Por que mudar a forma como medimos o progresso é a chave para a sobrevivência do ser humano

como medir o progresso humano 8 20
 'Aquilo que faz a vida valer a pena': Robert Kennedy visita um programa de leitura de verão no Harlem, 1963. Alamy

É uma peculiaridade estranha da história que, no primeiro dia de sua malfadada campanha presidencial em março de 1968, Robert F. limitações do produto interno bruto* (PIB) – o principal indicador mundial de progresso econômico.

Parece ainda mais estranho que, apesar do poder desse discurso icônico, o crescimento PIB permanece até hoje a medida predominante de progresso em todo o mundo. O sucesso econômico é medido por ele. A política do governo é avaliada por ele. A sobrevivência política depende disso.

O discurso de Kennedy inspirou uma série de críticas. Foi citado por presidentes, primeiros-ministros e ganhadores do Nobel. No entanto, o próprio PIB sobreviveu até agora, mais ou menos ileso. Mas em meio a preocupações cada vez maiores sobre o fracasso das economias nacionais em enfrentar as múltiplas ameaças representadas pelas mudanças climáticas, custos de energia em espiral, emprego inseguro e níveis crescentes de desigualdade, a necessidade de definir e medir o progresso de uma maneira diferente agora parece tão indiscutível quanto é urgente.

Os bens, os males e os desaparecidos

Em termos simples, o PIB é uma medida do tamanho da economia de um país: quanto é produzido, quanto é ganho e quanto é gasto em bens e serviços em todo o país. O total monetário, seja em dólares ou euros, yuans ou ienes, é então ajustado para qualquer aumento geral nos preços para fornecer uma medida do crescimento econômico “real” ao longo do tempo. Quando os governos adotam políticas para buscar o crescimento econômico, é assim que essas políticas são avaliadas.

Desde 1953, o PIB tem sido a principal medida em um complexo sistema de contas nacionais supervisionado pelas Nações Unidas. Desenvolvidos durante a Segunda Guerra Mundial, esses relatos foram motivados em parte pela necessidade de determinar quanto os governos poderiam gastar no esforço de guerra.

Mas ao medir o valor monetário da atividade econômica, o PIB pode incorporar muitos dos “ruins” que prejudicam nossa qualidade de vida. Guerra, poluição, crime, prostituição, congestionamento de tráfego, desastres como incêndios florestais e a destruição da natureza – todos podem ter um impacto positivo no PIB. No entanto, eles não podem realmente ser interpretados como componentes do sucesso econômico.

Ao mesmo tempo, existem vários aspectos de nossas vidas que simplesmente desaparecem desse relato convencional. A desigualdade em nossas sociedades. As contribuições do trabalho não remunerado. O trabalho de quem cuida de jovens e idosos em casa ou na comunidade. O esgotamento dos recursos naturais ou da biodiversidade. E o valor dos dados e muitos serviços digitais.

O que está fora do mercado, incluindo os serviços públicos financiados sem impostos, permanece não medido em uma métrica de troca monetária. Kennedy foi direto: “[PIB] mede tudo, em suma, exceto aquilo que faz a vida valer a pena”.

É um sentimento que tem ressonância meio século depois. Em um encontro marcante durante o debate do Brexit, um acadêmico do Reino Unido estava tentando transmitir a uma reunião pública os perigos de deixar a UE. O impacto no PIB diminuiria qualquer economia das contribuições do Reino Unido para o orçamento da UE, disse ele à platéia. “Esse é o seu maldito PIB!” gritou uma mulher na multidão. “Não é nosso.”


 Receba as últimas por e-mail

Revista Semanal Melhor da Semana

Essa sensação de um indicador fora de contato com a realidade pode ser uma das razões pelas quais há impulso para a reforma. Quando o PIB esconde diferenças cruciais entre os mais ricos e os mais pobres da sociedade, inevitavelmente diz pouco sobre as perspectivas para as pessoas comuns.

Mas também há outras razões para uma mudança de opinião emergente. A busca do crescimento do PIB como meta política e o impacto que isso tem no governo, nos negócios e na tomada de decisões pessoais tem acompanhado a crescente devastação do mundo natural, a perda de florestas e habitats, a desestabilização do clima e quase colapsos dos mercados financeiros mundiais. Ao mesmo tempo, o PIB tornou-se uma medida pobre da transformação tecnológica da sociedade.

