Por que os republicanos e outros preocupados com a economia têm motivos para comemorar Biden na Casa Branca

Por que os republicanos e outros preocupados com a economia têm motivos para comemorar Biden na Casa Branca
O presidente eleito Joe Biden discursa em 7 de novembro de 2020, em Wilmington, Del.
Foto de AP / Carolyn Kaster

No primeiro dia, um Presidente recém-inaugurado Joe Biden terá que lidar com uma economia devastada - bem como ele e o ex-presidente Barack Obama fizeram uma década atrás.

O que o país pode esperar?

Prever o desempenho da economia sob um novo presidente é geralmente uma missão tola. Quanto ou quão pouco crédito a pessoa na Casa Branca merece para a saúde da economia é um questão de debate, e nenhum economista pode prever com segurança como as políticas do presidente vão funcionar - se elas entrarão em vigor - ou quais desafios podem surgir.

Independentemente, os eleitores tendem a acreditar faz diferença. E indo para a eleição, 79% dos eleitores registrados - e 88% dos apoiadores de Trump - disse que a economia era sua principal preocupação. Diante disso, os dados históricos sugerem que aqueles que estão preocupados com a economia têm motivos para estar bastante satisfeitos com os resultados das eleições: A economia geralmente se sai melhor sob presidentes democratas.

Herdando uma economia em dificuldades

Biden vai herdar uma economia com sérios problemas. As coisas melhoraram acentuadamente desde os dias mais sombrios - pelo menos, até agora - da pandemia na primavera, mas a economia continua em um estado terrível.

O último relatório de empregos mostra que 11 milhões de pessoas continuam desempregadas - um terço dos quais ficou sem emprego por pelo menos 27 semanas - abaixo de um pico de 23 milhões em abril. Dezenas de milhares de pequenas empresas e dezenas das principais redes de varejo encerraram ou entraram em processo de falência. Muitos estados, cidades e agências municipais estão sofrendo com os enormes custos dos bloqueios de primavera. E a economia contraiu 2.8% desde o final de 2019.

E isso não inclui o impacto do que alguns funcionários - incluindo Biden - apelidaram de “inverno sombrio”, já que graves surtos de coronavírus em muitas regiões dos Estados Unidos provocam novas restrições econômicas.


 Receba as últimas notícias do InnerSelf


Democratas têm melhor histórico econômico

Ao tentar ter uma noção de que tipo de impacto o resultado das eleições terá na economia, o passado é um guia útil.

Estudo o desempenho da economia dependendo do partido político no comando. No início deste ano, eu fez uma análise desta questão, com foco em 1976 a 2016, e recentemente atualizou os dados para incluir 1953 a outubro deste ano.

Em geral, desde que o presidente Dwight D. Eisenhower assumiu o cargo em 1953, a economia - medida pelo produto interno bruto, desemprego, inflação e recessões - normalmente teve um desempenho melhor com um democrata na Casa Branca. O crescimento do PIB foi significativamente maior; a inflação - uma medida da variação dos preços - foi menor; e o desemprego tende a cair.

O mercado de ações tende a ter melhor desempenho com um presidente democrata, com alta de 11% ao ano em média, ante 6.8% para os republicanos. Apesar de suas afirmações em contrário, o desempenho do mercado de ações sob o presidente Donald Trump tem estado na média.

Talvez a diferença mais marcante que encontrei seja no número de meses em que a economia esteve em recessão, como determinado pelo National Bureau of Economic Research. De 1953 a 2016, os republicanos controlaram a Casa Branca por 432 meses, cerca de 23% dos quais foram gastos em recessão. Os presidentes democratas mantiveram as rédeas por 336 meses nesse período, apenas 4% dos quais em recessão. A recessão de 2020 começou em março e não foi oficialmente declarada encerrada.

Uma explicação sugerida para esta diferença dramática é que desregulamentação implementada durante as administrações republicanas leva a crises financeiras, que por sua vez causam recessões. Outra é que os fatores sobre os quais um presidente não tem controle, como um aumento repentino nos preços do petróleo, são as causas usuais de recessões. Outros sugerem que o melhor desempenho da economia sob os democratas é simplesmente por sorte.

Mesmo que os eleitores tendem a pensar republicanos fazer um trabalho melhor no controle da economia, dados históricos mostram o contrário. Se Biden continua nessa seqüência, é claro, ainda está para ver, especialmente dado ele provavelmente terá um Senado controlado pelos republicanos, o que poderia frustrar suas iniciativas políticas.

