Hora de repensar, pois os preços dos fertilizantes estão subindo

por que agricultura sustentável 6 19 Um agricultor espalha fertilizante em um campo no condado de Berks, Pensilvânia. Harold Hoch/MediaNews Group/Reading Eagle via Getty Images

Os agricultores estão enfrentando crise de fertilizantes provocada pelo aumento dos preços dos combustíveis fósseis e pela consolidação da indústria. O preço do fertilizante sintético tem mais de duplicou desde 2021, causando grande estresse no campo rural.

Essa crise é particularmente difícil para aqueles que cultivam milho, que responde por metade do uso de fertilizantes nitrogenados nos EUA. A Associação Nacional de Produtores de Milho prevê que seus membros gastar 80% a mais em 2022 em fertilizantes sintéticos do que em 2021. Um estudo recente estima que, em média, isso representará US$ 128,000 em custos adicionais por fazenda.

Em resposta, o governo Biden anunciou um novo programa de bolsas em 11 de março de 2022, “para apoiar fertilizantes inovadores fabricados nos EUA para oferecer aos agricultores dos EUA mais opções no mercado”. O Departamento de Agricultura dos EUA investirá $ 500 milhões para tentar reduzir os custos de fertilizantes aumentando a produção. Mas como isso provavelmente não é dinheiro suficiente para construir novas fábricas de fertilizantes, não está claro como o dinheiro será gasto.

Eu dirijo o Centro Swette para Sistemas Alimentares Sustentáveis na Arizona State University e ocupou cargos seniores no USDA, inclusive atuando como vice-secretário de agricultura de 2009 a 2013. Na minha opinião, produzir mais fertilizantes sintéticos não deve ser a única resposta a esse sério desafio. Os EUA também devem fornecer apoio para soluções baseadas na natureza, incluindo práticas agrícolas que ajudem os agricultores a reduzir ou renunciar a fertilizantes sintéticos e produtos biológicos que substituem insumos químicos mais agressivos.

Ervilhas, feijões e trevos adicionam nitrogênio ao solo naturalmente e podem complementar ou substituir o fertilizante de nitrogênio sintético.

Demasiado fertilizante nos lugares errados

Todas as plantas precisam de nutrientes para crescer, especialmente os “três grandes” macronutrientes: nitrogênio, fósforo e potássio. Os agricultores podem fertilizar seus campos plantando culturas que adicionam nitrogênio ao solo naturalmente ou pela aplicação de estrume animal e composto no solo.

Desde a Segunda Guerra Mundial, no entanto, os agricultores dependem principalmente de fertilizantes sintéticos fabricados que contêm várias proporções de nitrogênio, fósforo e potássio, juntamente com nutrientes secundários e micronutrientes. Essa mudança aconteceu porque os fabricantes produziram grandes quantidades de nitrato de amônio, o principal ingrediente dos explosivos, durante a guerra; quando o conflito terminou, eles mudou para fazer fertilizante de nitrogênio.

Os fertilizantes sintéticos aumentaram muito o rendimento das culturas e são justamente creditados com ajudando a alimentar o mundo. Mas eles não são usados ​​uniformemente em todo o mundo. Em regiões pobres como a África Subsaariana, há muito pouco fertilizante disponível. Nas áreas mais ricas, fertilizantes sintéticos abundantes contribuíram para a aplicação excessiva e dano ambiental.

O excesso de fertilizante é lavado dos campos durante as tempestades e deságua em rios e lagos. Lá, ela fertiliza enormes florações de algas que morrem e se decompõem, esgotando o oxigênio da água e criando “zonas mortas” que não suportam peixes ou outras formas de vida aquática. Este processo, eutrofização, é um grande problema na Grandes Lagos, Baía de Chesapeake, Golfo do México e muitos outros corpos de água dos EUA.