Sua tenacidade como medida de progresso, apesar dessas conhecidas limitações, decorre de fatores que são, por um lado, tecnocráticos e, por outro, sociológicos. Como a principal medida em um sofisticado sistema de contas nacionais, o PIB tem uma conveniência tecnocrática e elegância analítica que permanece insuperável por muitas medidas alternativas. Sua autoridade decorre de sua capacidade de ser simultaneamente uma medida da produção, das despesas de consumo e da renda na economia.

Apesar dessa estrutura complexa, também oferece a simplicidade enganosa de um único número de manchete que parece ser diretamente comparável de ano para ano e entre nações, com base na ideia simples (se inadequada) de que mais atividade econômica necessariamente leva a uma vida melhor.

No entanto, a autoridade técnica combinada e a utilidade política dessa ideia levaram à “dependência da trajetória” e formas de aprisionamento social que são difíceis de resolver sem um esforço significativo. Pense em mudar para uma alternativa como sendo como mudar de condução do lado esquerdo para o lado direito da estrada.

No entanto, o que medimos importa. E enquanto estamos ocupados olhando na direção errada, como Kennedy apontou, coisas ruins podem acontecer. A campanha de Kennedy – e sua crítica ao PIB – foi cruelmente interrompida em 5 de junho de 1968, quando ele foi ferido fatalmente pela bala de um assassino. Mais de meio século depois, seu apelo à reforma de como avaliamos o progresso (ou sua ausência) nunca foi tão forte.

O problema com o PIB: falhas históricas

A forma como as sociedades compreenderam e mediram o progresso mudou consideravelmente ao longo dos séculos. A medição da “economia” como um todo é um conceito relativamente moderno do século 20, começando com os esforços de estatísticos e economistas como Colin Clark e Simon Kuznets nas décadas de 1920 e 1930 para entender o impacto da crise financeira e da depressão.

Kuznets, agora mais conhecido por sua curva descrevendo a relação entre PIB e desigualdade de renda, estava particularmente preocupado em desenvolver uma medida de bem-estar econômico em vez de apenas atividade. Por exemplo, ele defendeu a omissão de gastos que eram necessidades indesejáveis, em vez de serviços ou bens que os consumidores desejavam ativamente – como gastos com defesa.

No entanto, a Segunda Guerra Mundial ultrapassou e absorveu essas noções anteriores de uma única medida de bem-estar econômico, resultando no que se tornou o produto nacional bruto moderno. (PNB), e depois o PIB. O imperativo - estabelecido no lado aliado por John Maynard Keynes em seu panfleto de 1940 Como pagar pela guerra – estava medindo a capacidade produtiva, e a redução do consumo necessária para ter recursos suficientes para apoiar o esforço militar. O bem-estar econômico era uma preocupação em tempos de paz.

No pós-guerra, sem surpresa, economistas americanos e britânicos como Milton Gilbert, James Meade e Richard Stone assumiram a liderança na codificação dessas definições estatísticas por meio da ONU – e seu processo para concordar e formalizar definições no sistema de contas nacionais (SNA) é ainda em vigor hoje. No entanto, desde pelo menos a década de 1940, algumas inadequações importantes tanto do SCN quanto do PIB têm sido amplamente conhecidas e debatidas.

De fato, já em 1934, Margaret Reid publicou seu livro Economia da Produção Doméstica, que apontou a necessidade de incluir o trabalho não remunerado no lar quando se pensa em atividade economicamente útil.

A questão de saber se e como medir os setores doméstico e informal foi debatida durante a década de 1950 – principalmente porque isso representa uma parcela maior da atividade em países de baixa renda – mas foi omitida até que alguns países, incluindo o Reino Unido, começaram a criar contas satélite domésticas por volta de 2000. A omissão do trabalho não remunerado significou, por exemplo, que o aumento do crescimento da produtividade do Reino Unido entre as décadas de 1960 e 1980 foi superestimado, porque em parte refletiu a inclusão de muito mais mulheres no trabalho remunerado cujas contribuições antes eram invisíveis para a métrica do PIB nacional.

Outra falha do PIB de longa data e amplamente compreendida é a não inclusão das externalidades ambientais e o esgotamento do capital natural. A métrica leva em conta de forma incompleta muitas atividades que não têm preços de mercado e ignora os custos sociais adicionais da poluição, emissões de gases de efeito estufa e resultados semelhantes associados às atividades econômicas.

Além disso, o esgotamento ou perda de ativos como recursos naturais (ou mesmo prédios e infraestrutura perdidos em desastres) aumenta o PIB no curto prazo porque esses recursos são usados ​​em atividades econômicas ou porque há um aumento na construção após um desastre. No entanto, os custos de oportunidade de longo prazo nunca são contados. Essa enorme deficiência foi amplamente discutida na época de publicações marcantes, como o 1972 Limites do relatório de crescimento do Clube de Roma, e o 1987 Relatório Brundtland da Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento.

