A recuperação econômica virá com altos níveis de desemprego: como os governos devem responder?

A recuperação econômica virá com altos níveis de desemprego: como os governos devem responder? Shutterstock / Lightspring

Dois fatores principais distinguem as consequências econômicas do coronavírus das crises anteriores. Um é o declínio catastrófico no emprego em tão pouco espaço de tempo. A outra é a transformação digital incrivelmente rápida que mudou a maneira como a sociedade trabalha e consome.

Nesse novo cenário digital, além de uma ampla mudança para o trabalho doméstico, o ressurgimento do comércio eletrônico e até o prestação remota de cuidados de saúde tornaram-se fatos da vida cotidiana. De fato, o crédito pela digitalização rápida da maioria das empresas não pertence com líderes empresariais - mas com a chegada do Covid-19.

Qualquer saída do bloqueio atual provavelmente reverterá parte dessa transformação digital, mas não toda. E a escala sem precedentes do que aconteceu terá um impacto significativo nos níveis de emprego por um longo tempo - mesmo quando as economias se recuperarem.

De fato, o fraco crescimento do emprego tem sido uma característica fundamental das recuperações econômicas anteriores - um fenômeno que os economistas chamam de "recuperação sem emprego". Nos EUA, após a crise financeira global de 2008, foram necessários mais de seis anos para o emprego voltar ao seu pico pré-recessão. As recessões de 1991 (após a Guerra do Golfo) e 2001 (a bolha das pontocom) também registraram altos níveis de desemprego duradouros, com imensas conseqüências econômicas e sociais.

Na Europa, o efeito no emprego após 2008 foi ainda mais dramático. A UE levou 11 anos para retornar ao seu taxa de desemprego pré-crise de 6.7%.

Recuperação sem trabalhos

Simplificando, essas recuperações sem emprego foram causadas por uma mistura de globalização e digitalização. Essencialmente, os trabalhos de manufatura acabam passando de economias avançadas para destinos que oferecem mão de obra barata, enquanto os avanços tecnológicos substituir trabalho.

A vasta escala da transformação digital causada pelo coronavírus provavelmente tornará qualquer recuperação ainda mais sem emprego do que no passado.


Receba as últimas notícias do InnerSelf


Isso deixa os políticos com a difícil tarefa de formular políticas que neutralizem esses efeitos desfavoráveis. Eles precisarão apresentar um plano que reverta a contração da atividade econômica, reduz a desigualdade de renda (ou pelo menos não a agrava) e minimiza o impacto na dívida pública.

Sobre esse ponto final, vale ressaltar que no Reino Unido, a dívida nacional como porcentagem da receita deve chegar a 100% - embora alguns acreditem ser ainda mais alto. Esse número foi de 75% em 2010 - e amplamente considerado insustentável.

Nossa pesquisa recente mostrou que existem trade-offs entre esses três objetivos. Por exemplo, políticas que estimulam a economia e reduzem a dívida do governo geralmente beneficiam os empresários às custas (relativas) dos trabalhadores. Mas políticas que ajudam os mais pobres da sociedade têm menos impacto na dívida pública, pois essas famílias contribuem com menos impostos.

Também descobrimos que gastos mais altos e impostos mais baixos são particularmente eficaz em crises econômicas. Isso ocorre porque as famílias tendem a gastar mais, ajudando a economia a se recuperar mais rapidamente.

Além disso, quando as taxas de juros atingem níveis baixos, existe um potencial para o que chamamos de "almoços sem impostos”. Ou seja, os cortes de impostos podem aumentar a renda a tal ponto que a receita tributária adicional gerada mais do que paga por qualquer aumento inicial nas despesas do governo.

A recuperação econômica virá com altos níveis de desemprego: como os governos devem responder? Hora do chanceler do Reino Unido fazer grandes mudanças. Shutterstock / Cubankite

Portanto, a política que busca minimizar o potencial de recuperação do desemprego deve procurar aumentar a produção na economia e aumentar os retornos marginais da contratação de mão-de-obra.

Por exemplo, cortes nas taxas de imposto sobre as empresas podem ajudar a melhorar os lucros das empresas, embora cortes nas contribuições de seguro nacional dos empregadores sejam uma abordagem mais eficaz para lidar diretamente com os níveis de emprego.

Além disso, embora os cortes nos impostos corporativos possam acabar aumentando a desigualdade de renda (aumentando os dividendos para os acionistas), a redução das contribuições nacionais para o seguro aumentaria a demanda por trabalho, aumentando o emprego e os salários. O governo também poderia procurar acelerar os gastos em infraestrutura, melhorando a capacidade produtiva da economia e fornecendo um estímulo para gastos que vise resultados a longo prazo.

No geral, o impacto mais significativo na economia e no emprego viria de uma reforma estrutural completa da política tributária e de gastos. Em 2011 um revisão compreensiva A estrutura tributária do Reino Unido destacou muitas inconsistências e ineficiências, concluindo que o sistema era “ineficiente, excessivamente complexo e freqüentemente injusto”.

Desde então, algumas pequenas mudanças foram feitas, mas essas ineficiências e complexidades persistem. Se já houve um bom momento para iniciar reformas verdadeiramente ousadas, é agora.A Conversação

Sobre o autor

Gulcin Ozkan, professora de finanças, Faculdade Londres do rei; Dawid Trzeciakiewicz, professor de economia, Universidade de Loughboroughe Richard McManus, diretor de desenvolvimento de pesquisas, professor sênior de economia, Canterbury Christ Church University

Este artigo foi republicado a partir de A Conversação sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.