 Receba as últimas por e-mail

Revista Semanal Melhor da Semana

O excesso de nitrogênio também pode contaminar a água potável e ameaçar a saúde humana. E os fertilizantes, sejam de origem animal ou sintéticos, são uma fonte significativa de óxido nitroso, um potente gás de efeito estufa.

por que agricultura sustentável2 6 19 O escoamento pesado de nutrientes das terras agrícolas produz florescimentos crônicos de algas no Lago Erie, o menor Grande Lago em volume. NOAA

O que está causando a crise

Uma razão pela qual os preços dos fertilizantes nos EUA dispararam é que os agricultores estão obrigados às importações. O COVID-19 interrompeu as cadeias de suprimentos, especialmente da China, um grande produtor de fertilizantes. E a guerra na Ucrânia cortou o acesso a potassa, uma importante fonte de potássio, da Rússia e da Bielorrússia.

Outro fator é que a indústria de fertilizantes está altamente concentrado. Há pouca concorrência, então os agricultores não têm escolha a não ser comprar fertilizantes ao preço de mercado. Vários procuradores-gerais dos Estados Unidos pediram aos economistas que estudassem práticas anticompetitivas na indústria de fertilizantes.

O USDA está buscando informações sobre preocupações com a concorrência e a cadeia de suprimentos nos mercados de fertilizantes com um prazo para comentários públicos de 15 de junho de 2022. Mas das 66 perguntas específicas que o departamento fez com esta solicitação, apenas uma aborda o que acredito ser a questão principal: “Como o USDA pode apoiar melhor os modos de produção que dependem menos de fertilizantes, ou apoiar o acesso a mercados que podem pagar um prêmio por produtos que dependem de menos fertilizantes?”

Repensando como plantar

Vejo uma oportunidade para o governo Biden dar uma nova olhada nos produtos biológicos como substitutos dos fertilizantes sintéticos. Esta categoria inclui biofertilizantes e bionutrientes – materiais naturais que fornecem nutrição às culturas. Exemplos incluem microorganismos que extraem nitrogênio do ar e o convertem em formas que as plantas podem usar e fertilizantes convertidos a partir de esterco, alimentos e outros resíduos de plantas e madeira.

Outra categoria, bioestimulantes, compreende materiais naturais que aumentam a absorção de nutrientes das plantas, reduzem o estresse das culturas e aumentam o crescimento e a qualidade das culturas. Exemplos incluem algas e outros extratos vegetais, microorganismos e ácidos húmicos – moléculas complexas produzidas naturalmente no solo quando o material orgânico se decompõe.

No passado, os críticos descartavam produtos naturais como esses como “óleo de cobra”, com pouca evidência científica para mostrar que eles funcionaram. Agora, no entanto, a maioria dos especialistas acredita que, embora ainda há muito a aprender, os atuais biofertilizantes “oferecem um enorme potencial em termos de práticas de manejo de culturas novas e mais sustentáveis. "

Estudos têm demonstrado muitos benefícios desses produtos. Eles incluem menor necessidade de fertilizantes, maiores rendimentos de colheita, melhor saúde do solo e menos emissões de carbono.

Grandes empresas de fertilizantes sintéticos como Mosaico, OCP e Nutrien estão distribuindo, adquirindo ou investindo nessas tecnologias biológicas. A gigante do agronegócio Bayer tem parceria com Ginkgo Bioworks em uma joint venture chamada Joyn cuja missão é criar “produtos biológicos agrícolas sustentáveis ​​para proteção de cultivos e fertilidade que atendam ou superem o desempenho de seus equivalentes químicos.

Oferecendo mais opções

Agricultores americanos em pânico, que enfrentam preços assustadores de fertilizantes, estão procurando opções. Em comentários públicos sobre a iniciativa de fertilizantes do USDA, o Associação de Produtores de Milho de Illinois instou o departamento a investigar por que os agricultores aplicam fertilizantes em níveis mais altos do que o necessário, enquanto outros notaram a falta de agrônomos suficientemente treinados para orientar os agricultores sobre a melhor forma de fertilizar suas plantações de forma sustentável.