Tal como acontece com a atividade doméstica e informal, houve progressos recentes na contabilização da natureza, com o desenvolvimento da Sistema de Contabilidade Econômica Ambiental (SEEA) e publicação de estatísticas regulares (mas separadas) sobre capital natural em vários países. o UK voltou a ser pioneira nesta área, enquanto o EUA anunciou recentemente começaria a seguir essa abordagem também.

Novos desafios para o valor do PIB

Outras falhas do PIB, talvez menos óbvias, tornaram-se mais proeminentes recentemente. A digitalização da economia transformou a maneira como muitas pessoas passam seus dias no trabalho e no lazer, e a maneira como muitas empresas operam, mas essas transformações não são aparentes nas estatísticas oficiais.

Medir a inovação sempre foi complicado, porque novos produtos ou qualidade melhorada precisam ser incorporados a preços e quantidades observáveis ​​– e qual é a métrica para uma unidade de software ou consultoria de gestão? Mas agora é mais difícil porque muitos serviços digitais são “gratuitos” no ponto de uso, ou possuem características de bens públicos em que muitas pessoas podem usá-los ao mesmo tempo, ou são intangíveis. Por exemplo, os dados estão, sem dúvida, melhorando a produtividade das empresas que sabem como usá-los para melhorar seus serviços e produzir bens de forma mais eficaz – mas como o valor de um conjunto de dados, ou valor potencial, para a sociedade (em oposição a uma grande empresa de tecnologia) ser estimado?

Trabalho recente olhando para o preço dos serviços de telecomunicações no Reino Unido estimou que o crescimento da produção neste setor desde 2010 variou entre cerca de 0% a 90%, dependendo de como o índice de preços usado para converter os preços de mercado em preços reais (ajustados pela inflação) leva em consideração o valor econômico de nosso uso de dados em rápido crescimento. Da mesma forma, não é óbvio como incorporar pesquisa “gratuita” financiada por publicidade, moedas criptográficas e NFTs no quadro de medição. Showroom temporário do artista de rua Banksy criticando a sociedade global no sul de Londres, outubro de 2019. Shutterstock

Uma limitação fundamental do PIB, particularmente em termos de seu uso como indicador de progresso social, é que ele não oferece uma conta sistemática da distribuição de renda. É perfeitamente possível que o PIB médio ou agregado esteja crescendo, mesmo que uma proporção significativa da população se encontre em pior situação.

As rendas ordinárias estagnaram ou caíram nas últimas décadas, mesmo quando os mais ricos da sociedade se tornaram mais ricos. Nos EUA, por exemplo, Thomas Piketty e seus colegas mostraram que, no período entre 1980 e 2016, os 0.001% mais ricos da sociedade viram sua renda crescer em média 6% ao ano. A renda dos 5% mais pobres da sociedade caiu em termos reais.

Dadas essas muitas questões, pode parecer surpreendente que o debate sobre “Além do PIB” só agora – possivelmente – está se transformando em ações para mudar o quadro estatístico oficial. Mas, paradoxalmente, um obstáculo tem sido a proliferação de métricas alternativas de progresso.

Quer sejam índices únicos que combinam vários indicadores diferentes ou painéis que apresentam uma ampla gama de métricas, eles têm sido ad hoc e variados demais para criar consenso em torno de uma nova maneira global de medir o progresso. Poucos deles fornecem uma estrutura econômica para a consideração de trade-offs entre os indicadores separados, ou orientação sobre como interpretar indicadores que se movem em direções diferentes. Há uma amplitude de informações, mas como um apelo à ação, isso não pode competir com a clareza de uma única estatística do PIB.

A medição estatística é como um padrão técnico, como a tensão nas redes elétricas ou as regras da estrada do Código da Estrada: um padrão ou definição compartilhada é essencial. Embora uma maioria esmagadora possa concordar com a necessidade de ir além do PIB, também é necessário haver acordo suficiente sobre o que “além” realmente envolve antes que um progresso significativo sobre como medimos o progresso possa ser feito.

Mude o comportamento, não apenas o que medimos

Há muitos visões para suplantar o crescimento do PIB como a definição dominante de progresso e vidas melhores. Na esteira da pandemia de COVID, foi relatado que a maioria das pessoas quer um futuro mais justo e sustentável.

