Por que você pode realmente aproveitar a vida em uma economia de degradação

Por que você pode realmente aproveitar a vida em uma economia de degradação

Hora de sair do trem do crescimento econômico? Sergey Nivens / Shutterstock

Como é o verdadeiro progresso econômico? A resposta ortodoxa é que uma economia maior é sempre melhor, mas essa ideia é cada vez mais pressionada pelo conhecimento de que, em um planeta finito, a economia não pode crescer para sempre.

Esta semana, Viciado em Crescimento A conferência em Sydney está explorando como ir além da economia do crescimento e em direção a uma economia de "estado estacionário".

Mas o que é uma economia de estado estacionário? Por que é desejável ou necessário? E como seria viver?

A situação global

Costumávamos viver em um planeta que era relativamente vazio de humanos; hoje está cheio demais, com mais pessoas consumindo mais recursos. Nós precisaríamos uma terra e meia para sustentar a economia existente no futuro. Todos os anos essa superação ecológica continua, os fundamentos de nossa existência e de outras espécies são minados.

Ao mesmo tempo, existem grandes multidões em todo o mundo que, por qualquer padrão humano, estão subconsumindo, e o desafio humanitário de eliminar a pobreza global provavelmente aumentará ainda mais a carga sobre os ecossistemas.

Enquanto isso, a população deve atingir 11 bilhões Este século. Apesar disso, as nações mais ricas ainda buscam crescer suas economias sem limite aparente.


Receba as últimas notícias do InnerSelf


Como uma cobra comendo o próprio rabo, nossa civilização orientada para o crescimento sofre com a ilusão de que não há meio ambiente limites para o crescimento. Mas repensar o crescimento em uma era de limites não pode ser evitado. A única questão é se será por design ou desastre.

Crescimento para uma economia estável

A idéia da economia de estado estacionário nos apresenta uma alternativa. Este termo é um pouco enganador, no entanto, porque sugere que simplesmente precisamos manter o tamanho da economia existente e parar de buscar mais crescimento.

Mas, dada a extensão da superação ecológica - e tendo em mente que as nações mais pobres ainda precisam de espaço para desenvolver suas economias e permitir que os bilhões mais pobres alcancem um nível digno de existência - a transição exigirá que as nações mais ricas reduzam radicalmente seus recursos e demandas de energia.

Essa percepção deu origem a apelos à economiadecrescimento”. Para se diferenciar da recessão, o decrescimento significa uma fase de contração econômica planejada e equitativa nas nações mais ricas, chegando finalmente a um estado estável que opera dentro dos limites biofísicos da Terra.

Por que você pode realmente aproveitar a vida em uma economia de degradação Em um mundo de 7.2 bilhões e contando, precisamos pensar muito sobre nossa participação justa. Karpov Oleg / Shutterstock

Nesse ponto, os economistas tradicionais acusarão os defensores do decrescimento de entender mal o potencial da tecnologia, dos mercados e dos ganhos de eficiência para "dissociar" o crescimento econômico do impacto ambiental. Mas não há mal-entendidos aqui. Todo mundo sabe que poderíamos produzir e consumir com mais eficiência do que fazemos hoje. O problema é que a eficiência sem suficiência é perdida.

Apesar de décadas de extraordinário avanço tecnológico e enormes melhorias de eficiência, as demandas de energia e recursos da economia global são ainda aumentando. Isso ocorre porque em uma economia orientada para o crescimento, os ganhos de eficiência tendem a ser reinvestidos em mais consumo e mais crescimento, em vez de reduzir o impacto.

Essa é a falha crítica e definitiva na economia do crescimento: a falsa suposição de que todas as economias do mundo podem continuar crescendo enquanto reduzem radicalmente o impacto ambiental para um nível sustentável. A extensão da dissociação necessária é simplesmente muito grande. Quando tentamos, sem sucesso, "capitalizar" o capitalismo, vemos o rosto de Gaia desaparecendo.

Os próprios estilos de vida que antes eram considerados a definição de sucesso estão agora provando ser o nosso maior fracasso. Tentar universalizar a riqueza seria catastrófico. Não há absolutamente nenhuma maneira de que os 7.2 bilhões de pessoas atuais possam viver o modo de vida ocidental, muito menos os 11 bilhões esperados no futuro. O progresso genuíno agora está além do crescimento. Mexer nas bordas do capitalismo não será suficiente.