Livros recomendados:

Capital do Século XXI
por Thomas Piketty. (Traduzido por Arthur Goldhammer)

Capital na capa dura do século XXI por Thomas Piketty.In Capital no século XXI, Thomas Piketty analisa uma coleção única de dados de vinte países, desde o século XVIII, para descobrir os principais padrões econômicos e sociais. Mas as tendências econômicas não são atos de Deus. A ação política acabou com as desigualdades perigosas no passado, diz Thomas Piketty, e pode fazê-lo novamente. Uma obra de extraordinária ambição, originalidade e rigor, Capital do Século XXI reorienta nossa compreensão da história econômica e nos confronta com lições moderadoras para hoje. Suas descobertas vão transformar o debate e definir a agenda para a próxima geração de pensamento sobre riqueza e desigualdade.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.


A fortuna da natureza: como os negócios e a sociedade prosperam investindo na natureza
por Mark R. Tercek e Jonathan S. Adams.

A fortuna da natureza: como os negócios e a sociedade prosperam investindo na natureza por Mark R. Tercek e Jonathan S. Adams.Qual é a natureza vale a pena? A resposta a esta pergunta-que tradicionalmente tem sido enquadrado em termos ambientais, está revolucionando a maneira como fazemos negócios. Dentro Fortune da naturezaMark Tercek, CEO da The Nature Conservancy e ex-banqueiro de investimentos, e o escritor de ciência Jonathan Adams argumentam que a natureza não é apenas a base do bem-estar humano, mas também o investimento comercial mais inteligente que qualquer empresa ou governo pode fazer. As florestas, várzeas e os recifes de ostras, muitas vezes vistos simplesmente como matéria-prima ou como obstáculos a serem eliminados em nome do progresso, são de fato tão importantes para nossa prosperidade futura quanto a tecnologia ou a lei ou a inovação empresarial. Fortune da natureza oferece um guia essencial para o bem-estar econômico e ambiental do mundo.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.


Além Outrage: O que deu errado com a nossa economia e nossa democracia, e como corrigi-lo -- por Robert B. Reich

Além OutrageNeste livro oportuno, Robert B. Reich argumenta que nada de bom acontece em Washington, a menos que os cidadãos são energizados e organizados para fazer atos certeza de Washington no bem público. O primeiro passo é ver a imagem grande. Além Outrage liga os pontos, mostrando porque a participação crescente de renda e de riqueza indo para o topo tem prejudicado o crescimento eo emprego para todos, minando a nossa democracia; causado americanos a tornar-se cada vez mais cínico sobre a vida pública, e muitos americanos virou um contra o outro. Ele também explica por que as propostas do "direito regressivo" está absolutamente errado e fornece um roteiro claro do que deve ser feito. Aqui está um plano de ação para todos os que se preocupa com o futuro da América.

Clique aqui para mais informações ou para encomendar este livro na Amazon.


Isso muda tudo: ocupe Wall Street e o movimento 99%
por Sarah van Gelder e funcionários do SIM! Revista.

Isso muda tudo: Ocupe Wall Street e o Movimento 99% de Sarah van Gelder e equipe do YES! Revista.Isso muda tudo mostra como o movimento Occupy está mudando a maneira como as pessoas veem a si mesmas e ao mundo, o tipo de sociedade que acreditam ser possível e seu próprio envolvimento na criação de uma sociedade que trabalhe para o 99% em vez de apenas 1%. Tentativas de classificar esse movimento descentralizado e de rápida evolução levaram à confusão e percepção equivocada. Neste volume, os editores de SIM! Revista reunir vozes de dentro e de fora dos protestos para transmitir as questões, possibilidades e personalidades associadas ao movimento Occupy Wall Street. Este livro apresenta contribuições de Naomi Klein, David Korten, Rebecca Solnit, Ralph Nader e outros, além de ativistas do Occupy que estavam lá desde o início.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.



enafarzh-CNzh-TWnltlfifrdehiiditjakomsnofaptruessvtrvi

siga InnerSelf on

facebook-icontwitter-iconrss-icon

Receba as últimas por e-mail

{Emailcloak = off}

DOS EDITORES

Uma música pode elevar o coração e a alma
by Marie T. Russell, InnerSelf
Eu tenho várias maneiras que eu uso para limpar a escuridão da minha mente quando a vejo penetrar. Uma é a jardinagem, ou o tempo na natureza. O outro é o silêncio. Outra maneira é ler. E um que ...
Por que Donald Trump poderia ser o maior perdedor da história
by Robert Jennings, InnerSelf.com
Toda essa pandemia de coronavírus está custando uma fortuna, talvez 2, 3 ou 4 fortunas, todas de tamanho desconhecido. Ah, sim, e centenas de milhares, talvez um milhão, de pessoas morrerão prematuramente como uma pessoa direta ...
Mascote da pandemia e da música-tema para distanciamento e isolamento social
by Marie T. Russell, InnerSelf
Me deparei com uma música recentemente e, ao ouvir a letra, pensei que seria uma música perfeita como uma "música tema" para esses tempos de isolamento social. (Letra abaixo do vídeo.)
Deixando Randy canalizar minha furiosidade
by Robert Jennings, InnerSelf.com
(Atualizado em 4-26) Não consegui escrever direito uma coisa que estou disposto a publicar este último mês. Veja, estou furioso. Eu só quero atacar.
Anúncio de serviço de Plutão
by Robert Jennings, InnerSelf.com
(atualizado em 4/15/2020) Agora que todo mundo tem tempo para ser criativo, não há como dizer o que você encontrará para entreter seu eu interior.