O que fazer sobre o coronavírus que leva as pessoas à pobreza

O que fazer sobre o coronavírus que leva as pessoas à pobreza
Imagem por Andrew Khoroshavin 

Em propagação rápida de COVID-19 nos países em desenvolvimento levou a uma perda devastadora de vidas e meios de subsistência. A pandemia está tendo ambos efeitos econômicos e consequências duradouras sobre desenvolvimento. Isso ocorre porque as economias em desenvolvimento são menos capazes de lidar com choques do que as avançadas.

AROUND 80% de trabalhadores nos países em desenvolvimento, estão engajados em tarefas que dificilmente serão realizadas em casa, o que significa que os bloqueios os impedem de trabalhar. E 70% de trabalhadores ganham a vida em mercados informais, sendo que a maioria não está coberta por nenhuma forma de proteção social. As medidas de contenção da COVID-19 estão deixando um grande número de pessoas sem renda.

A pobreza global caiu nas últimas três décadas, mas muitos dos que foram retirados dela permaneceram vulneráveis. Eles se situam um pouco acima da linha da pobreza, mas não são elegíveis para a assistência em dinheiro existente contra a pobreza. Em um artigo anterior, meus coautores e eu argumentamos que isso poderia levar a um aumento da pobreza global pela primeira vez desde a década de 1990, com dezenas de milhões caindo abaixo da linha de pobreza. Tal situação, acredito, exige uma ação drástica.

Medidas extraordinárias

Num recente documento de trabalho para o Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas, meu co-autor George Gray Molina e eu argumentamos que a assistência de emergência incondicional - o que chamamos de renda básica temporária (TBI) - é uma forma urgente, justa e viável de impedir que as pessoas caiam na pobreza ou mais empobrecimento, como resultado da pandemia.

Olhando para os dados pré-crise que cobrem 97% da população do mundo em desenvolvimento, estimamos qual seria o custo de fornecer TBI para todas as pessoas atualmente abaixo da linha de pobreza ou vulneráveis ​​a cair nela. Isso equivale a 2.78 bilhões de pessoas nos 132 países em desenvolvimento do mundo.

Investigamos três maneiras de entregar TBI:

  1. Aumentos nas rendas existentes entre as pessoas pobres e quase pobres, até um nível mínimo que seja pelo menos 70% acima da linha de pobreza naquela região do mundo.
  2. Transferências de montante fixo equivalente a metade da renda de um cidadão típico.
  3. Transferências de montante fixo que são uniformes, independentemente do país onde as pessoas vivem. Sob esse sistema, o valor que simulamos foi de US $ 5.50 (£ 4.30) por dia por pessoa, que é o nível típico da linha de pobreza entre os países de renda média alta.

A melhor opção dependerá da situação. Por exemplo, o primeiro só funcionará em países onde os sistemas de registro têm informações precisas sobre o quanto as pessoas ganham. Em países onde esses sistemas são inexistentes ou fracos, montantes fixos de acordo com os padrões gerais de vida (como na opção dois) ou linhas de pobreza (opção três) podem ser melhores.


 Receba as últimas notícias do InnerSelf


O custo total varia entre US $ 200 bilhões e US $ 465 bilhões por mês, dependendo da escolha da política. Isso equivale a 0.27% a 0.63% do PIB mensal combinado dos países em desenvolvimento.

É um custo relativamente moderado para cobrir um choque tão profundo e proteger as pessoas da pobreza. E fornecer TBI pode ter outros efeitos positivos também: transferências de dinheiro incondicionais podem levar as pessoas a gastar mais dinheiro com a dieta deles e pode potencialmente melhorar resultados de saúde e freqüência escolar. Eles também podem proteger os bens das pessoas e permitir que elas diversificar seus meios de subsistência.

Será que realmente veremos isso acontecer?

TBI não é uma ideia radical. Formas de renda básica estão sendo lançadas sob diferentes nomes e com diferentes níveis de financiamento em todo o mundo. Tuvalu tem uma renda básica universal temporária de pleno direito, e Espanha apresentou um esquema de renda mínima para famílias de baixa renda em resposta à pandemia.

Mas nosso esquema proposto seria muito maior - e teria como objetivo alcançar o maior número possível de pessoas excluídas nos próximos seis a 12 meses. Existem pelo menos três obstáculos para isso.