Nós precisamos de uma alternativa.

O suficiente para todos, para sempre

Quando alguém ouve pedidos de decrescimento, é fácil pensar que essa nova visão econômica deve ser sobre dificuldades e privações; que significa voltar à idade da pedra, resignar-nos a uma cultura estagnada ou ser anti-progresso. Não tão.

O declínio nos libertaria do fardo de buscar excesso material. Simplesmente não precisamos de tanta coisa - certamente não se isso vier à custa da saúde planetária, da justiça social e do bem-estar pessoal. O consumismo é uma falha grosseira da imaginação, um vício debilitante que degrada a natureza e nem sequer satisfaz o desejo humano universal de significado.

Por que você pode realmente aproveitar a vida em uma economia de degradação Realmente precisamos comprar todas essas coisas? Radu Bercan / Shutterstock

O crescimento, por outro lado, envolveria a adoção do que foi denominado "maneira mais simples”- produzindo e consumindo menos.

Esse seria um modo de vida baseado em necessidades modestas de material e energia, mas ainda assim rico em outras dimensões - uma vida de abundância frugal. Trata-se de criar uma economia baseada na suficiência, saber quanto é suficiente para viver bem e descobrir que isso é suficiente.

As implicações no estilo de vida do decrescimento e da suficiência são muito mais radicais do que as formas “verdes claras” de consumo sustentável que são amplamente discutidas hoje. Desligar as luzes, tomar banhos mais curtos e reciclar são partes necessárias do que a sustentabilidade exigirá de nós, mas essas medidas estão longe de serem suficientes.

Mas isso não significa que devemos viver uma vida de sacrifício doloroso. A maioria de nossas necessidades básicas pode ser atendida de maneiras bastante simples e de baixo impacto, mantendo uma alta qualidade de vida.

Como seria a vida em uma sociedade em declínio?

Em uma sociedade em desenvolvimento, aspiraríamos localizar nossas economias o mais longe e apropriadamente possível. Isso ajudaria a reduzir o comércio global intensivo em carbono, além de criar resiliência diante de um futuro incerto e turbulento.

Por meio de formas de democracia direta ou participativa, organizaríamos nossas economias para garantir que as necessidades básicas de todos fossem atendidas e, em seguida, redirecionaríamos nossas energias para longe da expansão econômica. Esse seria um modo de vida com pouca energia e que funcionasse principalmente em sistemas de energia renovável.

Energia renovável não pode sustentar uma sociedade global intensiva em energia de consumidores de alto nível. Uma sociedade em declínio abraça a necessidade de “descida de energia”, transformando nossas crises de energia em uma oportunidade de renovação civilizacional.

Tendemos a reduzir nossas horas de trabalho na economia formal em troca de mais produção doméstica e lazer. Teríamos menos renda, mas mais liberdade. Assim, em nossa simplicidade, seríamos ricos.

Sempre que possível, cultivamos nossos próprios alimentos orgânicos, regamos nossos jardins com tanques de água e transformamos nossos bairros em paisagens comestíveis, como os cubanos fizeram em Havana. Como meu amigo Adam Grubb tão deliciosamente declara, devemos "comer nos subúrbios”, Complementando a agricultura urbana com alimentos dos mercados de agricultores locais.

Por que você pode realmente aproveitar a vida em uma economia de degradação Hortas comunitárias, como esta em San Francisco, podem ajudar a alcançar a suficiência. Kevin Krejci / Wikimedia Commons, CC BY

Não precisamos comprar tantas roupas novas. Vamos consertar ou trocar as roupas que temos, comprar em segunda mão ou fabricar as nossas. Em uma sociedade em desenvolvimento, as indústrias da moda e do marketing desapareceriam rapidamente. Uma nova estética de suficiência se desenvolveria, onde reutilizamos e remodelamos criativamente o vasto estoque de roupas e materiais existentes e exploramos maneiras menos impactantes de produzir roupas novas.

Nós nos tornaríamos recicladores radicais e especialistas em bricolage. Isso seria parcialmente motivado pelo fato de estarmos simplesmente vivendo em uma era de escassez relativa, com renda discricionária reduzida.

Mas os seres humanos acham que os projetos criativos são satisfatórios, e o desafio de construir o novo mundo dentro da estrutura do antigo promete ser imensamente significativo, mesmo que também implique em momentos de provação. A aparente escassez de mercadorias também pode ser bastante reduzida, aumentando a consumo colaborativo, o que também enriqueceria nossas comunidades.

