Enquanto Estados Pesam Vidas Humanas Versus da Economia, a História sugere que a Economia Vence Frequentemente

Enquanto Estados Pesam Vidas Humanas Versus da Economia, a História sugere que a Economia Vence Frequentemente Uma gravura de 1620 mostra o tabaco sendo preparado para exportação de Jamestown, Virgínia. Universal History Archive / Universal Images Group via Getty Images

Os formuladores de políticas estão começando a decidir como reabrir a economia americana. Até agora, eles priorizaram amplamente a saúde humana: Restrições em quase todos os estados permanecem em vigor, e trilhões foram comprometidos em ajudar as empresas fechadas e as que foram furtadas ou demitidas.

O momento certo para começar a abrir setores da economia esteve em debate. Mas a história mostra que, na esteira de calamidades, a vida humana geralmente perde para imperativos econômicos.

Como historiador do início da América quem escreveu sobre tabaco e o as consequências de uma epidemia na Nova Inglaterra, Vi considerações semelhantes feitas diante de surtos de doenças. E acredito que há lições cruciais a serem tiradas de dois surtos do século XVII durante os quais os interesses econômicos de alguns poucos venceram por questões morais.

Tabaco, uma história de amor

Durante o século XVI, os europeus se apaixonaram pelo tabaco, uma planta americana. Muitos gostaram das sensações, como aumento de energia e diminuição do apetite, que ele produzia, e a maioria dos que escreveu sobre isso enfatizou seus benefícios medicinais, vendo-o como uma droga maravilhosa que poderia curar uma variedade de doenças humanas. (Nem todos celebraram a planta; o rei Jaime I da Inglaterra advertido que era viciante e perigoso.)

No início do século XVII, os ingleses ficaram cada vez mais ansiosos para estabelecer uma colônia permanente na América do Norte após não fazendo isso em lugares como Roanoke e Nunavut. Eles viram a próxima oportunidade ao longo do rio James, um afluente da baía de Chesapeake. Após o estabelecimento de Jamestown em 1607, os ingleses logo perceberam que a região era perfeita para o cultivo de tabaco.

Os recém-chegados, no entanto, não sabiam que haviam se estabelecido em um terreno fértil ideal para as bactérias que causam febre tifóide e disenteria. De 1607 a 1624, aproximadamente 7,300 migrantes, a maioria jovens, viajaram para a Virgínia. Até 1625 havia apenas 1,200 sobreviventes. Uma revolta de 1622 por Powhatans locais e escassez de alimentos induzida pela seca contribuiu para o número de mortos, mas a maioria pereceu da doença. A situação era tão terrível que alguns colonos, fracos demais para produzir alimentos, recorreu ao canibalismo.

Consciente de que essas histórias poderiam dissuadir possíveis migrantes, a Virginia Company de Londres divulgou um panfleto que reconhecia os problemas mas enfatizou que o futuro seria mais brilhante.


Receba as últimas notícias do InnerSelf


E assim os migrantes ingleses continuaram a chegar, recrutados dos exércitos de jovens que se mudaram para Londres à procura de trabalho, apenas para encontrar poucas oportunidades. Desempregados e desesperados, muitos concordaram em se tornar servos contratados, o que significa que trabalhariam para um plantador na Virgínia por um período definido de tempo em troca de passagem pelo oceano e compensação no final do contrato.

A produção de tabaco disparou, e apesar da queda no preço devido à superprodução da safra, os plantadores conseguiram reunir uma riqueza substancial.

De servos a escravos

Outra doença moldou os primeiros Estados Unidos, embora suas vítimas estivessem a milhares de quilômetros de distância. Em 1665, a praga bubônica atingiu Londres. No próximo ano, o Bom fogo consumiu grande parte da infraestrutura da cidade. Contas de mortalidade e outras fontes revelam que a população da cidade pode ter caído em até 15% a 20% durante este período.

O momento das catástrofes gêmeas não poderia ter sido pior para os plantadores ingleses na Virgínia e Maryland. Embora a demanda por tabaco só tivesse aumentado, muitos criados contratados da primeira vaga de recrutas decidiram começar suas próprias famílias e fazendas. Os plantadores precisavam desesperadamente de mão-de-obra para seus campos de tabaco, mas os trabalhadores ingleses que de outra forma poderiam emigrar encontraram trabalho em casa reconstruindo Londres.