Acredito que agora é um momento oportuno para o USDA oferecer incentivos para a adoção de biológicos, bem como práticas que agricultores orgânicos usam para substituir fertilizantes sintéticos, como rotação de colheitas, compostagem e criando colheitas e gado juntos. Um primeiro passo seria implantar técnicos que possam aconselhar os agricultores sobre práticas sustentáveis ​​e produtos biológicos. O departamento anunciou recentemente uma nova iniciativa de US$ 300 milhões para ajudar os agricultores a fazer a transição para a produção orgânica; esta é a ideia certa, mas é necessária mais ajuda.

A agência também poderia fornecer pagamentos únicos aos agricultores em troca da redução do uso de fertilizantes sintéticos, o que ajudaria a compensá-los à medida que mudam seus métodos de produção. A longo prazo, acredito que o USDA deve desenvolver novas ferramentas de seguro de colheita para proteger os agricultores dos riscos da transição para opções mais sustentáveis. Na minha opinião, esse tipo de resposta ampla renderia mais valor do que uma abordagem de status quo financiada pelos contribuintes para fertilizantes sintéticos.

Sobre o autor

A ConversaçãoKathleen Merrigan, Diretor Executivo, Sweette Center for Sustainable Food Systems, Arizona State University

Este artigo foi republicado a partir de A Conversação sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.

Livros recomendados:

Capital do Século XXI
por Thomas Piketty. (Traduzido por Arthur Goldhammer)

Capital na capa dura do século XXI por Thomas Piketty.In Capital no século XXI, Thomas Piketty analisa uma coleção única de dados de vinte países, desde o século XVIII, para descobrir os principais padrões econômicos e sociais. Mas as tendências econômicas não são atos de Deus. A ação política acabou com as desigualdades perigosas no passado, diz Thomas Piketty, e pode fazê-lo novamente. Uma obra de extraordinária ambição, originalidade e rigor, Capital do Século XXI reorienta nossa compreensão da história econômica e nos confronta com lições moderadoras para hoje. Suas descobertas vão transformar o debate e definir a agenda para a próxima geração de pensamento sobre riqueza e desigualdade.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.


A fortuna da natureza: como os negócios e a sociedade prosperam investindo na natureza
por Mark R. Tercek e Jonathan S. Adams.

A fortuna da natureza: como os negócios e a sociedade prosperam investindo na natureza por Mark R. Tercek e Jonathan S. Adams.Qual é a natureza vale a pena? A resposta a esta pergunta-que tradicionalmente tem sido enquadrado em termos ambientais, está revolucionando a maneira como fazemos negócios. Dentro Fortune da naturezaMark Tercek, CEO da The Nature Conservancy e ex-banqueiro de investimentos, e o escritor de ciência Jonathan Adams argumentam que a natureza não é apenas a base do bem-estar humano, mas também o investimento comercial mais inteligente que qualquer empresa ou governo pode fazer. As florestas, várzeas e os recifes de ostras, muitas vezes vistos simplesmente como matéria-prima ou como obstáculos a serem eliminados em nome do progresso, são de fato tão importantes para nossa prosperidade futura quanto a tecnologia ou a lei ou a inovação empresarial. Fortune da natureza oferece um guia essencial para o bem-estar econômico e ambiental do mundo.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.


Além Outrage: O que deu errado com a nossa economia e nossa democracia, e como corrigi-lo -- por Robert B. Reich

Além OutrageNeste livro oportuno, Robert B. Reich argumenta que nada de bom acontece em Washington, a menos que os cidadãos são energizados e organizados para fazer atos certeza de Washington no bem público. O primeiro passo é ver a imagem grande. Além Outrage liga os pontos, mostrando porque a participação crescente de renda e de riqueza indo para o topo tem prejudicado o crescimento eo emprego para todos, minando a nossa democracia; causado americanos a tornar-se cada vez mais cínico sobre a vida pública, e muitos americanos virou um contra o outro. Ele também explica por que as propostas do "direito regressivo" está absolutamente errado e fornece um roteiro claro do que deve ser feito. Aqui está um plano de ação para todos os que se preocupa com o futuro da América.

