A verdadeira história por trás da icônica crise financeira da bolha dos mares do sul

A verdadeira história por trás da icônica crise financeira da bolha dos mares do sul Pintura de especuladores de bolhas dos mares do sul por Edward Matthew Ward, Tate Gallery. Wikimedia

O coronavírus causou uma grande turbulência no mercado de ações e, inevitavelmente, comparações têm sido feito à volatilidade causada pela Bolha dos Mares do Sul há 300 anos. Foi nesse momento que, em 1720, os preços das ações em Londres dispararam e depois caíram drasticamente. É considerado um grande desastre econômico e um grande escândalo.

Na verdade, foi um escândalo, mas não muito desastroso. Embora alguns investidores tenham perdido com a especulação, isso não afetou muito a economia em geral, ao contrário dos crashes mais recentes de 1929 e 2008 - e quais seriam os efeitos econômicos de longo prazo do COVID-19.

O episódio mostra como uma crise percebida pode ser objeto de intenso clamor público e pânico moral, mesmo quando as pessoas não entendem o que aconteceu. Mostra como a narrativa contada ao público pode facilmente divergir da verdade: notícias falsas, se você quiser.

O que realmente aconteceu

As verdadeiras razões por trás da bolha são complexos. A South Sea Company, que deu nome ao evento, ajudou o governo a administrar sua dívida e também vendeu africanos escravos para as colônias espanholas das Américas. O governo teve dificuldade em pagar os detentores de sua dívida em dia e os investidores tiveram dificuldade em vender sua dívida a terceiros devido a dificuldades legais.

Portanto, os detentores de dívidas foram incentivados a entregar seus instrumentos de dívida à South Sea Company em troca de ações. A empresa receberia um pagamento anual de juros do governo, em vez de o governo pagar juros a um grande número de credores. A empresa então repassaria o pagamento de juros na forma de dividendos, juntamente com os lucros de seu braço comercial. Os acionistas poderiam vender facilmente suas ações ou simplesmente receber dividendos.

A gestão da dívida e os aspectos escravistas da história da empresa muitas vezes foram mal interpretados ou minimizados. Contas mais antigas afirmam que a empresa não comercializou de fato. Sim. A South Sea Company despachou milhares de pessoas através do Atlântico como escravos, trabalhando com uma empresa de comércio de escravos estabelecida chamada Royal African Company. Ele também recebeu proteção de comboio da Marinha Real. Os acionistas estavam interessados ​​na South Sea Company porque ela era fortemente apoiada pelo Estado britânico.

No verão de 1720, as ações da South Sea Company ficaram supervalorizadas e outras empresas também viram o preço de suas ações aumentar. Em parte, isso ocorreu porque novos investidores entraram no mercado e se empolgaram. Além disso, o dinheiro veio da França. A economia francesa havia passado por um enorme conjunto de reformas sob o controle de um economista escocês chamado John Law.


Receba as últimas notícias do InnerSelf


As ideias de Law estavam à frente de seu tempo, mas ele agiu rápido demais. Suas tentativas de modernizar a economia da França não funcionaram, em parte porque o rígido sistema social permaneceu inalterado. O mercado de ações francês disparou e depois quebrou. Os investidores retiraram seu dinheiro do mercado de Paris - alguns o transferiram para Londres, ajudando a elevar os preços das ações lá.

Gráfico mostrando aumento rápido e queda acentuada nas ações da South Sea Company. A rápida ascensão e queda das ações da South Sea Company. Wikimedia

Assim que a bolha dos mares do sul começou a inflar, atraiu investidores mais ingênuos e aqueles que os atacariam. Embora estivesse claro que os preços altos eram insustentáveis, especuladores astutos compraram na esperança de vender tudo a tempo. Isso fez com que os preços aumentassem ainda mais, no curto prazo. O preço das ações subiu de £ 100 em 1719 para mais de £ 1,000 em agosto de 1720. A queda inevitável de volta para £ 100 por ação no final do ano foi um choque para aqueles que pensavam que poderiam fazer fortuna da noite para o dia.