Os políticos podem fazer parecer simples. Escrevendo em 2009, o então presidente francês Nicolas Sarkozy explicou que havia convocado uma comissão – liderada pelos economistas internacionalmente aclamados Amartya Sen, Joseph Stiglitz e Jean-Paul Fitoussi – sobre a medição do desempenho econômico e do progresso social com base em uma firme crença : que não mudaremos nosso comportamento “a menos que mudemos a forma como medimos nosso desempenho econômico”.

Sarkozy também se comprometeu a encorajar outros países e organizações internacionais a seguirem o exemplo da França na implementação recomendações de sua comissão para um conjunto de medidas além do PIB. A ambição era nada menos que a construção de uma nova ordem econômica, social e ambiental global.

Em 2010, o recém-eleito primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, lançou um programa para implementar as recomendações da comissão Sarkozy no Reino Unido. Ele descreveu isso como começando a medir o progresso como um país “não apenas por como nossa economia está crescendo, mas por como nossas vidas estão melhorando – não apenas por nosso padrão de vida, mas por nossa qualidade de vida”.

Mais uma vez, a ênfase estava na medição (até onde chegamos?) em vez da mudança de comportamento (o que as pessoas deveriam fazer diferente?). A implicação é que mudar o que medimos leva necessariamente a comportamentos diferentes – mas a relação não é tão simples. Medidas e medidores existem nas esferas política e social, não como fatos absolutos e agentes neutros a serem aceitos por todos.

Isso não deve dissuadir os estatísticos de desenvolver novas medidas, mas deve levá-los a se envolver com todos os que possam ser afetados – não apenas aqueles em políticas públicas, comércio ou indústria. A questão, afinal, é mudar o comportamento, não apenas mudar as medidas.

Os economistas estão adotando cada vez mais o pensamento sistêmico complexo, incluindo entendimentos sociais e psicológicos do comportamento humano. Por exemplo, Jonathan Michie apontou os valores éticos e culturais, assim como as políticas públicas e a economia de mercado, como as grandes influências no comportamento. Katharina Lima di Miranda e Dennis Snower destacaram a solidariedade social, a agência individual e a preocupação com o meio ambiente ao lado dos incentivos econômicos “tradicionais” capturados pelo PIB.

Alternativas do PIB na prática

Desde a crítica de Kennedy em 1968, tem havido inúmeras iniciativas para substituir, aumentar ou complementar o PIB ao longo dos anos. Muitas dezenas de indicadores foram concebidos e implementados em escalas local, nacional e internacional.

Alguns visam explicar mais diretamente o bem-estar subjetivo, por exemplo, medindo a satisfação com a vida autorrelatada ou “felicidade”. Alguns esperam refletir com mais precisão o estado de nossos ativos naturais ou sociais desenvolvendo medidas monetárias e não monetárias ajustadas de “riqueza inclusiva” (incluindo uma equipe da Universidade de Cambridge liderada pela coautora deste artigo, Diane Coyle). O governo do Reino Unido aceitou isso como uma abordagem significativa para medição em vários documentos políticos recentes, incluindo seu Livro branco de nivelamento.

Existem dois argumentos fundamentais para uma abordagem baseada na riqueza:

  • Ele incorpora a consideração pela sustentabilidade na avaliação de todos os ativos: seu valor hoje depende de todo o fluxo futuro de serviços que eles disponibilizam. É exatamente por isso que os preços do mercado de ações podem cair ou subir repentinamente, quando as expectativas sobre o futuro mudam. Da mesma forma, os preços pelos quais ativos como recursos naturais ou o clima são avaliados não são apenas preços de mercado; os verdadeiros “preços contábeis” incluem custos sociais e externalidades.

  • Também introduz várias dimensões de progresso e sinaliza as correlações entre elas. A riqueza inclusiva inclui o capital produzido, natural e humano, e também o capital intangível e social ou organizacional. O uso de um balanço patrimonial abrangente para informar as decisões pode contribuir para um melhor uso dos recursos – por exemplo, considerando as ligações estreitas entre os ativos naturais sustentáveis ​​e o contexto de capital social e humano das pessoas que vivem em áreas onde esses ativos estão ameaçados.

Outras iniciativas visam capturar a natureza multidimensional do progresso social compilando um painel de indicadores – muitas vezes medidos em termos não monetários – cada um dos quais tenta rastrear algum aspecto do que importa para a sociedade.

Nova Zelândia Estrutura de Padrões de Vida é o exemplo mais conhecido dessa abordagem de painel. Datado de uma Comissão Real de Política Social de 1988 e desenvolvido ao longo de mais de uma década no Tesouro da Nova Zelândia, esse quadro foi precipitado pela necessidade de fazer algo sobre a discrepância entre o que o PIB pode refletir e o objetivo final do Tesouro: tornar a vida melhor para as pessoas na Nova Zelândia.

