Os cinemas estão ligados ao suporte vital - como a indústria cinematográfica se adaptará?

Os cinemas estão ligados ao suporte vital - como a indústria cinematográfica se adaptará? Um cinema em Brea, Califórnia, fechou as portas devido à pandemia do coronavírus. Foto AP / Jae C. Hong

Desde o início da pandemia, a indústria cinematográfica em queda livre.

Como as mortes continuaram a subir, então tem perdas de estúdio, com cinemas lotados - uma vez uma fonte de entretenimento coletivo e escapismo - agora vistos como placas de Petri para o vírus.

Franquias de blockbuster conhecidas, cujos estúdios de lançamentos de verão apostaram para equilibrar livros-razão sangrentos, foram proibidas de cinemas fechados. O 25º filme de James Bond, “Não há tempo para morrer, ”A 7ª“ Missão Impossível, ”Marvel Universe's“Viúva Negra, ""Mulher Maravilha 1984”E a última iteração do Homem-Aranha,“Longe de casa, ”Estão todos atrasados. Os bilhões de dólares investidos na produção e comercialização desses filmes são somas que podem fazer ou quebrar os estúdios.

Desesperado para sobreviver, AMC - a maior das três megacadeias de cinemas - e o estúdio de cinema Universal recentemente concordou em cortar o filme exclusivo tempo de lançamento teatral caiu de 90 para 17 dias antes que os filmes pudessem ser transmitidos. Grandes lançamentos de abertura há muito tempo são cruciais para cadeias de teatro e estúdios, então a AMC desistir de sua maior fonte de receita por uma pequena parte dos lucros da Universal pode ser vista como um sinal de desespero.

A indústria cinematográfica já enfrentou pandemias e ameaças de exibição em casa antes. Mas em cada caso, a maneira existente de fazer as coisas foi derrubada.

Durante a crise atual, parece que as mudanças na indústria que já acontecem há algum tempo estão se acelerando. Embora o cinema provavelmente sobreviva, os espectadores podem esperar uma mudança no que podem ver na tela grande.

A primeira vez que a 'proibição da gripe' derrubou a indústria

Antes da Primeira Guerra Mundial, a indústria cinematográfica americana era uma coleção frouxa de produtores e distribuidores de filmes independentes e aproximadamente 20,000 proprietários de cinemas. No outono de 1918, a indústria foi abalada pelo surgimento da gripe espanhola. À medida que onda após onda de mortes por gripe se espalhava por todo o país, entre 80% e 90% dos cinemas foram fechados por meses por decretos de saúde pública, descritos em todo o país como “proibição da gripe”.


 Receba as últimas notícias do InnerSelf


Uma edição de 1918 do Motion Picture News anuncia o levantamento da 'proibição da gripe'. Os teatros foram forçados a fechar e fechar por meses devido a decretos de saúde pública. O Arquivo da Internet

Cinemas que precisavam da venda de ingressos para recuperar as taxas de aluguel adiantadas lutavam para permanecer abertos usando estratégias que são estranhamente familiares ao nosso momento COVID-19. Os líderes do setor pressionaram os governos para que os deixassem reabrir. Proprietários de teatro denunciaram “histeria de gripe” e distribuíram máscaras de gaze aos clientes. Alguns espirraram ejetaram ou usaram assentos escalonados para públicos distantes socialmente. A indústria realizou campanhas nacionais de relações públicas promovendo higiene e prometendo limpeza de teatros e novos sistemas de ventilação para ajudar a acalmar o medo dos clientes de sentar ombro a ombro com alguém que poderia tossir. Mesmo depois que a “proibição da gripe” foi suspensa, demorou cerca de um ano e meio para o público inquieto se aventurar de volta.

Enquanto a pandemia devastava o país, a febre da consolidação consumia o setor. Os oportunistas aproveitaram-se das verdadeiras vítimas da proibição da gripe: os cinemas independentes. As grandes cadeias, armadas com capital, comprou seus concorrentes prejudicados, enquanto as maiores empresas de distribuição engoliram as menores.

Um cartoon do Exhibitor's Herald retrata Adolph Zukor assumindo o controle sobre proprietários independentes de teatros. Adolph Zukor e seus apoiadores de Wall Street procuraram monopolizar o acesso ao público. Internet Archive

Um novo sistema de estúdio de Hollywood dominado por dinheiro e lucros começou lentamente a tomar forma. Pioneiro Adolph Zukor usou o financiamento de Wall Street para assumir o controle da cambaleante empresa Famous Players-Lasky e a fundiu com a distribuição da Paramount, criando um estúdio que produzia filmes com eficiência semelhante à da Ford. Com seus lucros crescentes, ela continuou a transformar teatros independentes em expositores exclusivos da Paramount em todo o país para monopolizar o acesso ao público.

Outras empresas seguiram o exemplo. Cinemas Loews, fotos do Metro e distribuição Goldwyn consolidados na MGM. Jogadores da indústria desesperados para recuperar suas perdas pandêmicas trocaram sua independência para fazer parte da pós-pandemia de Hollywood, e oligopólio de empresas verticalmente integradas que apenas distribuíam e exibiam os filmes por elas produzidos.