Uma fresta de esperança em um governo dividido

Em minha análise, também examinei o impacto do Congresso e como ter todo, parte ou nenhum do Legislativo controlado pelo partido do presidente afetou o desempenho da economia.

Curiosamente, os EUA não viram os democratas no controle do a Casa Branca e o Câmara dos Deputados com Republicanos no comando do Senado desde 1889, quando Grover Cleveland era presidente. Portanto, meu conjunto de dados, que remonta a 1953, não lança nenhuma luz sobre essa configuração legislativa em particular.

No entanto, descobri que a economia ia muito bem quando um presidente democrata enfrenta uma ou ambas as casas do Congresso controladas pela oposição. Durante os 144 meses em que uma dessas condições foi verdadeira, os EUA nunca estiveram em recessão. E quando os republicanos controlavam o Congresso sob um presidente democrata, o desemprego médio mensal era o mais baixo de qualquer condição, em 4.85%.

Claro, isso não significa que um governo dividido levará a bons resultados hoje. Uma visão pessimista é que haverá um impasse, e nada será feito. A fim de aprovar e sustentar iniciativas importantes, o bipartidarismo será necessário.

Há uma chance de que os democratas assumam o controle do Senado se duas eleições de segundo turno marcadas para janeiro na Geórgia caírem na coluna dos democratas. Historicamente, tal Trifeta democrática existiu por 192 meses, 14 dos quais - 7% - estiveram em recessão.

Estrada difícil pela frente

A história também tem muito a dizer sobre a recuperação de um colapso econômico, que continua demorando mais.

Por exemplo, demorou apenas 11 meses para o mercado de trabalho se recuperar da recessão de 1980, mas 77 para recuperar os empregos perdidos na Grande Recessão que durou de 2007 a 2009. Se essa tendência continuar, pode ser 2027 ou mais antes do mercado de trabalho se recupera totalmente da recessão induzida pela pandemia.

Mas o passado não prevê o futuro, e acredito que as políticas que um presidente segue e é capaz de implementar ainda são importantes.

Durante a campanha, Biden propôs vários planos de gastos ambiciosos, como “reconstruir melhor”, que investiria em infraestrutura americana e energia limpa, bem como “comprar americano”. Ao todo, Biden propôs US $ 2 trilhões a $ 4.2 trilhões de medidas adicionais para combater os efeitos econômicos da pandemia, de acordo com uma análise do apartidário Comitê para um Orçamento Responsável.

Seu plano econômico não pode ser implementado sem a cooperação do Congresso. O investimento em infraestrutura historicamente teve apoio bipartidário portanto, Biden e o líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, podem encontrar alguns pontos em comum aqui. Mas embora McConnell tenha indicado alívio fiscal será uma prioridade, ele se opôs a outro grande projeto de lei do coronavírus.

É impossível prever se os republicanos escolherão o bipartidarismo ou obstrucionismo, mas continuo esperançoso - dado História de moderação de Biden - que o novo presidente e o Congresso farão o que for necessário para fazer a economia avançar.A Conversação

Sobre o autor

William Chittenden, Reitor Associado para Programas de Pós-Graduação e Bolsista Presidencial, Texas State University

Este artigo foi republicado a partir de A Conversação sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.

Livros recomendados:

Capital do Século XXI
por Thomas Piketty. (Traduzido por Arthur Goldhammer)

Capital na capa dura do século XXI por Thomas Piketty.In Capital no século XXI, Thomas Piketty analisa uma coleção única de dados de vinte países, desde o século XVIII, para descobrir os principais padrões econômicos e sociais. Mas as tendências econômicas não são atos de Deus. A ação política acabou com as desigualdades perigosas no passado, diz Thomas Piketty, e pode fazê-lo novamente. Uma obra de extraordinária ambição, originalidade e rigor, Capital do Século XXI reorienta nossa compreensão da história econômica e nos confronta com lições moderadoras para hoje. Suas descobertas vão transformar o debate e definir a agenda para a próxima geração de pensamento sobre riqueza e desigualdade.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.


A fortuna da natureza: como os negócios e a sociedade prosperam investindo na natureza
por Mark R. Tercek e Jonathan S. Adams.

