A Renda Básica Universal ajudou os quenianos a superar o clima COVID-19 - mas não é uma bala de prata

A Renda Básica Universal ajudou os quenianos a superar o clima COVID-19 - mas não é uma bala de prata
Um destinatário exibe uma mensagem confirmando uma transação de renda básica universal. Região de Bondo, oeste do Quênia.
YASUYOSHI CHIBA / AFP via Getty Images

A pandemia de coronavírus está tendo efeitos socioeconômicos devastadores em pessoas em muitas partes do mundo. Pobreza, fome e desnutrição estão aumentando; doenças - incluindo poliomielite, sarampo e tuberculose - estão surgindo; e ansiedade, depressão e estresse estão em ascensão.

A distribuição de uma renda básica universal - um estipêndio modesto e incondicional que dá aos indivíduos dinheiro suficiente para sobreviver - poderia ajudar as pessoas a resistir a crises como esta?

A ideia de uma renda básica universal não é nova. Por exemplo, uma versão de suporte básico chamada Imposto de Renda Negativo foi testado nos EUA há cerca de 40 anos. A renda básica está agora na vanguarda das discussões políticas em todo o mundo, já que alguns políticos começaram a adicioná-la às suas plataformas políticas. Por exemplo, Partido do Congresso da Índia fez isso nas últimas eleições.

Junto com essas discussões, veio um interesse renovado em estudar seu impacto antes de ser amplamente aplicado. Agora existem experiências em execução em vários países em todo o mundo, incluindo Finlândia, Espanha, Quênia, Índia e o US.

O início do coronavírus levou meus colegas e eu a observar como a renda básica universal afetava o modo como as pessoas lidavam com um choque grave.

Nos últimos anos, temos investigado os efeitos da renda básica universal no bem-estar das pessoas no Quênia. Em 2017, iniciamos um experimento em dois condados - Siaya e Bomet - no qual cerca de 5,000 pessoas passaram a receber US $ 0.75 (cerca de Ksh75) por dia durante 12 anos. Esse valor cobria alimentos básicos e talvez algumas despesas básicas de saúde e educação.

Outros (pouco menos de 9,000 adultos) receberam essa quantia por dois anos e um terceiro grupo (também pouco menos de 9,000 adultos) recebeu uma quantia inicial única de cerca de US $ 500, que foi o total que o grupo de dois anos recebeu. Um quarto grupo - o grupo de controle - não recebeu nenhuma transferência.


 Receba as últimas notícias do InnerSelf


Muitos nossas descobertas foram encorajadores. A maioria das pessoas que recebeu algum dinheiro - seja mensal ou em uma única quantia - se saiu muito bem em relação ao grupo de controle. Eles experimentaram menos fome, doença e depressão, tanto antes quanto depois que o país impôs restrições à pandemia.

Mas a renda básica universal não é uma bala de prata. Os suplementos de dinheiro também encorajaram as pessoas a fazerem investimentos empresariais, então vulneráveis ​​durante a crise. Esperamos que nossos resultados sejam úteis para os governos compreenderem a melhor forma de ajudar durante uma crise, como esta pandemia.

Respostas pandêmicas

À medida que os casos de coronavírus começaram a aumentar em todo o mundo no início deste ano, o governo do Quênia, como outros, impôs limites rígidos à mobilidade e reuniões para evitar a propagação do vírus. As restrições tiveram um efeito negativo sobre o economia do país e membros mais pobres da sociedade.

As medidas foram impostas durante o período de escassez agrícola do país, em que os alimentos são mais escassos e caros. Os efeitos da estação de escassez provavelmente foram intensificados pelas restrições relacionadas à pandemia. Os dois condados envolvidos em nosso experimento tiveram um número de casos extremamente baixo de coronavírus (menos de uma dúzia de casos relatados), portanto, quaisquer efeitos que encontrarmos não são devidos à doença, mas sim às respostas políticas à pandemia e suas interações com a estação de escassez.

Quase 70% das pessoas no grupo de controle relataram passar fome nos 30 dias anteriores à nossa pesquisa neste verão (devido à estação escassa). Os beneficiários da renda básica, porém, tinham entre 7% e 16% menos chances de relatar a experiência de fome. Eles tinham entre 9% e 14% menos probabilidade de ter adoecido de qualquer tipo e também eram menos deprimidos.