Com menos trabalhadores vindos da Inglaterra, uma alternativa começou a parecer cada vez mais atraente para os plantadores: o tráfico de escravos. Enquanto os primeiros africanos escravizados tinha chegado à Virgínia em 1619, seus números cresceram significativamente após a década de 1660. Na década de 1680, o primeiro movimento anti-escravidão apareceu nas colônias; até então, os plantadores passaram a confiar no trabalho escravo importado.

No entanto, os plantadores não precisavam priorizar o tabaco intensivo em mão de obra. Durante anos, líderes coloniais estava tentando convencer os plantadores para cultivar menos trabalho intensivo, como o milho. Mas, apaixonados pelo fascínio dos lucros, mantiveram sua safra comercial - e acolheram navios após navios de trabalhadores encadernados. A demanda por tabaco superava qualquer tipo de consideração moral.

A escravidão legalizada e a servidão contratada não são mais partes familiares da economia americana, mas a exploração econômica persiste.

Apesar de a retórica anti-imigração acalorada que veio do Salão Oval nos últimos anos, os Estados Unidos continuam a depender fortemente de trabalhadores imigrantes, que inclui trabalhadores agrícolas. Sua importância se tornou ainda mais aparente durante a pandemia, e o governo chegou a declará-los "essencial. ” Depois de Trump anunciou sua proibição de imigração em 20 de abril, a ordem executiva isento trabalhadores agrícolas e catadores, cujos números realmente cresceram sob sua administração.

Portanto, mesmo antes de os estados ponderarem se deveriam reabrir negócios não essenciais, esses trabalhadores estavam na linha de frente, trabalhando e dormindo próximo, imunocomprometido devido à exposição a produtos químicos, com pouco acesso a cuidados médicos adequados.

E, no entanto, em vez de recompensá-los por realizar este trabalho essencial, alguns no governo estão tentando reduzir ainda mais seus baixos salários, ao mesmo tempo em que oferece aos proprietários de fazendas um resgate de vários bilhões de dólares.

Seja uma praga ou uma pandemia, a história tende a permanecer a mesma, com a busca por lucros eventualmente prevalecendo sobre as preocupações com a saúde humana.

Sobre o autor

Peter C. Mancall, Andrew W. Mellon Professor de Humanidades, Faculdade de Letras, Artes e Ciências da Universidade do Sul da Califórnia - Dornsife

Este artigo foi republicado a partir de A Conversação sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.

Livros recomendados:

Capital do Século XXI
por Thomas Piketty. (Traduzido por Arthur Goldhammer)

Capital na capa dura do século XXI por Thomas Piketty.In Capital no século XXI, Thomas Piketty analisa uma coleção única de dados de vinte países, desde o século XVIII, para descobrir os principais padrões econômicos e sociais. Mas as tendências econômicas não são atos de Deus. A ação política acabou com as desigualdades perigosas no passado, diz Thomas Piketty, e pode fazê-lo novamente. Uma obra de extraordinária ambição, originalidade e rigor, Capital do Século XXI reorienta nossa compreensão da história econômica e nos confronta com lições moderadoras para hoje. Suas descobertas vão transformar o debate e definir a agenda para a próxima geração de pensamento sobre riqueza e desigualdade.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.


A fortuna da natureza: como os negócios e a sociedade prosperam investindo na natureza
por Mark R. Tercek e Jonathan S. Adams.

A fortuna da natureza: como os negócios e a sociedade prosperam investindo na natureza por Mark R. Tercek e Jonathan S. Adams.Qual é a natureza vale a pena? A resposta a esta pergunta-que tradicionalmente tem sido enquadrado em termos ambientais, está revolucionando a maneira como fazemos negócios. Dentro Fortune da naturezaMark Tercek, CEO da The Nature Conservancy e ex-banqueiro de investimentos, e o escritor de ciência Jonathan Adams argumentam que a natureza não é apenas a base do bem-estar humano, mas também o investimento comercial mais inteligente que qualquer empresa ou governo pode fazer. As florestas, várzeas e os recifes de ostras, muitas vezes vistos simplesmente como matéria-prima ou como obstáculos a serem eliminados em nome do progresso, são de fato tão importantes para nossa prosperidade futura quanto a tecnologia ou a lei ou a inovação empresarial. Fortune da natureza oferece um guia essencial para o bem-estar econômico e ambiental do mundo.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.


