Quando as grandes empresas financiam a pesquisa acadêmica, a verdade costuma durar

Quando as grandes empresas financiam a pesquisa acadêmica, a verdade costuma durar
Os financiadores do setor podem fazer grandes esforços para suprimir as descobertas da pesquisa acadêmica quando ela não é favorável à empresa. shutterstock.com

Nas últimas duas décadas, financiamento da indústria para pesquisa médica aumentou globalmente, enquanto o governo e os fundos sem fins lucrativos diminuíram. Pelo 2011, o financiamento do setor, em comparação com fontes públicas, representava dois terços da pesquisa médica em todo o mundo.

Financiamento de pesquisa de outras indústrias está aumentando também, incluindo empresas de alimentos e bebidas, química, mineração, informática e automóveis. E, como resultado, a liberdade acadêmica sofre.

Patrocinadores do setor suprimem a publicação

Recentemente, uma acadêmica de carreira procurou meu conselho sobre sua pesquisa financiada pelo setor. Sob o contrato de financiamento - que foi assinado por seu supervisor - ela não seria capaz de publicar os resultados de seu ensaio clínico.

Outra pesquisadora, aluna de doutorado, pediu ajuda na dissertação. Seu trabalho se enquadra no escopo do contrato de financiamento de pesquisa de seu supervisor de doutorado com uma empresa. Este acordo impediu a publicação de qualquer trabalho considerado comercialmente confidencial pelo financiador do setor. Portanto, ela não poderá enviar os trabalhos para cumprir seus requisitos de dissertação.


Receba as últimas notícias do InnerSelf


Me deparo com essas histórias com frequência e todas elas têm uma coisa em comum. As publicações bloqueadas apresentam os produtos das empresas patrocinadoras de maneira desfavorável. Embora o direito de publicar seja um dos pilares da liberdade acadêmica, os contratos de pesquisa geralmente incluem cláusulas que dão ao financiador a palavra final sobre se a pesquisa pode ser publicada.

Pesquisadores no início da carreira são particularmente vulneráveis ​​a restrições de publicação quando as empresas financiam suas pesquisas. A publicação científica é vital para o avanço de sua carreira, mas seus supervisores podem controlar o relacionamento do grupo de pesquisa com a indústria.

Quando as grandes empresas financiam a pesquisa acadêmica, a verdade costuma durar
Um estudo descobriu que medicamentos genéricos eram da mesma qualidade que medicamentos de marca, o que levou a empresa a fazer grandes esforços para suprimir as descobertas. shutterstock.com

Pesquisadores seniores também podem ser vulneráveis ​​à supressão da pesquisa por parte da indústria. Nos 1980s, um empresa farmacêutica financiada um pesquisador para comparar o medicamento tireoidiano de sua marca com os genéricos. O pesquisador descobriu que os genéricos eram tão bons quanto os produtos da marca.

O financiador se esforçou ao máximo para suprimir a publicação de suas descobertas, incluindo ações legais contra ela e sua universidade.

E há pouca supervisão institucional. UMA O estudo 2018 descobriu queentre as instituições acadêmicas da 127 nos Estados Unidos, apenas um terço exigia que seus professores enviassem contratos de consultoria de pesquisa para revisão pela instituição.

E 35% das instituições acadêmicas não considerou necessário rever esses acordos. Quando os contratos de consultoria foram revisados, apenas 23% das instituições acadêmicas analisou os direitos de publicação. E apenas o 19% procurou provisões inadequadas de confidencialidade, como proibir a comunicação sobre qualquer aspecto do trabalho financiado.

Patrocinadores da indústria manipulam evidências

A definição de liberdade acadêmica se resume à liberdade de investigação, investigação, pesquisa, expressão e publicação (ou divulgação).

Documentos internos da indústria obtidos por meio de litígios revelou muitos exemplos de patrocinadores do setor que influenciam o design e a condução da pesquisa, bem como publicação parcial de pesquisa onde apenas resultados favoráveis ​​ao financiador foram publicados.

Por exemplo, no 1981, um influente Estudo japonês mostraram associação entre tabagismo passivo e câncer de pulmão. Ele concluiu que esposas de fumantes pesados ​​tinham até duas vezes o risco de desenvolver câncer de pulmão do que esposas de não fumantes e que o risco estava relacionado à dose.

As empresas de tabaco então pesquisadores acadêmicos financiados para criar um estudo que refute essas descobertas. As empresas de tabaco estavam envolvidas em todas as etapas do trabalho financiado, mas mantinham em segredo a extensão de seu envolvimento por décadas. Eles estruturaram as perguntas da pesquisa, projetaram o estudo, coletaram e forneceram dados e escreveram a publicação final.

Quando as grandes empresas financiam a pesquisa acadêmica, a verdade costuma durar
As empresas de tabaco montaram seu próprio estudo para refutar as descobertas dos danos do tabagismo passivo. shutterstock.com

Esta publicação foi usada como "evidência" de que a fumaça do tabaco não é prejudicial. Concluiu que não havia evidência direta de exposição passiva à fumaça, aumento do risco de câncer de pulmão. A indústria do tabaco citou o estudo em documentos governamentais e regulamentares para refutar os dados independentes sobre os malefícios do tabagismo passivo.