O primeiro é administrativo. Alcançar pessoas qualificadas que atualmente estão invisíveis para os registros oficiais e sistemas de pagamento exigirá algum trabalho - elas precisarão ser registradas digitalmente antes de receberem qualquer assistência. Algumas pessoas estão fora do alcance tradicional do estado porque não têm documentação formal ou vivem em assentamentos informais, que são mais comuns em países em desenvolvimento.

Nestes casos, soluções alternativas - como parceria com redes sociais locais que tenham maior proximidade com pessoas pobres e vulneráveis ​​- podem ser necessários para encontrar todos elegíveis. O custo de adicionar cada nova pessoa não é insignificante, mas empalidece em comparação com os benefícios diretos e indiretos de fornecer essas pessoas com TCE.

O segundo obstáculo é óbvio: financiamento. Dada a natureza temporária do desafio, financiar o TBI por meio de tributação adicional pode ser politicamente difícil. Em vez disso, vale a pena explorar outras maneiras de cobrir os custos.

Por exemplo, os fundos podem ser levantados através da reaproveitamento de gastos não essenciais, incluindo gastos desnecessários e subsídios de energia (que geralmente tende a beneficiar os que estão em melhor situação) Como alternativa, o reembolso da dívida pode ser interrompido por um período. Espera-se que os países em desenvolvimento façam pagamentos de dívidas de US $ 3.1 trilhões este ano. Um congelamento de reembolso abrangente por 12 meses, se possível, financiaria 16 meses de TBI na opção complementar, 12 meses na opção dois e até seis meses na opção três. Além disso, como as transferências de dinheiro de emergência são frequentemente direcionadas para consumo essencial imediato, parte do dinheiro será recuperado por impostos indiretos, como IVA e impostos sobre vendas, proporcionando assim um grau de auto financiamento.

O terceiro obstáculo é a confiança. Os governos precisarão ser confiáveis ​​para não redirecionar tudo o que levantem para outros fins, nem para permitir que medidas temporárias durem mais do que o acordado. Eles precisarão de amplo apoio (possivelmente de várias partes) para lançar esses esquemas e precisarão se certificar de que aqueles que não se beneficiam deles ainda veja os esquemas como confiáveis. Todos esses são desafios políticos que precisam ser enfrentados país por país.

Os esquemas de TBI não devem reverter as desacelerações econômicas em todo o país, nem substituir os sistemas abrangentes de proteção social. Eles podem, no entanto, mitigar os piores efeitos imediatos de uma crise que foi ampliada por profundas desigualdades e injustiças estruturais que não foram resolvidas de forma decisiva no passado.A Conversação

Sobre o autor

Eduardo Ortiz-Juarez, Doutorando em Estudos de Desenvolvimento, Faculdade Londres do rei

Este artigo foi republicado a partir de A Conversação sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.

Livros recomendados:

Capital do Século XXI
por Thomas Piketty. (Traduzido por Arthur Goldhammer)

Capital na capa dura do século XXI por Thomas Piketty.In Capital no século XXI, Thomas Piketty analisa uma coleção única de dados de vinte países, desde o século XVIII, para descobrir os principais padrões econômicos e sociais. Mas as tendências econômicas não são atos de Deus. A ação política acabou com as desigualdades perigosas no passado, diz Thomas Piketty, e pode fazê-lo novamente. Uma obra de extraordinária ambição, originalidade e rigor, Capital do Século XXI reorienta nossa compreensão da história econômica e nos confronta com lições moderadoras para hoje. Suas descobertas vão transformar o debate e definir a agenda para a próxima geração de pensamento sobre riqueza e desigualdade.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.


A fortuna da natureza: como os negócios e a sociedade prosperam investindo na natureza
por Mark R. Tercek e Jonathan S. Adams.

A fortuna da natureza: como os negócios e a sociedade prosperam investindo na natureza por Mark R. Tercek e Jonathan S. Adams.Qual é a natureza vale a pena? A resposta a esta pergunta-que tradicionalmente tem sido enquadrado em termos ambientais, está revolucionando a maneira como fazemos negócios. Dentro Fortune da naturezaMark Tercek, CEO da The Nature Conservancy e ex-banqueiro de investimentos, e o escritor de ciência Jonathan Adams argumentam que a natureza não é apenas a base do bem-estar humano, mas também o investimento comercial mais inteligente que qualquer empresa ou governo pode fazer. As florestas, várzeas e os recifes de ostras, muitas vezes vistos simplesmente como matéria-prima ou como obstáculos a serem eliminados em nome do progresso, são de fato tão importantes para nossa prosperidade futura quanto a tecnologia ou a lei ou a inovação empresarial. Fortune da natureza oferece um guia essencial para o bem-estar econômico e ambiental do mundo.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.


Além Outrage: O que deu errado com a nossa economia e nossa democracia, e como corrigi-lo -- por Robert B. Reich

Além OutrageNeste livro oportuno, Robert B. Reich argumenta que nada de bom acontece em Washington, a menos que os cidadãos são energizados e organizados para fazer atos certeza de Washington no bem público. O primeiro passo é ver a imagem grande. Além Outrage liga os pontos, mostrando porque a participação crescente de renda e de riqueza indo para o topo tem prejudicado o crescimento eo emprego para todos, minando a nossa democracia; causado americanos a tornar-se cada vez mais cínico sobre a vida pública, e muitos americanos virou um contra o outro. Ele também explica por que as propostas do "direito regressivo" está absolutamente errado e fornece um roteiro claro do que deve ser feito. Aqui está um plano de ação para todos os que se preocupa com o futuro da América.

Clique aqui para mais informações ou para encomendar este livro na Amazon.


Isso muda tudo: ocupe Wall Street e o movimento 99%
por Sarah van Gelder e funcionários do SIM! Revista.

Isso muda tudo: Ocupe Wall Street e o Movimento 99% de Sarah van Gelder e equipe do YES! Revista.Isso muda tudo mostra como o movimento Occupy está mudando a maneira como as pessoas veem a si mesmas e ao mundo, o tipo de sociedade que acreditam ser possível e seu próprio envolvimento na criação de uma sociedade que trabalhe para o 99% em vez de apenas 1%. Tentativas de classificar esse movimento descentralizado e de rápida evolução levaram à confusão e percepção equivocada. Neste volume, os editores de SIM! Revista reunir vozes de dentro e de fora dos protestos para transmitir as questões, possibilidades e personalidades associadas ao movimento Occupy Wall Street. Este livro apresenta contribuições de Naomi Klein, David Korten, Rebecca Solnit, Ralph Nader e outros, além de ativistas do Occupy que estavam lá desde o início.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.



enafarzh-CNzh-TWnltlfifrdehiiditjakomsnofaptruessvtrvi

siga InnerSelf on

facebook-icontwitter-iconrss-icon

 Receba as últimas por e-mail

{Emailcloak = off}

Apoie um bom trabalho!

DOS EDITORES

Por que devo ignorar o COVID-19 e por que não vou
by Robert Jennings, InnerSelf.com
Minha esposa Marie e eu somos um casal misto. Ela é canadense e eu sou americano. Nos últimos 15 anos, passamos nossos invernos na Flórida e nossos verões na Nova Escócia.
Boletim InnerSelf: novembro 15, 2020
by Funcionários Innerself
Nesta semana, refletimos sobre a questão: "para onde vamos a partir daqui?" Assim como com qualquer rito de passagem, seja formatura, casamento, nascimento de um filho, uma eleição fundamental ou a perda (ou descoberta) de um ...
América: atrelando nosso vagão ao mundo e às estrelas
by Marie T Russell e Robert Jennings, InnerSelf.com
Bem, a eleição presidencial dos Estados Unidos já passou e é hora de fazer um balanço. Devemos encontrar um terreno comum entre jovens e velhos, democratas e republicanos, liberais e conservadores para realmente fazer ...
Boletim InnerSelf: outubro 25, 2020
by Funcionários Innerself
O "slogan" ou subtítulo do site InnerSelf é "Novas Atitudes --- Novas Possibilidades", e é exatamente esse o tema da newsletter desta semana. O objetivo de nossos artigos e autores é ...
Boletim InnerSelf: outubro 18, 2020
by Funcionários Innerself
Atualmente, vivemos em mini-bolhas ... em nossas próprias casas, no trabalho e em público e, possivelmente, em nossa própria mente e com nossas próprias emoções. No entanto, vivendo em uma bolha, ou sentindo que estamos ...