A folga

O acidente provocou um grande clamor público. Os políticos exigiram um inquérito. Os diretores da South Sea Company foram acusados ​​de traição e fraude. Poemas, peças de teatro e gravuras satíricas criticaram o mercado e seus integrantes. O chanceler do Tesouro foi brevemente encerrado na Torre de Londres. Os diretores da empresa foram forçados a comparecer ao parlamento.

A quantidade de ruído gerado por essas reações ajudou a tornar a Bolha dos Mares do Sul famosa. A partir de então, tornou-se sinônimo de escândalo financeiro. Mesmo assim, muitas pessoas não conseguiram explicar o que realmente aconteceu. Talvez surpreendentemente, os historiadores econômicos podem encontrar poucas evidências de uma recessão econômica prolongada. A bolha estourou, mas sem os principais efeitos das crises financeiras posteriores.

Impressão em preto e branco por William Hogarth caricaturando a bolha do mar do sul. A caricatura da bolha de William Hogarth. Wikimedia

Então, por que tanto barulho? Primeiro, o crash aconteceu nos primeiros dias do mercado de ações. Não havia nenhum corpo de teoria financeira ou jornalismo financeiro que pudesse ajudar a explicá-lo aos leigos. Em vez disso, eles se voltaram para teorias de conspiração ou idéias estranhas sobre pessoas que estavam ficando loucas por jogos de azar.

Em segundo lugar, falava-se de pessoas recebendo seu dinheiro de volta. Isso deu aos perdedores todos os incentivos para falar sobre suas perdas. É da natureza humana reclamar, mesmo de uma pequena perda. A percepção popular é que grandes fortunas foram destruídas, mas há poucas evidências disso além de um ou dois casos.

Terceiro, esta era uma oportunidade gloriosa para que schadenfreude e vários tipos de preconceito fossem expressos. Investidoras femininas eram satirizado por misóginos. Estrangeiros e vários grupos religiosos foram objeto de comentários racistas. Não havia análises de especialistas disponíveis e comentaristas, sem nenhum conhecimento real de finanças, forneceram escândalos e bodes expiatórios em vez de relatórios precisos.

O South Sea Bubble é um símbolo de crise financeira há 300 anos. Mas, como outras crises mais modernas, sua imagem pública diverge da realidade. O mesmo provavelmente não pode ser dito da pandemia COVID-19, que terá um efeito muito mais profundo e duradouro na economia mundial.A Conversação

Sobre o autor

Helen Paul, professora de Economia e História Econômica, Universidade de Southampton

Este artigo foi republicado a partir de A Conversação sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.

Livros recomendados:

Capital do Século XXI
por Thomas Piketty. (Traduzido por Arthur Goldhammer)

Capital na capa dura do século XXI por Thomas Piketty.In Capital no século XXI, Thomas Piketty analisa uma coleção única de dados de vinte países, desde o século XVIII, para descobrir os principais padrões econômicos e sociais. Mas as tendências econômicas não são atos de Deus. A ação política acabou com as desigualdades perigosas no passado, diz Thomas Piketty, e pode fazê-lo novamente. Uma obra de extraordinária ambição, originalidade e rigor, Capital do Século XXI reorienta nossa compreensão da história econômica e nos confronta com lições moderadoras para hoje. Suas descobertas vão transformar o debate e definir a agenda para a próxima geração de pensamento sobre riqueza e desigualdade.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.


A fortuna da natureza: como os negócios e a sociedade prosperam investindo na natureza
por Mark R. Tercek e Jonathan S. Adams.

A fortuna da natureza: como os negócios e a sociedade prosperam investindo na natureza por Mark R. Tercek e Jonathan S. Adams.Qual é a natureza vale a pena? A resposta a esta pergunta-que tradicionalmente tem sido enquadrado em termos ambientais, está revolucionando a maneira como fazemos negócios. Dentro Fortune da naturezaMark Tercek, CEO da The Nature Conservancy e ex-banqueiro de investimentos, e o escritor de ciência Jonathan Adams argumentam que a natureza não é apenas a base do bem-estar humano, mas também o investimento comercial mais inteligente que qualquer empresa ou governo pode fazer. As florestas, várzeas e os recifes de ostras, muitas vezes vistos simplesmente como matéria-prima ou como obstáculos a serem eliminados em nome do progresso, são de fato tão importantes para nossa prosperidade futura quanto a tecnologia ou a lei ou a inovação empresarial. Fortune da natureza oferece um guia essencial para o bem-estar econômico e ambiental do mundo.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.