O Tesouro da Nova Zelândia agora o usa para alocar orçamentos fiscais de maneira consistente com as necessidades identificadas do país em relação ao progresso social e ambiental. A relevância para o combate às mudanças climáticas é particularmente clara: se os gastos e investimentos governamentais estão focados em medidas estreitas de produção econômica, há toda a possibilidade de que a profunda descarbonização necessária para alcançar uma transição justa para um economia líquida de carbono zero será impossível. Da mesma forma, ao identificar áreas da sociedade com bem-estar em declínio, como a saúde mental infantil, torna-se possível alocar recursos do Tesouro diretamente para aliviar o problema.

A Medindo o bem-estar nacional do Reino Unido (MNW), dirigido por Paul Allin (co-autor deste artigo), foi lançado em novembro de 2010 como parte de um esforço liderado pelo governo para dar maior ênfase ao bem-estar na vida nacional e nos negócios. Grande parte da ênfase estava no subjetivo medidas de bem-estar pessoal que o Gabinete de Estatísticas Nacionais (ONS) do Reino Unido continua a recolher e publicar, e que parecem ser cada vez mais assumidos como metas políticas (impulsionadas em parte pelo O que funciona Centro de bem-estar).

A equipe do MNW também foi encarregada de abordar toda a agenda “além do PIB” e realizou um grande exercício de consulta e engajamento para descobrir o que importa para as pessoas no Reino Unido. Isso serviu de base para uma conjunto de indicadores abrangendo dez grandes áreas que são atualizadas periodicamente pelo ONS. Enquanto esses indicadores continuam a ser publicados, não há evidências de que eles estejam sendo usados ​​para complementar o PIB como medida de progresso do Reino Unido.

A contabilização da desigualdade dentro de um único índice agregado é obviamente complicada. Mas existem várias soluções para este problema. Uma delas, defendida pela comissão Sen-Stiglitz-Fitoussi, é relatar valores medianos ao invés da média (ou média) ao calcular o PIB per capita.

Outra possibilidade fascinante é ajustar a medida agregada usando um índice de desigualdade baseado no bem-estar, como o idealizado pelo falecido Tony Atkinson. Um exercício usando o Índice de Atkinson realizado por Tim Jackson, também coautor deste artigo, calculou que a perda de bem-estar associada à desigualdade no Reino Unido em 2016 foi de quase £ 240 bilhões – cerca de duas vezes o orçamento anual do NHS na época.

Entre as tentativas mais ambiciosas de criar uma alternativa única ao PIB está uma medida que ficou conhecida como Indicador de progresso genuíno (GPI). Proposto inicialmente pelo economista Herman Daly e pelo teólogo John Cobb, o GPI tenta ajustar o PIB para uma série de fatores – ambientais, sociais e financeiros – que não estão suficientemente refletidos no próprio PIB.

O GPI tem sido usado como indicador de progresso no estado americano de Maryland desde 2015. De fato, um projeto de lei apresentado ao Congresso dos EUA em julho de 2021 exigiria, se promulgado, que o Departamento de Comércio publicasse um GPI dos EUA e “usasse tanto o indicador quanto o PIB para relatórios orçamentários e previsões econômicas”. O GPI também é usado em Canadá do Atlântico, onde o processo de construção e publicação do índice faz parte da abordagem desta comunidade para o seu desenvolvimento.

Um trocador de jogo em potencial?

Em 2021, o secretário-geral da ONU, António Guterres, concluiu sua Agenda Comum Denunciar com um apelo à ação. “Devemos encontrar urgentemente medidas de progresso que complementem o PIB, como fomos incumbidos de fazer até 2030 na meta 17.19 do Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.” Ele repetiu essa exigência em seu prioridades para 2022 discurso na Assembleia Geral da ONU.

Guterres pediu um processo “para reunir Estados membros, instituições financeiras internacionais e especialistas em estatística, ciência e política para identificar um complemento ou complementos ao PIB que medirão o crescimento e a prosperidade inclusivos e sustentáveis, com base no trabalho da Comissão de Estatística”.

O primeiro manual explicando o sistema de contas nacionais da ONU foi publicado em 1953. Desde então, passou por cinco revisões (a última em 2008) destinadas a acompanhar a evolução da economia e dos mercados financeiros, bem como atender às necessidades dos usuários em todo o mundo para uma maior difusão de informações.