O público, antes confortável em assistir a todos os tipos de curtas, rapidamente desenvolveu o gosto pelos filmes caros, de longa metragem e fórmulas do sistema de estúdio.

TV ameaça oligopólio

Na década de 1950, Hollywood enfrentou um segundo evento destrutivo do século 21: a televisão, uma nova tecnologia que podia transmitir conteúdo diretamente para os lares americanos.

Na televisão, a forma do filme mudou de longas-metragens padrão para um conteúdo serializado semelhante ao que as pessoas ouviam no rádio.

O sistema de estúdio sentiu a crise. Pessoas que antes iam ao cinema várias vezes por semana agora ficavam em casa para assistir TV. Em 1954, havia 233 estações comerciais e 26 milhões de residências com TVse lucros do estúdio diminuiu dramaticamente.

Mesmo assim, Hollywood foi capaz de se adaptar. A indústria respondeu à ameaça de exibição doméstica em telas pequenas crescendo. As relações de aspecto saltaram de 1.34: 1 para 1.85: 1 ou 2.25: 1 mais amplo, e eles adicionaram Technicolor e áudio direcional de alta fidelidade aos seus recursos sensacionais.

Épicos de grande orçamento como o “Quo Vadis, ”Musicais como o da 20th Century Fox“Annie Get Your Gun”E espetáculos de animação como“A Dama eo Vagabundo”Garantiu que os cinemas poderiam proporcionar uma experiência incomparável, uma que fez assistir à TV parecer insignificante em comparação.

No final, a exibição em casa e o lançamento nos cinemas conseguiram coexistir.

O pior dos tempos, o melhor dos tempos

Em muitos aspectos, a atual pandemia tem sido a história de duas indústrias cinematográficas. Com os cinemas fechados, os serviços de streaming estão lucrando.

Netflix, que vem colocando a base para um mundo direto para streaming desde 2015, adicionou um impressionantes 10.1 milhões de assinantes desde março.

Alarmados com os bilhões de dólares presos no purgatório pandêmico, alguns estúdios começaram a mudar de rumo. O novo filme submarino de Tom Hank, “Greyhound, ”Direcionou seu orçamento de US $ 50 milhões diretamente para o Apple TV +. A Apple informou aos mercados financeiros que a abertura do filme, em termos do número de pessoas que assistiram, rivalizou os melhores fins de semana de abertura. Trinta por cento desses espectadores eram novos assinantes.

Visto por esse prisma, o negócio AMC e Universal mostra o antigo modelo de distribuição, já abalado pelos serviços de streaming, entrando rapidamente na água.

No entanto, em vez de ser extinto, o modelo de teatro provavelmente continuará a evoluir. Há simplesmente muito potencial para retorno do investimento em sucessos de bilheteria passados, presentes e futuros, e os estúdios veem o relação risco-recompensa do lançamento nos cinemas como uma forma de atrair acionistas e mantê-los felizes. O público ainda vai ficar emocionado com os grandes óculos controlados por CGI com som surround estrondoso. Eles têm gosto por isso.

Ao mesmo tempo, os grandes estúdios provavelmente continuarão a usar sua vantagem econômica para impulsionar o streaming, na tentativa de maximizar seu potencial de lucro e controlar os dois modos de distribuição.

Também é possível que - com os ventos de sentimento antitruste começando a explodir - a indústria retornará a um modelo de distribuição teatral mais parecido com a era pré-gripe espanhola, quando cinemas independentes poderiam fazer acordos com diferentes distribuidores para mostrar mais do que apenas blockbusters, e usar essa flexibilidade para cultivar novos públicos de nicho.

Se as lições da década de 1920 pós-pandêmica se mostrarem proféticas, poderíamos estar nos preparando para uma década agitada, em que uma rica diversidade de filmes - em forma, estilo e conteúdo - surge para se ajustar a diferentes modos de distribuição. Pense em novos formatos de série, ou mesmo em mini “universos de personagem”Aquele rival da Marvel está na telinha.

Visto desta forma, a década de 2020 pode ser um período glorioso de experimentação e inovação.A Conversação

Sobre o autor

Matthew Jordan, Professor Associado de Estudos de Mídia, Universidade Estadual da Pensilvânia

Este artigo foi republicado a partir de A Conversação sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.

Livros recomendados:

Capital do Século XXI
por Thomas Piketty. (Traduzido por Arthur Goldhammer)

Capital na capa dura do século XXI por Thomas Piketty.In Capital no século XXI, Thomas Piketty analisa uma coleção única de dados de vinte países, desde o século XVIII, para descobrir os principais padrões econômicos e sociais. Mas as tendências econômicas não são atos de Deus. A ação política acabou com as desigualdades perigosas no passado, diz Thomas Piketty, e pode fazê-lo novamente. Uma obra de extraordinária ambição, originalidade e rigor, Capital do Século XXI reorienta nossa compreensão da história econômica e nos confronta com lições moderadoras para hoje. Suas descobertas vão transformar o debate e definir a agenda para a próxima geração de pensamento sobre riqueza e desigualdade.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.