Além Outrage: O que deu errado com a nossa economia e nossa democracia, e como corrigi-lo -- por Robert B. Reich

Além OutrageNeste livro oportuno, Robert B. Reich argumenta que nada de bom acontece em Washington, a menos que os cidadãos são energizados e organizados para fazer atos certeza de Washington no bem público. O primeiro passo é ver a imagem grande. Além Outrage liga os pontos, mostrando porque a participação crescente de renda e de riqueza indo para o topo tem prejudicado o crescimento eo emprego para todos, minando a nossa democracia; causado americanos a tornar-se cada vez mais cínico sobre a vida pública, e muitos americanos virou um contra o outro. Ele também explica por que as propostas do "direito regressivo" está absolutamente errado e fornece um roteiro claro do que deve ser feito. Aqui está um plano de ação para todos os que se preocupa com o futuro da América.

Clique aqui para mais informações ou para encomendar este livro na Amazon.


Isso muda tudo: ocupe Wall Street e o movimento 99%
por Sarah van Gelder e funcionários do SIM! Revista.

Isso muda tudo: Ocupe Wall Street e o Movimento 99% de Sarah van Gelder e equipe do YES! Revista.Isso muda tudo mostra como o movimento Occupy está mudando a maneira como as pessoas veem a si mesmas e ao mundo, o tipo de sociedade que acreditam ser possível e seu próprio envolvimento na criação de uma sociedade que trabalhe para o 99% em vez de apenas 1%. Tentativas de classificar esse movimento descentralizado e de rápida evolução levaram à confusão e percepção equivocada. Neste volume, os editores de SIM! Revista reunir vozes de dentro e de fora dos protestos para transmitir as questões, possibilidades e personalidades associadas ao movimento Occupy Wall Street. Este livro apresenta contribuições de Naomi Klein, David Korten, Rebecca Solnit, Ralph Nader e outros, além de ativistas do Occupy que estavam lá desde o início.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.



enafarzh-CNzh-TWnltlfifrdehiiditjakomsnofaptruessvtrvi

siga InnerSelf on

facebook-icontwitter-iconrss-icon

Receba as últimas por e-mail

{Emailcloak = off}

DOS EDITORES

Boletim InnerSelf: outubro 18, 2020
by Funcionários Innerself
Atualmente, vivemos em mini-bolhas ... em nossas próprias casas, no trabalho e em público e, possivelmente, em nossa própria mente e com nossas próprias emoções. No entanto, vivendo em uma bolha, ou sentindo que estamos ...
Boletim InnerSelf: outubro 11, 2020
by Funcionários Innerself
A vida é uma viagem e, como a maioria das viagens, vem com seus altos e baixos. E assim como o dia sempre segue a noite, nossas experiências pessoais diárias vão da escuridão para a luz, e para frente e para trás. Contudo,…
Boletim InnerSelf: outubro 4, 2020
by Funcionários Innerself
Seja o que for que estejamos passando, tanto individual quanto coletivamente, devemos lembrar que não somos vítimas indefesas. Podemos reivindicar nosso poder de abrir nosso próprio caminho e curar nossas vidas, espiritualmente ...
Boletim informativo InnerSelf: Setembro 27, 2020
by Funcionários Innerself
Uma das grandes forças da raça humana é nossa capacidade de ser flexível, criativo e pensar inovador. Para ser outra pessoa que não éramos ontem ou anteontem. Nós podemos mudar...…
O que funciona para mim: "Para o bem mais elevado"
by Marie T. Russell, InnerSelf
O motivo pelo qual compartilho "o que funciona para mim" é que pode funcionar para você também. Se não for exatamente como eu faço, já que somos todos únicos, alguma variação de atitude ou método pode muito bem ser algo ...