A próxima revisão do SNA está atualmente em desenvolvimento, liderado pela Divisão de Estatísticas da ONU e envolvendo principalmente escritórios nacionais de estatística, outros especialistas em estatística e intervenientes institucionais como o FMI, o Banco Mundial e o Eurostat.

Mas, diferentemente dos processos da COP da ONU relacionados às mudanças climáticas e, em menor grau, à biodiversidade, até o momento, houve um envolvimento pouco mais amplo com as partes interessadas – de líderes empresariais e partidos políticos à sociedade civil, organizações não-governamentais e o público em geral. público.

Como o escritor científico britânico Ehsan Masood observou, esse processo de revisão está acontecendo abaixo do radar da maioria das pessoas que atualmente não são usuários de contas nacionais. E isso significa que muitas ideias muito úteis que poderiam ser alimentadas não são ouvidas por aqueles que, em última análise, tomarão decisões sobre como as nações medirão seu progresso no futuro.

A essência do desenvolvimento sustentável foi capturada na edição de 1987 Relatório Brundtland: “Contribuir para o bem-estar e bem-estar da geração atual, sem comprometer o potencial das gerações futuras para uma melhor qualidade de vida.” No entanto, ainda não está claro como a próxima revisão do SNA fornecerá uma lente intergeracional, apesar de um novo foco em capitais “ausentes”, incluindo capital natural.

Da mesma forma, embora o programa de revisão esteja abordando questões de globalização, trata-se apenas de produção e comércio global – não, por exemplo, os impactos das economias nacionais sobre o meio ambiente e o bem-estar de outros países e populações.

Prazos ambiciosos foram estabelecidos para o futuro: alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU até 2030 e reduzir as emissões líquidas globais de gases de efeito estufa a zero antes de 2050. O processo de revisão do SNA – que verá um novo sistema de contas nacionais acordado em 2023 e promulgada a partir de 2025 – é um passo fundamental para alcançar esses objetivos de longo prazo. É por isso que é tão importante abrir este processo de revisão para um debate e um escrutínio mais amplos.

É hora de abandonar esse 'fetiche do PIB'

Uma lição a tirar da história de indicadores, como os da pobreza e da exclusão social, é que o seu impacto e eficácia dependem não só da sua robustez técnica e da sua adequação ao propósito, mas também do contexto político e social – quais são as necessidades da época e o clima de ideias predominante?

A actual revisão do SCN deverá ser um processo tanto de utilização e utilidade das novas medidas como do seu rigor metodológico. Na verdade, podemos ir tão longe quanto Gus O'Donnell, o ex-secretário de gabinete do Reino Unido, que disse em 2020: “É claro que a medição é difícil. Mas medir grosseiramente os conceitos certos é uma maneira melhor de fazer escolhas políticas do que usar medidas mais precisas dos conceitos errados.”

Em suma, há uma tensão inerente envolvida na construção de uma alternativa ao PIB – ou seja, alcançar um equilíbrio entre robustez técnica e ressonância social. A complexidade de um painel de indicadores como o Quadro de Padrões de Vida da Nova Zelândia é uma vantagem em termos de significância e uma desvantagem em termos de comunicabilidade. Em contraste, a simplicidade de uma única medida de progresso, como o Indicador de Progresso Genuíno – ou, de fato, o PIB – é uma vantagem em termos de comunicação e uma desvantagem em termos de sua incapacidade de fornecer uma imagem mais sutil do progresso.

Em última análise, uma pluralidade de indicadores é provavelmente essencial para percorrer um caminho para uma prosperidade sustentável que leve em conta o bem-estar individual e social. Ter uma gama mais ampla de medidas deve permitir narrativas mais diversas de progresso.

Algum impulso no atual processo de revisões do SNA e pesquisas estatísticas em andamento são direcionados para a medição da riqueza inclusiva – com base na economia da sustentabilidade reunida em A recente revisão de Partha Dasgupta sobre a economia da biodiversidade. Essa estrutura provavelmente pode ganhar um amplo consenso entre economistas e estatísticos e já está sendo implementada pela ONU, começando com capital natural e contabilidade ambiental.

Incluir medidas de bem-estar na mistura sinalizaria que o bem-estar é importante, pelo menos para alguns de nós, ao mesmo tempo em que reconhece que muitas coisas diferentes podem afetar o bem-estar. A evidência até o momento é que plantar medidas de bem-estar em uma parte diferente do ecossistema de dados significa que elas serão negligenciadas ou ignoradas. As medidas de bem-estar não são uma panacéia, mas sem elas continuaremos a fazer coisas que restringem em vez de melhorar o bem-estar e não reconhecem os potenciais benefícios econômicos, sociais e ambientais que um foco no bem-estar deve trazer.