Também exploramos se as transferências de dinheiro incentivavam os receptores a participarem de atividades que apresentavam o risco de espalhar o coronavírus. Ter mais dinheiro pode tornar as pessoas mais propensas a se envolver em interações sociais, por exemplo. Também pode aumentar a probabilidade de as pessoas irem à clínica com um problema de saúde, o que, durante uma pandemia, pode expô-las ao vírus. Não encontramos tais efeitos. Os destinatários eram menos propensos a ir a um hospital e um pouco menos propensos a ter interações sociais.

Podemos especular por que isso pode ser. Por exemplo, antes da pandemia, as pessoas que tinham dois anos de renda básica provavelmente eram mais saudáveis ​​porque gastaram parte do dinheiro com a saúde. Eles podem ter procurado atendimento médico com mais regularidade e comprado alimentos mais nutritivos antes da pandemia. Portanto, eles podem estar em melhor forma e, portanto, é menos provável que precisem visitar uma clínica e correr risco de exposição. Quanto à saúde mental, é provável que a renda básica universal aliviasse o estresse de alguns destinatários.

Não é uma bala de prata

Mesmo assim, nosso estudo mostrou que a renda básica universal não é uma bala de prata. Um grande benefício da renda garantida, por fornecer o suficiente para cobrir o básico, é estimular a assunção de riscos - como abrir um negócio - e o investimento no futuro.

Nos dados que coletamos em 2019, vimos que os beneficiários eram mais propensos a iniciar novos negócios e ver os lucros de seus negócios crescerem. Mas quando o governo instituiu restrições (durante a época de escassez), esses lucros aumentados desapareceram. No entanto, permitiu que esses empreendedores continuassem no mercado. Apesar das perdas nos lucros, eles ainda foram capazes de sustentar melhorias na segurança alimentar em relação ao grupo de controle.

Essa descoberta ressalta as limitações da renda básica universal. Não oferece proteção contra a perda de receita do negócio e encoraja alguns indivíduos a assumirem mais riscos antes da crise, abrindo um negócio. Isso não é uma falha da renda básica universal - já que a principal motivação para a renda básica universal é ajudar os pobres com meios de subsistência básicos - ao contrário, é um lembrete de que ela não foi projetada para lidar com situações extremas como esta pandemia.

Ainda assim, a capacidade de acessar suplementos de renda claramente ajudou as pessoas a resistir à pandemia - em algumas dimensões, como segurança alimentar e saúde física e mental - e, portanto, os governos devem considerar isso como parte de sua resposta à pandemia e às emergências. Também leva as pessoas a correrem riscos, mas não foi capaz de proteger a receita desses investimentos durante a crise. Em uma pandemia, pode ser importante proteger essas receitas também, então talvez transferências de dinheiro únicas maiores também possam ser necessárias para ajudar as pessoas e a economia a lidar com a pandemia.

Sobre o autorA Conversação

Tavneet Suri, Professor Associado, Economia Aplicada, MIT Sloan School of Management

Abhijit Vinayak Banerjee do MIT, Michael Faye da instituição de caridade internacional “Give Directly”, Paul Niehaus da UC San Diego e o falecido Alan Krueger de Princeton contribuíram para esta pesquisa.

Este artigo foi republicado a partir de A Conversação sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original

Livros recomendados:

Capital do Século XXI
por Thomas Piketty. (Traduzido por Arthur Goldhammer)

Capital na capa dura do século XXI por Thomas Piketty.In Capital no século XXI, Thomas Piketty analisa uma coleção única de dados de vinte países, desde o século XVIII, para descobrir os principais padrões econômicos e sociais. Mas as tendências econômicas não são atos de Deus. A ação política acabou com as desigualdades perigosas no passado, diz Thomas Piketty, e pode fazê-lo novamente. Uma obra de extraordinária ambição, originalidade e rigor, Capital do Século XXI reorienta nossa compreensão da história econômica e nos confronta com lições moderadoras para hoje. Suas descobertas vão transformar o debate e definir a agenda para a próxima geração de pensamento sobre riqueza e desigualdade.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.


A fortuna da natureza: como os negócios e a sociedade prosperam investindo na natureza
por Mark R. Tercek e Jonathan S. Adams.