Um dia, podemos até morar em casas de espiga que construímos, mas nas próximas décadas críticas o fato é que a maioria de nós estará vivendo dentro da infraestrutura urbana mal projetada que já existe. Dificilmente vamos derrubar tudo e começar de novo. Em vez disso, devemos 'reformar os subúrbios', como argumenta o líder permaculturalista David Holmgren. Isso envolveria fazer todo o possível para tornar nossas casas mais eficientes em termos de energia, mais produtivas e provavelmente mais densamente habitadas.

Este não é o eco-futuro que nos é mostrado em revistas de design brilhante, com “casas verdes” de um milhão de dólares proibitivamente caras.

O declínio oferece uma visão mais humilde - e eu diria mais realista - de um futuro sustentável.

Fazendo a mudança

Uma transição de decrescimento para uma economia de estado estacionário pode ocorrer variedade de maneiras. Mas a natureza dessa visão alternativa sugere que as mudanças precisarão ser conduzidas de baixo para cima, em vez de impostas de cima para baixo.

O que escrevi acima destaca alguns aspectos pessoais e domésticos de uma sociedade em desenvolvimento, com base na suficiência (para obter mais detalhes, consulte aqui aqui) Enquanto isso, o 'cidades de transição'mostra como comunidades inteiras podem se envolver com a ideia.

Mas é fundamental reconhecer o restrições sociais e estruturais que atualmente tornam muito mais difícil do que o necessário adotar um estilo de vida de consumo sustentável. Por exemplo, é difícil dirigir menos na ausência de ciclovias seguras e bons transportes públicos; é difícil encontrar um equilíbrio entre vida profissional e pessoal se o acesso à moradia básica nos sobrecarregar com dívidas excessivas; e é difícil repensar a boa vida se somos constantemente bombardeados com propagandas insistindo que “coisas legais” são a chave da felicidade.

Ações nos níveis pessoal e familiar nunca serão suficientes, por si só, para alcançar uma economia estável. Precisamos criar novas estruturas e sistemas pós-capitalistas que promovam, ao invés de inibir, o modo de vida mais simples. Essas mudanças mais amplas nunca surgirão, até que tenhamos uma cultura que as exija. Então, acima de tudo, a revolução necessária é uma revolução na consciência.

Não apresento essas idéias sob a ilusão de que serão prontamente aceitas. A ideologia do crescimento claramente tem um forte controle sobre nossa sociedade e além dela. Em vez disso, sustento o decrescimento como a estrutura mais coerente para entender a situação global e significar a única maneira desejável de sair dela.

A alternativa é nos consumir até a morte sob a falsa bandeira do "crescimento verde", o que não seria uma economia inteligente.A Conversação

Sobre o autor

Samuel Alexander, bolsista de pesquisa do Melbourne Sustainable Society Institute, University of Melbourne

Este artigo foi republicado a partir de A Conversação sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.

Livros recomendados:

Capital do Século XXI
por Thomas Piketty. (Traduzido por Arthur Goldhammer)

Capital na capa dura do século XXI por Thomas Piketty.In Capital no século XXI, Thomas Piketty analisa uma coleção única de dados de vinte países, desde o século XVIII, para descobrir os principais padrões econômicos e sociais. Mas as tendências econômicas não são atos de Deus. A ação política acabou com as desigualdades perigosas no passado, diz Thomas Piketty, e pode fazê-lo novamente. Uma obra de extraordinária ambição, originalidade e rigor, Capital do Século XXI reorienta nossa compreensão da história econômica e nos confronta com lições moderadoras para hoje. Suas descobertas vão transformar o debate e definir a agenda para a próxima geração de pensamento sobre riqueza e desigualdade.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.


A fortuna da natureza: como os negócios e a sociedade prosperam investindo na natureza
por Mark R. Tercek e Jonathan S. Adams.

