa por aumento de preço para produtos como latas de feijão cozido viu o supermercado Tesco congelar seus pedidos da empresa de alimentos Heinz.

A perspectiva de um espaço em forma de Heinz nas prateleiras de um dos maiores supermercados do Reino Unido rapidamente chegou às manchetes e a publicidade resultante foi, sem dúvida, um resultado vantajoso para ambos: a Tesco era vista como lutando pelo consumidor, enquanto a Heinz enfatizava seus valores de produtos premium.

2. 'Encolhimento'

Em tempos de pressões inflacionárias de custos, uma estratégia comum para fabricantes de bens de consumo rápido, como alimentos embalados, bebidas e cosméticos, tem sido manter o preço de um produto, mas reduzir seu conteúdo.

Muitas vezes chamado de “encolhimento”, esse processo silencioso pode ser revertido quando os custos de insumos caírem novamente. É quando o fabricante vai promover em voz alta um produto novo e maior com uma porcentagem “extra grátis”.

Embora essa estratégia possa funcionar mesmo quando o conhecimento dos preços dos consumidores é alto, movendo-se em pequenos incrementos, essa é outra área em que os tempos mudaram desde a década de 1970. O conhecimento dos consumidores sobre os preços caiu desde a década de 1970.

Os preços de referência (que permitem comparações de diferentes produtos com base no custo por valor) agora são menos facilmente visível em parte porque o código de barras substituiu os rótulos individuais que continuam a lembrar os consumidores do preço após a compra, toda vez que um produto é usado.

No entanto, a ascensão das compras on-line permitiu que os consumidores fizessem suas próprias comparações. Uma simples pesquisa na web pode expor facilmente a contração, permitindo comparações imediatas de preço por unidade de peso/volume.

3. Faça você mesmo

É muito simplista dizer que as empresas fazem as coisas e os consumidores as consomem. De fato, muitos dos produtos que consumimos resultam dos esforços combinados de produtor e consumidor.

As pressões inflacionárias podem levar os consumidores a substituir ainda mais seus próprios insumos por insumos caros dos próprios fabricantes. Móveis de embalagens planas, por exemplo, reduziram as pressões de custo sobre os fabricantes e permitiram que os consumidores fizessem economias realizando eles mesmos partes do processo de produção.

Esta tendência para a “coprodução” é ainda mais acentuada nos serviços que na verdade são mais dominantes no economias nacionais hoje do que na década de 1970, por exemplo, bancos, muitos dos quais mudou de filiais para online. O autoatendimento, voluntariamente ou não, é outra forma de mitigar os efeitos da inflação.

Mudança permanente?

Mudanças de longo prazo no comportamento do consumidor são mais prováveis ​​de surgir como resultado de múltiplos fatores ao invés de um único problema. E assim as consequências da inflação desta vez serão diferentes por causa de outros fatores, especialmente as mudanças climáticas, os efeitos da pandemia e o Brexit.

Uma questão intrigante é se nos moveremos em direção a uma cultura dominante que seja menos focada no consumo. As sociedades sempre tiveram subculturas que defendem valores de consumo minimalistas, mas tem surgido tendência para que as pessoas reavaliem suas escolhas e prioridades de vida nos últimos anos.

A inflação crescente, as mudanças climáticas (e a vergonha climática) e as habilidades adquiridas durante o bloqueio podem fornecer outro impulso para mudar essas atitudes marginais para o mainstream.A Conversação

Sobre o autor

Adrian Palmer, Professor de Marketing, Universidade de Reading

Este artigo foi republicado a partir de A Conversação sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.

Livros recomendados:

Capital do Século XXI
por Thomas Piketty. (Traduzido por Arthur Goldhammer)

Capital na capa dura do século XXI por Thomas Piketty.In Capital no século XXI, Thomas Piketty analisa uma coleção única de dados de vinte países, desde o século XVIII, para descobrir os principais padrões econômicos e sociais. Mas as tendências econômicas não são atos de Deus. A ação política acabou com as desigualdades perigosas no passado, diz Thomas Piketty, e pode fazê-lo novamente. Uma obra de extraordinária ambição, originalidade e rigor, Capital do Século XXI reorienta nossa compreensão da história econômica e nos confronta com lições moderadoras para hoje. Suas descobertas vão transformar o debate e definir a agenda para a próxima geração de pensamento sobre riqueza e desigualdade.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.


A fortuna da natureza: como os negócios e a sociedade prosperam investindo na natureza
por Mark R. Tercek e Jonathan S. Adams.