A tarefa de atualizar o quadro estatístico para melhor medir o progresso econômico não é trivial. O desenvolvimento do SCN e sua disseminação para muitos países levou anos ou mesmo décadas. Novas metodologias de coleta de dados devem ser capazes de acelerar as coisas agora – mas o primeiro passo para obter a adesão política a uma estrutura melhor para a medição do progresso é um acordo sobre para onde ir.

A contabilidade nacional precisa do que o nome sugere: um conjunto de definições e classificações internamente consistentes, exaustivos e mutuamente exclusivos. Uma nova estrutura exigirá a coleta de dados de diferentes fontes e, portanto, a mudança dos processos incorporados nos institutos nacionais de estatística. Terá de incorporar as mudanças recentes na economia devido à digitalização, bem como as questões de longa data, como a medição inadequada das mudanças ambientais.

Em última análise, esse processo “além do PIB” precisa lidar não apenas com problemas de medição, mas também com os vários usos e abusos aos quais o PIB foi colocado. O resumo claro de Kennedy de que mede “tudo, exceto aquilo que faz a vida valer a pena” aponta tanto para o mau uso do PIB quanto para suas limitações estatísticas. Sua elegância em ser simultaneamente uma medida de renda, gastos e produção significa que, de alguma forma, provavelmente continuará sendo uma ferramenta válida para análise macroeconômica. Mas seu uso como árbitro inequívoco do progresso social nunca foi apropriado, e provavelmente nunca será.

Claramente, o desejo de saber se a sociedade está se movendo na direção certa continua sendo um objetivo legítimo e importante – talvez mais agora do que nunca. Mas em sua busca por um guia confiável para o bem-estar social, governos, empresas, estatísticos, cientistas do clima e todas as outras partes interessadas devem abandonar de uma vez por todas o que o Prêmio Nobel Stiglitz chamou de “fetiche do PIB” e trabalhar com a sociedade civil, o mídia e o público para estabelecer uma estrutura mais eficaz para medir o progresso.

 Sobre o autor

Paul Allin, Professor Visitante em Estatística, Imperial College London; Diane Coyle, Professor de Políticas Públicas, Universidade de Cambridgee Tim Jackson, Professor de Desenvolvimento Sustentável e Diretor do Centro para o Entendimento da Prosperidade Sustentável (CUSP), Universidade de Surrey

Este artigo foi republicado a partir de A Conversação sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.

Livros recomendados:

Capital do Século XXI
por Thomas Piketty. (Traduzido por Arthur Goldhammer)

Capital na capa dura do século XXI por Thomas Piketty.In Capital no século XXI, Thomas Piketty analisa uma coleção única de dados de vinte países, desde o século XVIII, para descobrir os principais padrões econômicos e sociais. Mas as tendências econômicas não são atos de Deus. A ação política acabou com as desigualdades perigosas no passado, diz Thomas Piketty, e pode fazê-lo novamente. Uma obra de extraordinária ambição, originalidade e rigor, Capital do Século XXI reorienta nossa compreensão da história econômica e nos confronta com lições moderadoras para hoje. Suas descobertas vão transformar o debate e definir a agenda para a próxima geração de pensamento sobre riqueza e desigualdade.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.


A fortuna da natureza: como os negócios e a sociedade prosperam investindo na natureza
por Mark R. Tercek e Jonathan S. Adams.

A fortuna da natureza: como os negócios e a sociedade prosperam investindo na natureza por Mark R. Tercek e Jonathan S. Adams.Qual é a natureza vale a pena? A resposta a esta pergunta-que tradicionalmente tem sido enquadrado em termos ambientais, está revolucionando a maneira como fazemos negócios. Dentro Fortune da naturezaMark Tercek, CEO da The Nature Conservancy e ex-banqueiro de investimentos, e o escritor de ciência Jonathan Adams argumentam que a natureza não é apenas a base do bem-estar humano, mas também o investimento comercial mais inteligente que qualquer empresa ou governo pode fazer. As florestas, várzeas e os recifes de ostras, muitas vezes vistos simplesmente como matéria-prima ou como obstáculos a serem eliminados em nome do progresso, são de fato tão importantes para nossa prosperidade futura quanto a tecnologia ou a lei ou a inovação empresarial. Fortune da natureza oferece um guia essencial para o bem-estar econômico e ambiental do mundo.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.