A fortuna da natureza: como os negócios e a sociedade prosperam investindo na natureza por Mark R. Tercek e Jonathan S. Adams.Qual é a natureza vale a pena? A resposta a esta pergunta-que tradicionalmente tem sido enquadrado em termos ambientais, está revolucionando a maneira como fazemos negócios. Dentro Fortune da naturezaMark Tercek, CEO da The Nature Conservancy e ex-banqueiro de investimentos, e o escritor de ciência Jonathan Adams argumentam que a natureza não é apenas a base do bem-estar humano, mas também o investimento comercial mais inteligente que qualquer empresa ou governo pode fazer. As florestas, várzeas e os recifes de ostras, muitas vezes vistos simplesmente como matéria-prima ou como obstáculos a serem eliminados em nome do progresso, são de fato tão importantes para nossa prosperidade futura quanto a tecnologia ou a lei ou a inovação empresarial. Fortune da natureza oferece um guia essencial para o bem-estar econômico e ambiental do mundo.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.


Além Outrage: O que deu errado com a nossa economia e nossa democracia, e como corrigi-lo -- por Robert B. Reich

Além OutrageNeste livro oportuno, Robert B. Reich argumenta que nada de bom acontece em Washington, a menos que os cidadãos são energizados e organizados para fazer atos certeza de Washington no bem público. O primeiro passo é ver a imagem grande. Além Outrage liga os pontos, mostrando porque a participação crescente de renda e de riqueza indo para o topo tem prejudicado o crescimento eo emprego para todos, minando a nossa democracia; causado americanos a tornar-se cada vez mais cínico sobre a vida pública, e muitos americanos virou um contra o outro. Ele também explica por que as propostas do "direito regressivo" está absolutamente errado e fornece um roteiro claro do que deve ser feito. Aqui está um plano de ação para todos os que se preocupa com o futuro da América.

Clique aqui para mais informações ou para encomendar este livro na Amazon.


Isso muda tudo: ocupe Wall Street e o movimento 99%
por Sarah van Gelder e funcionários do SIM! Revista.

Isso muda tudo: Ocupe Wall Street e o Movimento 99% de Sarah van Gelder e equipe do YES! Revista.Isso muda tudo mostra como o movimento Occupy está mudando a maneira como as pessoas veem a si mesmas e ao mundo, o tipo de sociedade que acreditam ser possível e seu próprio envolvimento na criação de uma sociedade que trabalhe para o 99% em vez de apenas 1%. Tentativas de classificar esse movimento descentralizado e de rápida evolução levaram à confusão e percepção equivocada. Neste volume, os editores de SIM! Revista reunir vozes de dentro e de fora dos protestos para transmitir as questões, possibilidades e personalidades associadas ao movimento Occupy Wall Street. Este livro apresenta contribuições de Naomi Klein, David Korten, Rebecca Solnit, Ralph Nader e outros, além de ativistas do Occupy que estavam lá desde o início.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.



enafarzh-CNzh-TWnltlfifrdehiiditjakomsnofaptruessvtrvi

siga InnerSelf on

facebook-icontwitter-iconrss-icon

Receba as últimas por e-mail

{Emailcloak = off}

DOS EDITORES

Chegou o dia do acerto de contas para o Partido Republicano
by Robert Jennings, InnerSelf.com
O partido republicano não é mais um partido político pró-América. É um partido pseudo-político ilegítimo, cheio de radicais e reacionários, cujo objetivo declarado é perturbar, desestabilizar e…
Por que Donald Trump poderia ser o maior perdedor da história
by Robert Jennings, InnerSelf.com
Atualizado em 2 de julho de 20020 - Toda essa pandemia de coronavírus está custando uma fortuna, talvez 2, 3 ou 4 fortunas, todas de tamanho desconhecido. Ah, sim, e centenas de milhares, talvez um milhão, de pessoas morrerão ...
Olhos Azuis vs Olhos Castanhos: Como o Racismo é Ensinado
by Marie T. Russell, InnerSelf
Neste episódio de 1992 da Oprah Show, a ativista e educadora anti-racismo premiada Jane Elliott ensinou ao público uma dura lição sobre racismo, demonstrando o quão fácil é aprender preconceito.
Uma mudança virá...
by Marie T. Russell, InnerSelf
(30 de maio de 2020) Ao assistir as notícias sobre os eventos na Filadélfia e em outras cidades do país, meu coração está doendo pelo que está acontecendo. Eu sei que isso faz parte da maior mudança que está ocorrendo…
Uma música pode elevar o coração e a alma
by Marie T. Russell, InnerSelf
Eu tenho várias maneiras que eu uso para limpar a escuridão da minha mente quando a vejo penetrar. Uma é a jardinagem, ou o tempo na natureza. O outro é o silêncio. Outra maneira é ler. E um que ...