A fortuna da natureza: como os negócios e a sociedade prosperam investindo na natureza por Mark R. Tercek e Jonathan S. Adams.Qual é a natureza vale a pena? A resposta a esta pergunta-que tradicionalmente tem sido enquadrado em termos ambientais, está revolucionando a maneira como fazemos negócios. Dentro Fortune da naturezaMark Tercek, CEO da The Nature Conservancy e ex-banqueiro de investimentos, e o escritor de ciência Jonathan Adams argumentam que a natureza não é apenas a base do bem-estar humano, mas também o investimento comercial mais inteligente que qualquer empresa ou governo pode fazer. As florestas, várzeas e os recifes de ostras, muitas vezes vistos simplesmente como matéria-prima ou como obstáculos a serem eliminados em nome do progresso, são de fato tão importantes para nossa prosperidade futura quanto a tecnologia ou a lei ou a inovação empresarial. Fortune da natureza oferece um guia essencial para o bem-estar econômico e ambiental do mundo.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.


Além Outrage: O que deu errado com a nossa economia e nossa democracia, e como corrigi-lo -- por Robert B. Reich

Além OutrageNeste livro oportuno, Robert B. Reich argumenta que nada de bom acontece em Washington, a menos que os cidadãos são energizados e organizados para fazer atos certeza de Washington no bem público. O primeiro passo é ver a imagem grande. Além Outrage liga os pontos, mostrando porque a participação crescente de renda e de riqueza indo para o topo tem prejudicado o crescimento eo emprego para todos, minando a nossa democracia; causado americanos a tornar-se cada vez mais cínico sobre a vida pública, e muitos americanos virou um contra o outro. Ele também explica por que as propostas do "direito regressivo" está absolutamente errado e fornece um roteiro claro do que deve ser feito. Aqui está um plano de ação para todos os que se preocupa com o futuro da América.

Clique aqui para mais informações ou para encomendar este livro na Amazon.


Isso muda tudo: ocupe Wall Street e o movimento 99%
por Sarah van Gelder e funcionários do SIM! Revista.

Isso muda tudo: Ocupe Wall Street e o Movimento 99% de Sarah van Gelder e equipe do YES! Revista.Isso muda tudo mostra como o movimento Occupy está mudando a maneira como as pessoas veem a si mesmas e ao mundo, o tipo de sociedade que acreditam ser possível e seu próprio envolvimento na criação de uma sociedade que trabalhe para o 99% em vez de apenas 1%. Tentativas de classificar esse movimento descentralizado e de rápida evolução levaram à confusão e percepção equivocada. Neste volume, os editores de SIM! Revista reunir vozes de dentro e de fora dos protestos para transmitir as questões, possibilidades e personalidades associadas ao movimento Occupy Wall Street. Este livro apresenta contribuições de Naomi Klein, David Korten, Rebecca Solnit, Ralph Nader e outros, além de ativistas do Occupy que estavam lá desde o início.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.



Você pode gostar

siga InnerSelf on

facebook íconeícone do twitterícone do YouTubeícone do instagramícone pintrestícone rss

 Receba as últimas por e-mail

Revista Semanal Melhor da Semana

IDIOMAS DISPONÍVEIS

enafarzh-CNzh-TWdanltlfifrdeeliwhihuiditjakomsnofaplptroruesswsvthtrukurvi

MAIS LEIA

espalhar doenças em casa 11 26
Por que nossas casas se tornaram focos de COVID
by Becky Tunstall
Ficar em casa protegeu muitos de nós de pegar COVID no trabalho, na escola, nas lojas ou…
síndrome da morte súbita infantil 11 17
Como proteger seu bebê da síndrome da morte súbita infantil
by Rachel Moon
A cada ano, cerca de 3,400 bebês americanos morrem repentina e inesperadamente durante o sono, de acordo com o…
bruxaria e américa 11 15
O que o mito grego nos diz sobre a bruxaria moderna
by Joel Christensen
Viver no North Shore em Boston no outono traz o lindo virar das folhas e…
um homem e uma mulher em um caiaque
Estar no fluxo de sua missão de alma e propósito de vida
by Kathryn Hudson
Quando nossas escolhas nos distanciam de nossa missão de alma, algo dentro de nós sofre. Não há lógica…
dois alpinistas, um ajudando o outro
Por que fazer boas ações é bom para você
by Michael Glauser
O que acontece com os praticantes de boas ações? Numerosos estudos confirmam que aqueles que se envolvem regularmente…
Como a cultura informa as emoções que você sente com a música
Como a cultura informa as emoções que você sente com a música
by George Athanasopoulos e Imre Lahdelma
Conduzi pesquisas em locais como Papua Nova Guiné, Japão e Grécia. A verdade é…
luto pelo animal de estimação 11 26
Como ajudar a lamentar a perda de um animal de estimação amado
by Melissa Starling
Já se passaram três semanas desde que meu parceiro e eu perdemos nosso amado cachorro de 14.5 anos, Kivi Tarro. Seu…
como saber se algo é verdade 11 30
3 perguntas a fazer se algo é verdade
by Bob Britten
A verdade pode ser difícil de determinar. Cada mensagem que você lê, vê ou ouve vem de algum lugar e foi…

Novas atitudes - Novas possibilidades

InnerSelf.comClimateImpactNews.com | InnerPower.net
MightyNatural.com | WholisticPolitics. com | Innerself Mercado
Copyright © 1985 - 2021 innerself Publications. Todos os direitos reservados.