A fortuna da natureza: como os negócios e a sociedade prosperam investindo na natureza
por Mark R. Tercek e Jonathan S. Adams.

A fortuna da natureza: como os negócios e a sociedade prosperam investindo na natureza por Mark R. Tercek e Jonathan S. Adams.Qual é a natureza vale a pena? A resposta a esta pergunta-que tradicionalmente tem sido enquadrado em termos ambientais, está revolucionando a maneira como fazemos negócios. Dentro Fortune da naturezaMark Tercek, CEO da The Nature Conservancy e ex-banqueiro de investimentos, e o escritor de ciência Jonathan Adams argumentam que a natureza não é apenas a base do bem-estar humano, mas também o investimento comercial mais inteligente que qualquer empresa ou governo pode fazer. As florestas, várzeas e os recifes de ostras, muitas vezes vistos simplesmente como matéria-prima ou como obstáculos a serem eliminados em nome do progresso, são de fato tão importantes para nossa prosperidade futura quanto a tecnologia ou a lei ou a inovação empresarial. Fortune da natureza oferece um guia essencial para o bem-estar econômico e ambiental do mundo.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.


Além Outrage: O que deu errado com a nossa economia e nossa democracia, e como corrigi-lo -- por Robert B. Reich

Além OutrageNeste livro oportuno, Robert B. Reich argumenta que nada de bom acontece em Washington, a menos que os cidadãos são energizados e organizados para fazer atos certeza de Washington no bem público. O primeiro passo é ver a imagem grande. Além Outrage liga os pontos, mostrando porque a participação crescente de renda e de riqueza indo para o topo tem prejudicado o crescimento eo emprego para todos, minando a nossa democracia; causado americanos a tornar-se cada vez mais cínico sobre a vida pública, e muitos americanos virou um contra o outro. Ele também explica por que as propostas do "direito regressivo" está absolutamente errado e fornece um roteiro claro do que deve ser feito. Aqui está um plano de ação para todos os que se preocupa com o futuro da América.

Clique aqui para mais informações ou para encomendar este livro na Amazon.


Isso muda tudo: ocupe Wall Street e o movimento 99%
por Sarah van Gelder e funcionários do SIM! Revista.

Isso muda tudo: Ocupe Wall Street e o Movimento 99% de Sarah van Gelder e equipe do YES! Revista.Isso muda tudo mostra como o movimento Occupy está mudando a maneira como as pessoas veem a si mesmas e ao mundo, o tipo de sociedade que acreditam ser possível e seu próprio envolvimento na criação de uma sociedade que trabalhe para o 99% em vez de apenas 1%. Tentativas de classificar esse movimento descentralizado e de rápida evolução levaram à confusão e percepção equivocada. Neste volume, os editores de SIM! Revista reunir vozes de dentro e de fora dos protestos para transmitir as questões, possibilidades e personalidades associadas ao movimento Occupy Wall Street. Este livro apresenta contribuições de Naomi Klein, David Korten, Rebecca Solnit, Ralph Nader e outros, além de ativistas do Occupy que estavam lá desde o início.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.



Eu consigo com uma pequena ajuda dos meus amigos
enafarzh-CNzh-TWnltlfifrdehiiditjakomsnofaptruessvtrvi

siga InnerSelf on

facebook-icontwitter-iconrss-icon

 Receba as últimas por e-mail

{Emailcloak = off}

DOS EDITORES

Por que devo ignorar o COVID-19 e por que não vou
by Robert Jennings, InnerSelf.com
Minha esposa Marie e eu somos um casal misto. Ela é canadense e eu sou americano. Nos últimos 15 anos, passamos nossos invernos na Flórida e nossos verões na Nova Escócia.
Boletim InnerSelf: novembro 15, 2020
by Funcionários Innerself
Nesta semana, refletimos sobre a questão: "para onde vamos a partir daqui?" Assim como com qualquer rito de passagem, seja formatura, casamento, nascimento de um filho, uma eleição fundamental ou a perda (ou descoberta) de um ...
América: atrelando nosso vagão ao mundo e às estrelas
by Marie T Russell e Robert Jennings, InnerSelf.com
Bem, a eleição presidencial dos Estados Unidos já passou e é hora de fazer um balanço. Devemos encontrar um terreno comum entre jovens e velhos, democratas e republicanos, liberais e conservadores para realmente fazer ...
Boletim InnerSelf: outubro 25, 2020
by Funcionários Innerself
O "slogan" ou subtítulo do site InnerSelf é "Novas Atitudes --- Novas Possibilidades", e é exatamente esse o tema da newsletter desta semana. O objetivo de nossos artigos e autores é ...
Boletim InnerSelf: outubro 18, 2020
by Funcionários Innerself
Atualmente, vivemos em mini-bolhas ... em nossas próprias casas, no trabalho e em público e, possivelmente, em nossa própria mente e com nossas próprias emoções. No entanto, vivendo em uma bolha, ou sentindo que estamos ...