Além Outrage: O que deu errado com a nossa economia e nossa democracia, e como corrigi-lo -- por Robert B. Reich

Além OutrageNeste livro oportuno, Robert B. Reich argumenta que nada de bom acontece em Washington, a menos que os cidadãos são energizados e organizados para fazer atos certeza de Washington no bem público. O primeiro passo é ver a imagem grande. Além Outrage liga os pontos, mostrando porque a participação crescente de renda e de riqueza indo para o topo tem prejudicado o crescimento eo emprego para todos, minando a nossa democracia; causado americanos a tornar-se cada vez mais cínico sobre a vida pública, e muitos americanos virou um contra o outro. Ele também explica por que as propostas do "direito regressivo" está absolutamente errado e fornece um roteiro claro do que deve ser feito. Aqui está um plano de ação para todos os que se preocupa com o futuro da América.

Clique aqui para mais informações ou para encomendar este livro na Amazon.


Isso muda tudo: ocupe Wall Street e o movimento 99%
por Sarah van Gelder e funcionários do SIM! Revista.

Isso muda tudo: Ocupe Wall Street e o Movimento 99% de Sarah van Gelder e equipe do YES! Revista.Isso muda tudo mostra como o movimento Occupy está mudando a maneira como as pessoas veem a si mesmas e ao mundo, o tipo de sociedade que acreditam ser possível e seu próprio envolvimento na criação de uma sociedade que trabalhe para o 99% em vez de apenas 1%. Tentativas de classificar esse movimento descentralizado e de rápida evolução levaram à confusão e percepção equivocada. Neste volume, os editores de SIM! Revista reunir vozes de dentro e de fora dos protestos para transmitir as questões, possibilidades e personalidades associadas ao movimento Occupy Wall Street. Este livro apresenta contribuições de Naomi Klein, David Korten, Rebecca Solnit, Ralph Nader e outros, além de ativistas do Occupy que estavam lá desde o início.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.



Você pode gostar

siga InnerSelf on

facebook íconeícone do twitterícone do YouTubeícone do instagramícone pintrestícone rss

 Receba as últimas por e-mail

Revista Semanal Melhor da Semana

IDIOMAS DISPONÍVEIS

enafarzh-CNzh-TWdanltlfifrdeeliwhihuiditjakomsnofaplptroruesswsvthtrukurvi

MAIS LEIA

dinheiro digital 9 15
Como o dinheiro digital mudou a forma como vivemos
by Daromir Rudnyckyj
Em termos simples, o dinheiro digital pode ser definido como uma forma de moeda que usa redes de computadores para…
Um Altar Equinócio
Fazendo um altar de equinócio e outros projetos de equinócio de outono
by Ellen Evert Hopman
O equinócio de outono é a época em que os mares ficam agitados quando os ventos de inverno se aproximam. É também o…
crianças curiosas 9 17
5 maneiras de manter as crianças curiosas
by Perry Zurn
As crianças são naturalmente curiosas. Mas várias forças no ambiente podem diminuir sua curiosidade sobre…
energia renovável 9 15
Por que não é antiambiental ser a favor do crescimento econômico
by Eoin McLaughlin e outros
Em meio à crise atual do custo de vida, muitas pessoas que criticam a ideia de economia…
coala "preso" em uma árvore
Quando é inteligente ser lento: lições de um coala
by Danielle Clode
O coala estava agarrado a um velho veado enquanto estava encalhado no rio Murray, na fronteira…
quieto desistindo 9 16
Por que você deve conversar com seu chefe antes de 'desistir em silêncio'
by Cary Cooper
Desistência silenciosa é um nome cativante, popularizado nas mídias sociais, para algo que todos nós provavelmente…
Como os genes, seus micróbios intestinais passam de uma geração para a próxima
Como os genes, seus micróbios intestinais passam de uma geração para a próxima
by Taichi A. Suzuki e Ruth Ley
Quando os primeiros humanos saíram da África, eles carregaram seus micróbios intestinais com eles. Acontece,…
florestas oceânicas 9 18
Florestas oceânicas são maiores que a Amazônia e mais produtivas do que pensávamos
by Albert Pessarrodona Silvestre, et al.
Ao largo da costa do sul da África encontra-se a Grande Floresta Marinha Africana, e a Austrália possui o…

Novas atitudes - Novas possibilidades

InnerSelf.comClimateImpactNews.com | InnerPower.net
MightyNatural.com | WholisticPolitics. com | Innerself Mercado
Copyright © 1985 - 2021 innerself Publications. Todos os direitos reservados.