Patrocinadores do setor influenciam agendas de pesquisa

A maior ameaça à liberdade acadêmica pode ser a influência que os financiadores do setor exercem sobre o primeiro estágio do processo de pesquisa: estabelecer agendas de pesquisa. Isso significa que os patrocinadores da indústria têm controle sem precedentes sobre as questões de pesquisa estudadas.

Nós recentemente estudos de pesquisa revisados que analisou a influência corporativa na agenda de pesquisa. Descobrimos que o financiamento do setor leva os pesquisadores a estudar perguntas que visam maximizar os benefícios e minimizar os danos de seus produtos, desviar a atenção de pesquisas independentes desfavoráveis, diminuir a regulamentação de seus produtos e apoiar suas posições legais e políticas.

Quando as grandes empresas financiam a pesquisa acadêmica, a verdade costuma durar
A indústria açucareira financiou pesquisadores universitários para encontrar evidências que mudariam a culpa das doenças cardíacas de açúcar para gordura. shutterstock.com

Em outro exemplo relacionado ao tabaco, três empresas de tabaco criaram e financiaram The Centro de Pesquisa de Ar Interior que conduziria pesquisas para "distrair" as evidências dos danos causados ​​pelo fumo passivo. Em todo o 1990s, este centro financiou dezenas de projetos de pesquisa que sugeriam que componentes do ar interno, como gases de carpete ou filtros de ar sujo, eram mais nocivos que o tabaco.

A indústria açucareira também tentou desviar o foco das evidências que mostravam uma associação entre açúcar e doenças cardíacas. isso foi revelado recentemente que, nos 1960s, a indústria açucareira pagou aos cientistas da Universidade de Harvard para minimizar a ligação entre açúcar e doenças cardíacas e transferir a culpa do açúcar para a gordura como responsável pela epidemia de doenças cardíacas

Os autores do artigo sugeriram que muitas das recomendações alimentares atuais podem ter sido amplamente moldadas pela indústria açucareira. E alguns especialistas já questionaram se tal desinformação pode ter levado a crise de obesidade de hoje.

Coca-Cola e Marte também financiaram pesquisas universitárias na atividade física para desviar a atenção da associação de seus produtos à obesidade.

Como protegemos a liberdade acadêmica?

Em um clima em que as relações entre a academia e a indústria são incentivadas e o financiamento da indústria para pesquisa continua a crescer, os acadêmicos devem se proteger contra ameaças à liberdade acadêmica impostas pelo apoio da indústria.

Liberdade acadêmica significa que o financiamento da indústria deve vir sem restrições. Os pesquisadores devem se perguntar se a aceitação de financiamento do setor contribui para a missão de descobrir novos conhecimentos ou para uma agenda de pesquisa do setor que visa aumentar os lucros.

Os governos ou consórcios independentes de múltiplos financiadores, incluindo governo e indústria, devem garantir apoio à pesquisa que atenda às necessidades do público.

Quando a pesquisa é apoiada pelo setor, os financiadores não devem ditar o design, a condução ou a publicação da pesquisa. Muitas universidades têm e aplicam políticas que impedem essas restrições, mas isso não é universal. A ciência aberta, incluindo a publicação de protocolos e dados, pode expor a interferência do setor na pesquisa.

Os cientistas nunca devem assinar, ou deixar sua instituição assinar, um acordo que ofereça um poder financiador para impedir a divulgação de seus resultados de pesquisa. As universidades e os periódicos científicos devem proteger os pesquisadores emergentes e apoiar todos os acadêmicos na defesa da influência da indústria e na preservação da liberdade acadêmica.

Sobre o autor

Lisa Bero, Professor presidente, Universidade de Sydney

Este artigo foi republicado a partir de A Conversação sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.

Livros recomendados:

Capital do Século XXI
por Thomas Piketty. (Traduzido por Arthur Goldhammer)

Capital na capa dura do século XXI por Thomas Piketty.In Capital no século XXI, Thomas Piketty analisa uma coleção única de dados de vinte países, desde o século XVIII, para descobrir os principais padrões econômicos e sociais. Mas as tendências econômicas não são atos de Deus. A ação política acabou com as desigualdades perigosas no passado, diz Thomas Piketty, e pode fazê-lo novamente. Uma obra de extraordinária ambição, originalidade e rigor, Capital do Século XXI reorienta nossa compreensão da história econômica e nos confronta com lições moderadoras para hoje. Suas descobertas vão transformar o debate e definir a agenda para a próxima geração de pensamento sobre riqueza e desigualdade.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.


A fortuna da natureza: como os negócios e a sociedade prosperam investindo na natureza
por Mark R. Tercek e Jonathan S. Adams.

A fortuna da natureza: como os negócios e a sociedade prosperam investindo na natureza por Mark R. