5 maneiras de reiniciar a economia alimentar global para torná-la mais saudável para todos

5 maneiras de reiniciar a economia alimentar global para torná-la mais saudável para todos Shutterstock.com

COVID-19 mostrou quão prejudicial à saúde pode ser para a economia. Mas também mostrou como as medidas que beneficiam a saúde (bloqueios) podem ser vistas como uma prosperidade econômica ruim. Um paradoxo semelhante está no cerne da promoção de melhores dietas.

Uma dieta pobre é a principal causa de problemas de saúde no mundo. A desnutrição - da desnutrição à obesidade - afeta pelo menos um terço da população global. É uma questão de desigualdade também: desafios relacionados à dieta afetam desproporcionalmente as pessoas mais pobres, tornando o desafio econômico ainda maior.

A má nutrição também custa caro às empresas. UMA relatório recente pelo instituto de pesquisa Chatham House estima que as empresas em todo o mundo perdem até US $ 38 bilhões (£ 29 bilhões) por ano com desnutrição e obesidade entre sua força de trabalho. No entanto, quando os governos tentam tirar os alimentos não saudáveis ​​dos holofotes e colocar alimentos mais nutritivos no centro do palco, eles normalmente se chocam com os argumentos econômicos de que qualquer regulamentação prejudicará os negócios.

COVID-19 mostrou que é hora de mudar. Obesidade, diabetes e outras condições crônicas associadas a dietas não saudáveis ​​aumentam o risco de complicações do vírus (um ponto que não perdeu para o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, que teve sua própria batalha contra o vírus).

Também há previsões de que a pandemia levará a um crise de desnutrição. À medida que as discussões sobre como renovar a economia global - e repensar o sistema econômico - estão esquentando, os alimentos devem fazer parte do nosso pensamento.

Esse plano de cinco pontos poderia fazer o trabalho de redefinir a economia alimentar no curto prazo, permitindo que ela prosperasse e se nutrisse a longo prazo.

1. Financiamento para alimentação saudável

Alimentos mais saudáveis ​​custam mais. É necessário investimento em toda a cadeia de valor alimentar para tornar uma dieta saudável mais acessível para os 3 bilhões de pessoas em todo o mundo que não pode pagar um.


 Receba as últimas notícias do InnerSelf


Os gastos públicos na agricultura - como subsídios para fertilizantes, pagamentos diretos aos agricultores e programas de melhoramento genético, bem como políticas para atrair investimentos do setor privado - tendem a favorecer culturas como milho, óleo de palma, arroz e soja.

Essas safras dominam o indústria de alimentos não saudáveis e deixar filhos em países de baixa renda desnutrido. Esse investimento poderia ser realocado para diversificar e construir cadeias de abastecimento de alimentos mais nutritivos como frutas, vegetais, feijão e grãos inteiros.

O trator pulveriza pesticidas no campo de soja. Os alicerces da maioria dos junk food são fortemente subsidiados. Shutterstock

Também é necessário investir nas cadeias de abastecimento de alimentos locais, conectando produtores menores e mais sustentáveis ​​de alimentos nutritivos aos consumidores que mais precisam deles. As iniciativas de comércio eletrônico estão crescendo na esteira do COVID-19 em muitos países de baixa renda e podem ser aproveitadas.

Centros alimentares que trazem alimentos dos produtores aos clientes comerciais ou diretos aos consumidores também estão crescendo. Isso apoiaria as economias alimentares locais em países ricos e pobres.

O financiamento inovador é uma parte vital do quadro. Por exemplo, a Global Alliance for Improved Nutrition, uma organização que trabalha para melhorar o consumo de alimentos nutritivos, tem um programa que incentiva o investimento em empresas de alimentos nutritivos em países de baixa e média renda. São pequenas e médias empresas que desempenham um papel importante na criação de empregos e no dinamismo das economias regionais.

Em Londres, o Good Food Fund é um novo acelerador de negócios e fundo de risco de £ 1.8 milhões projetado para apoiar PMEs e start-ups a produzir lanches mais saudáveis ​​para crianças.

2. Faça junk food menos atraente

É relativamente fácil ganhar dinheiro vendendo lanches baratos para crianças e adultos. As empresas competem entre si para atrair consumidores em todos os lugares, de Dakar a Dublin. UMA pequena quantidade de regulamentação incentivaria uma competição saudável, em vez de prejudicial.

O fato de que durante o confinamento algumas grandes corporações disputam maior participação de mercado em seus biscoitos, pizzas e hambúrgueres mostra que, enquanto as empresas tiverem o incentivo para promover produtos não saudáveis, continuarão a fazê-lo.

No Chile, por exemplo, o governo introduziu regulamentações abrangentes e rigorosas, forçando os fabricantes de alimentos a rotular e comercializar claramente seus produtos com o grau de saúde (ou não) da saúde. Isso permitiu que os inovadores competissem com a indústria de junk food e atraíssem os que se preocupavam com a saúde. Da mesma forma, os impostos sobre bebidas açucaradas em muitos países incentivaram a indústria a produzir produtos mais saudáveis.

3. Lucro com propósito

Outra maneira de fazer com que as empresas de alimentos vendam produtos mais saudáveis ​​é por meio de mecanismos de governança corporativa. Em vez de se concentrar nos lucros dos acionistas, as empresas de alimentos poderiam estabelecer a saúde relacionada à dieta como um objetivo central.

Aqui, há amplo espaço para se juntar às crescentes fileiras de “Corporações B”. São negócios que enfatizam o “desempenho social e ambiental” ao lado do valor para o acionista. Isso poderia facilmente incluir a saúde como uma métrica para empresas de alimentos.

4. Redefinindo o sucesso

É necessário um novo pacote de métricas saudáveis ​​para definir como é o sucesso das empresas de alimentos, grandes e pequenas. o Índice de Acesso ao Nutrição, por exemplo, pontua empresas globais de alimentos sobre como estão lidando com a obesidade e as doenças relacionadas à dieta. No Reino Unido, o Fundação Food propôs métricas para os investidores avaliarem como as empresas estão gerenciando os riscos e oportunidades na transição para alimentos mais saudáveis.

5. Setor público liderando o caminho

Muitas cidades em todo o mundo já possuem padrões de compras públicas que garantem que milhões de refeições servidas diariamente em escolas, creches, hospitais e prisões sejam saudáveis, ao mesmo tempo que fornecem mercados estáveis ​​para apoiar partes vulneráveis ​​da economia.

Nos programas de “alimentação escolar própria” e “da fazenda para a escola”, por exemplo, os orçamentos públicos são usados ​​para comprar alimentos saudáveis ​​de pequenos agricultores familiares, garantindo ao mesmo tempo que as crianças estejam bem alimentadas. Provas de Nepal e o United States mostra que, se bem elaborados, esses programas funcionam.

A implementação deste plano de cinco pontos terá seus desafios. Mas cada elemento já foi experimentado e testado. Tudo é factível. A tarefa agora é implementá-los como um pacote para garantir que os diferentes elementos estejam no lugar para redirecionar a economia alimentar - e de fato reformar a economia global - para uma alimentação melhor e mais saudável.

O coronavírus destacou que o público está ansioso para ver uma liderança corajosa. Agora é a hora de acelerar e garantir que tenhamos uma economia que seja nutritiva e florescente.A Conversação

Sobre o autor

Corinna Hawkes, professora de política alimentar, Cidade, Universidade de Londres

Este artigo foi republicado a partir de A Conversação sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.

Livros recomendados:

Capital do Século XXI
por Thomas Piketty. (Traduzido por Arthur Goldhammer)

Capital na capa dura do século XXI por Thomas Piketty.In Capital no século XXI, Thomas Piketty analisa uma coleção única de dados de vinte países, desde o século XVIII, para descobrir os principais padrões econômicos e sociais. Mas as tendências econômicas não são atos de Deus. A ação política acabou com as desigualdades perigosas no passado, diz Thomas Piketty, e pode fazê-lo novamente. Uma obra de extraordinária ambição, originalidade e rigor, Capital do Século XXI reorienta nossa compreensão da história econômica e nos confronta com lições moderadoras para hoje. Suas descobertas vão transformar o debate e definir a agenda para a próxima geração de pensamento sobre riqueza e desigualdade.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.


A fortuna da natureza: como os negócios e a sociedade prosperam investindo na natureza
por Mark R. Tercek e Jonathan S. Adams.

A fortuna da natureza: como os negócios e a sociedade prosperam investindo na natureza por Mark R. Tercek e Jonathan S. Adams.Qual é a natureza vale a pena? A resposta a esta pergunta-que tradicionalmente tem sido enquadrado em termos ambientais, está revolucionando a maneira como fazemos negócios. Dentro Fortune da naturezaMark Tercek, CEO da The Nature Conservancy e ex-banqueiro de investimentos, e o escritor de ciência Jonathan Adams argumentam que a natureza não é apenas a base do bem-estar humano, mas também o investimento comercial mais inteligente que qualquer empresa ou governo pode fazer. As florestas, várzeas e os recifes de ostras, muitas vezes vistos simplesmente como matéria-prima ou como obstáculos a serem eliminados em nome do progresso, são de fato tão importantes para nossa prosperidade futura quanto a tecnologia ou a lei ou a inovação empresarial. Fortune da natureza oferece um guia essencial para o bem-estar econômico e ambiental do mundo.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.


Além Outrage: O que deu errado com a nossa economia e nossa democracia, e como corrigi-lo -- por Robert B. Reich

Além OutrageNeste livro oportuno, Robert B. Reich argumenta que nada de bom acontece em Washington, a menos que os cidadãos são energizados e organizados para fazer atos certeza de Washington no bem público. O primeiro passo é ver a imagem grande. Além Outrage liga os pontos, mostrando porque a participação crescente de renda e de riqueza indo para o topo tem prejudicado o crescimento eo emprego para todos, minando a nossa democracia; causado americanos a tornar-se cada vez mais cínico sobre a vida pública, e muitos americanos virou um contra o outro. Ele também explica por que as propostas do "direito regressivo" está absolutamente errado e fornece um roteiro claro do que deve ser feito. Aqui está um plano de ação para todos os que se preocupa com o futuro da América.

Clique aqui para mais informações ou para encomendar este livro na Amazon.


Isso muda tudo: ocupe Wall Street e o movimento 99%
por Sarah van Gelder e funcionários do SIM! Revista.

Isso muda tudo: Ocupe Wall Street e o Movimento 99% de Sarah van Gelder e equipe do YES! Revista.Isso muda tudo mostra como o movimento Occupy está mudando a maneira como as pessoas veem a si mesmas e ao mundo, o tipo de sociedade que acreditam ser possível e seu próprio envolvimento na criação de uma sociedade que trabalhe para o 99% em vez de apenas 1%. Tentativas de classificar esse movimento descentralizado e de rápida evolução levaram à confusão e percepção equivocada. Neste volume, os editores de SIM! Revista reunir vozes de dentro e de fora dos protestos para transmitir as questões, possibilidades e personalidades associadas ao movimento Occupy Wall Street. Este livro apresenta contribuições de Naomi Klein, David Korten, Rebecca Solnit, Ralph Nader e outros, além de ativistas do Occupy que estavam lá desde o início.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.



enafarzh-CNzh-TWnltlfifrdehiiditjakomsnofaptruessvtrvi

siga InnerSelf on

facebook-icontwitter-iconrss-icon

 Receba as últimas por e-mail

{Emailcloak = off}

Eu consigo com uma pequena ajuda dos meus amigos

DOS EDITORES

Por que devo ignorar o COVID-19 e por que não vou
by Robert Jennings, InnerSelf.com
Minha esposa Marie e eu somos um casal misto. Ela é canadense e eu sou americano. Nos últimos 15 anos, passamos nossos invernos na Flórida e nossos verões na Nova Escócia.
Boletim InnerSelf: novembro 15, 2020
by Funcionários Innerself
Nesta semana, refletimos sobre a questão: "para onde vamos a partir daqui?" Assim como com qualquer rito de passagem, seja formatura, casamento, nascimento de um filho, uma eleição fundamental ou a perda (ou descoberta) de um ...
América: atrelando nosso vagão ao mundo e às estrelas
by Marie T Russell e Robert Jennings, InnerSelf.com
Bem, a eleição presidencial dos Estados Unidos já passou e é hora de fazer um balanço. Devemos encontrar um terreno comum entre jovens e velhos, democratas e republicanos, liberais e conservadores para realmente fazer ...
Boletim InnerSelf: outubro 25, 2020
by Funcionários Innerself
O "slogan" ou subtítulo do site InnerSelf é "Novas Atitudes --- Novas Possibilidades", e é exatamente esse o tema da newsletter desta semana. O objetivo de nossos artigos e autores é ...
Boletim InnerSelf: outubro 18, 2020
by Funcionários Innerself
Atualmente, vivemos em mini-bolhas ... em nossas próprias casas, no trabalho e em público e, possivelmente, em nossa própria mente e com nossas próprias emoções. No entanto, vivendo em uma bolha, ou sentindo que estamos ...