A fortuna da natureza: como os negócios e a sociedade prosperam investindo na natureza por Mark R. Tercek e Jonathan S. Adams.Qual é a natureza vale a pena? A resposta a esta pergunta-que tradicionalmente tem sido enquadrado em termos ambientais, está revolucionando a maneira como fazemos negócios. Dentro Fortune da naturezaMark Tercek, CEO da The Nature Conservancy e ex-banqueiro de investimentos, e o escritor de ciência Jonathan Adams argumentam que a natureza não é apenas a base do bem-estar humano, mas também o investimento comercial mais inteligente que qualquer empresa ou governo pode fazer. As florestas, várzeas e os recifes de ostras, muitas vezes vistos simplesmente como matéria-prima ou como obstáculos a serem eliminados em nome do progresso, são de fato tão importantes para nossa prosperidade futura quanto a tecnologia ou a lei ou a inovação empresarial. Fortune da natureza oferece um guia essencial para o bem-estar econômico e ambiental do mundo.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.


Além Outrage: O que deu errado com a nossa economia e nossa democracia, e como corrigi-lo -- por Robert B. Reich

Além OutrageNeste livro oportuno, Robert B. Reich argumenta que nada de bom acontece em Washington, a menos que os cidadãos são energizados e organizados para fazer atos certeza de Washington no bem público. O primeiro passo é ver a imagem grande. Além Outrage liga os pontos, mostrando porque a participação crescente de renda e de riqueza indo para o topo tem prejudicado o crescimento eo emprego para todos, minando a nossa democracia; causado americanos a tornar-se cada vez mais cínico sobre a vida pública, e muitos americanos virou um contra o outro. Ele também explica por que as propostas do "direito regressivo" está absolutamente errado e fornece um roteiro claro do que deve ser feito. Aqui está um plano de ação para todos os que se preocupa com o futuro da América.

Clique aqui para mais informações ou para encomendar este livro na Amazon.


Isso muda tudo: ocupe Wall Street e o movimento 99%
por Sarah van Gelder e funcionários do SIM! Revista.

Isso muda tudo: Ocupe Wall Street e o Movimento 99% de Sarah van Gelder e equipe do YES! Revista.Isso muda tudo mostra como o movimento Occupy está mudando a maneira como as pessoas veem a si mesmas e ao mundo, o tipo de sociedade que acreditam ser possível e seu próprio envolvimento na criação de uma sociedade que trabalhe para o 99% em vez de apenas 1%. Tentativas de classificar esse movimento descentralizado e de rápida evolução levaram à confusão e percepção equivocada. Neste volume, os editores de SIM! Revista reunir vozes de dentro e de fora dos protestos para transmitir as questões, possibilidades e personalidades associadas ao movimento Occupy Wall Street. Este livro apresenta contribuições de Naomi Klein, David Korten, Rebecca Solnit, Ralph Nader e outros, além de ativistas do Occupy que estavam lá desde o início.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.



enafarzh-CNzh-TWnltlfifrdehiiditjakomsnofaptruessvtrvi

siga InnerSelf on

facebook-icontwitter-iconrss-icon

 Receba as últimas por e-mail

{Emailcloak = off}

Apoie um bom trabalho!

DOS EDITORES

Por que devo ignorar o COVID-19 e por que não vou
by Robert Jennings, InnerSelf.com
Minha esposa Marie e eu somos um casal misto. Ela é canadense e eu sou americano. Nos últimos 15 anos, passamos nossos invernos na Flórida e os verões na Nova Escócia.
Boletim InnerSelf: novembro 15, 2020
by Funcionários Innerself
Nesta semana, refletimos sobre a questão: "para onde vamos a partir daqui?" Assim como com qualquer rito de passagem, seja formatura, casamento, nascimento de um filho, uma eleição fundamental ou a perda (ou descoberta) de um ...
América: atrelando nosso vagão ao mundo e às estrelas
by Marie T Russell e Robert Jennings, InnerSelf.com
Bem, a eleição presidencial dos Estados Unidos já passou e é hora de fazer um balanço. Devemos encontrar um terreno comum entre jovens e velhos, democratas e republicanos, liberais e conservadores para realmente fazer ...
Boletim InnerSelf: outubro 25, 2020
by Funcionários Innerself
O "slogan" ou subtítulo do site InnerSelf é "Novas Atitudes --- Novas Possibilidades", e é exatamente esse o tema da newsletter desta semana. O objetivo de nossos artigos e autores é ...
Boletim InnerSelf: outubro 18, 2020
by Funcionários Innerself
Atualmente, vivemos em mini-bolhas ... em nossas próprias casas, no trabalho e em público e, possivelmente, em nossa própria mente e com nossas próprias emoções. No entanto, vivendo em uma bolha, ou sentindo que estamos ...