A fortuna da natureza: como os negócios e a sociedade prosperam investindo na natureza por Mark R. Tercek e Jonathan S. Adams.Qual é a natureza vale a pena? A resposta a esta pergunta-que tradicionalmente tem sido enquadrado em termos ambientais, está revolucionando a maneira como fazemos negócios. Dentro Fortune da naturezaMark Tercek, CEO da The Nature Conservancy e ex-banqueiro de investimentos, e o escritor de ciência Jonathan Adams argumentam que a natureza não é apenas a base do bem-estar humano, mas também o investimento comercial mais inteligente que qualquer empresa ou governo pode fazer. As florestas, várzeas e os recifes de ostras, muitas vezes vistos simplesmente como matéria-prima ou como obstáculos a serem eliminados em nome do progresso, são de fato tão importantes para nossa prosperidade futura quanto a tecnologia ou a lei ou a inovação empresarial. Fortune da natureza oferece um guia essencial para o bem-estar econômico e ambiental do mundo.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.


Além Outrage: O que deu errado com a nossa economia e nossa democracia, e como corrigi-lo -- por Robert B. Reich

Além OutrageNeste livro oportuno, Robert B. Reich argumenta que nada de bom acontece em Washington, a menos que os cidadãos são energizados e organizados para fazer atos certeza de Washington no bem público. O primeiro passo é ver a imagem grande. Além Outrage liga os pontos, mostrando porque a participação crescente de renda e de riqueza indo para o topo tem prejudicado o crescimento eo emprego para todos, minando a nossa democracia; causado americanos a tornar-se cada vez mais cínico sobre a vida pública, e muitos americanos virou um contra o outro. Ele também explica por que as propostas do "direito regressivo" está absolutamente errado e fornece um roteiro claro do que deve ser feito. Aqui está um plano de ação para todos os que se preocupa com o futuro da América.

Clique aqui para mais informações ou para encomendar este livro na Amazon.


Isso muda tudo: ocupe Wall Street e o movimento 99%
por Sarah van Gelder e funcionários do SIM! Revista.

Isso muda tudo: Ocupe Wall Street e o Movimento 99% de Sarah van Gelder e equipe do YES! Revista.Isso muda tudo mostra como o movimento Occupy está mudando a maneira como as pessoas veem a si mesmas e ao mundo, o tipo de sociedade que acreditam ser possível e seu próprio envolvimento na criação de uma sociedade que trabalhe para o 99% em vez de apenas 1%. Tentativas de classificar esse movimento descentralizado e de rápida evolução levaram à confusão e percepção equivocada. Neste volume, os editores de SIM! Revista reunir vozes de dentro e de fora dos protestos para transmitir as questões, possibilidades e personalidades associadas ao movimento Occupy Wall Street. Este livro apresenta contribuições de Naomi Klein, David Korten, Rebecca Solnit, Ralph Nader e outros, além de ativistas do Occupy que estavam lá desde o início.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.



enafarzh-CNzh-TWnltlfifrdehiiditjakomsnofaptruessvtrvi

siga InnerSelf on

facebook-icontwitter-iconrss-icon

 Receba as últimas por e-mail

{Emailcloak = off}

Eu consigo com uma pequena ajuda dos meus amigos

DOS EDITORES

Por que devo ignorar o COVID-19 e por que não vou
by Robert Jennings, InnerSelf.com
Minha esposa Marie e eu somos um casal misto. Ela é canadense e eu sou americano. Nos últimos 15 anos, passamos nossos invernos na Flórida e nossos verões na Nova Escócia.
Boletim InnerSelf: novembro 15, 2020
by Funcionários Innerself
Nesta semana, refletimos sobre a questão: "para onde vamos a partir daqui?" Assim como com qualquer rito de passagem, seja formatura, casamento, nascimento de um filho, uma eleição fundamental ou a perda (ou descoberta) de um ...
América: atrelando nosso vagão ao mundo e às estrelas
by Marie T Russell e Robert Jennings, InnerSelf.com
Bem, a eleição presidencial dos Estados Unidos já passou e é hora de fazer um balanço. Devemos encontrar um terreno comum entre jovens e velhos, democratas e republicanos, liberais e conservadores para realmente fazer ...
Boletim InnerSelf: outubro 25, 2020
by Funcionários Innerself
O "slogan" ou subtítulo do site InnerSelf é "Novas Atitudes --- Novas Possibilidades", e é exatamente esse o tema da newsletter desta semana. O objetivo de nossos artigos e autores é ...
Boletim InnerSelf: outubro 18, 2020
by Funcionários Innerself
Atualmente, vivemos em mini-bolhas ... em nossas próprias casas, no trabalho e em público e, possivelmente, em nossa própria mente e com nossas próprias emoções. No entanto, vivendo em uma bolha, ou sentindo que estamos ...