Além Outrage: O que deu errado com a nossa economia e nossa democracia, e como corrigi-lo -- por Robert B. Reich

Além OutrageNeste livro oportuno, Robert B. Reich argumenta que nada de bom acontece em Washington, a menos que os cidadãos são energizados e organizados para fazer atos certeza de Washington no bem público. O primeiro passo é ver a imagem grande. Além Outrage liga os pontos, mostrando porque a participação crescente de renda e de riqueza indo para o topo tem prejudicado o crescimento eo emprego para todos, minando a nossa democracia; causado americanos a tornar-se cada vez mais cínico sobre a vida pública, e muitos americanos virou um contra o outro. Ele também explica por que as propostas do "direito regressivo" está absolutamente errado e fornece um roteiro claro do que deve ser feito. Aqui está um plano de ação para todos os que se preocupa com o futuro da América.

Clique aqui para mais informações ou para encomendar este livro na Amazon.


Isso muda tudo: ocupe Wall Street e o movimento 99%
por Sarah van Gelder e funcionários do SIM! Revista.

Isso muda tudo: Ocupe Wall Street e o Movimento 99% de Sarah van Gelder e equipe do YES! Revista.Isso muda tudo mostra como o movimento Occupy está mudando a maneira como as pessoas veem a si mesmas e ao mundo, o tipo de sociedade que acreditam ser possível e seu próprio envolvimento na criação de uma sociedade que trabalhe para o 99% em vez de apenas 1%. Tentativas de classificar esse movimento descentralizado e de rápida evolução levaram à confusão e percepção equivocada. Neste volume, os editores de SIM! Revista reunir vozes de dentro e de fora dos protestos para transmitir as questões, possibilidades e personalidades associadas ao movimento Occupy Wall Street. Este livro apresenta contribuições de Naomi Klein, David Korten, Rebecca Solnit, Ralph Nader e outros, além de ativistas do Occupy que estavam lá desde o início.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.



enafarzh-CNzh-TWnltlfifrdehiiditjakomsnofaptruessvtrvi

siga InnerSelf on

facebook-icontwitter-iconrss-icon

Receba as últimas por e-mail

{Emailcloak = off}

DOS EDITORES

Chegou o dia do acerto de contas para o Partido Republicano
by Robert Jennings, InnerSelf.com
O partido republicano não é mais um partido político pró-América. É um partido pseudo-político ilegítimo, cheio de radicais e reacionários, cujo objetivo declarado é perturbar, desestabilizar e…
Por que Donald Trump poderia ser o maior perdedor da história
by Robert Jennings, InnerSelf.com
Atualizado em 2 de julho de 20020 - Toda essa pandemia de coronavírus está custando uma fortuna, talvez 2, 3 ou 4 fortunas, todas de tamanho desconhecido. Ah, sim, e centenas de milhares, talvez um milhão, de pessoas morrerão ...
Olhos Azuis vs Olhos Castanhos: Como o Racismo é Ensinado
by Marie T. Russell, InnerSelf
Neste episódio de 1992 da Oprah Show, a ativista e educadora anti-racismo premiada Jane Elliott ensinou ao público uma dura lição sobre racismo, demonstrando o quão fácil é aprender preconceito.
Uma mudança virá...
by Marie T. Russell, InnerSelf
(30 de maio de 2020) Ao assistir as notícias sobre os eventos na Filadélfia e em outras cidades do país, meu coração está doendo pelo que está acontecendo. Eu sei que isso faz parte da maior mudança que está ocorrendo…
Uma música pode elevar o coração e a alma
by Marie T. Russell, InnerSelf
Eu tenho várias maneiras que eu uso para limpar a escuridão da minha mente quando a vejo penetrar. Uma é a jardinagem, ou o tempo na natureza. O outro é o silêncio. Outra maneira é ler. E um que ...