Clique aqui para mais informações ou para encomendar este livro na Amazon.


Isso muda tudo: ocupe Wall Street e o movimento 99%
por Sarah van Gelder e funcionários do SIM! Revista.

Isso muda tudo: Ocupe Wall Street e o Movimento 99% de Sarah van Gelder e equipe do YES! Revista.Isso muda tudo mostra como o movimento Occupy está mudando a maneira como as pessoas veem a si mesmas e ao mundo, o tipo de sociedade que acreditam ser possível e seu próprio envolvimento na criação de uma sociedade que trabalhe para o 99% em vez de apenas 1%. Tentativas de classificar esse movimento descentralizado e de rápida evolução levaram à confusão e percepção equivocada. Neste volume, os editores de SIM! Revista reunir vozes de dentro e de fora dos protestos para transmitir as questões, possibilidades e personalidades associadas ao movimento Occupy Wall Street. Este livro apresenta contribuições de Naomi Klein, David Korten, Rebecca Solnit, Ralph Nader e outros, além de ativistas do Occupy que estavam lá desde o início.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.



Você pode gostar

siga InnerSelf on

facebook íconeícone do twitterícone do YouTubeícone do instagramícone pintrestícone rss

 Receba as últimas por e-mail

Revista Semanal Melhor da Semana

IDIOMAS DISPONÍVEIS

enafarzh-CNzh-TWdanltlfifrdeeliwhihuiditjakomsnofaplptroruesswsvthtrukurvi

MAIS LEIA

estresse social e envelhecimento 6 17
Como o estresse social pode acelerar o envelhecimento do sistema imunológico
by Eric Klopack, Universidade do Sul da Califórnia
À medida que as pessoas envelhecem, seus sistemas imunológicos naturalmente começam a declinar. Este envelhecimento do sistema imunológico,…
alimentos mais saudáveis ​​quando cozinhados 6 19
9 vegetais que são mais saudáveis ​​​​quando cozidos
by Laura Brown, Universidade Teesside
Nem todos os alimentos são mais nutritivos quando consumidos crus. De fato, alguns vegetais são realmente mais…
incapacidade do carregador 9 19
Nova regra do carregador USB-C mostra como os reguladores da UE tomam decisões para o mundo
by Renaud Foucart, Universidade de Lancaster
Você já pegou emprestado o carregador de um amigo e descobriu que ele não é compatível com o seu telefone? Ou…
jejum intermitente 6 17
O jejum intermitente é realmente bom para perda de peso?
by David Clayton, Universidade Nottingham Trent
Se você é alguém que pensou em perder peso ou quis ficar mais saudável nos últimos…
cara. mulher e criança na praia
Este é o dia? Reviravolta do dia dos pais
by Will Wilkinson
É Dia dos Pais. Qual o significado simbólico? Poderia algo de mudança de vida acontecer hoje em sua…
problemas para pagar contas e saúde mental 6 19
Problemas para pagar contas podem afetar a saúde mental dos pais
by Joyce Y. Lee, Universidade Estadual de Ohio
Pesquisas anteriores sobre pobreza foram conduzidas principalmente com mães, com foco predominante em…
efeitos de saúde do bpa 6 19
Que décadas de pesquisa documentam os efeitos do BPA na saúde
by Tracey Woodruff, Universidade da Califórnia, São Francisco
Se você já ouviu falar do químico bisfenol A, mais conhecido como BPA, estudos mostram que…
que tal queijo vegano 4 27
O que você deve saber sobre o queijo vegano
by Richard Hoffman, Universidade de Hertfordshire
Felizmente, graças à crescente popularidade do veganismo, os fabricantes de alimentos começaram a…

Novas atitudes - Novas possibilidades

InnerSelf.comClimateImpactNews.com | InnerPower.net
MightyNatural.com | WholisticPolitics. com | Innerself Mercado
Copyright © 1985 - 2021 innerself Publications. Todos os direitos reservados.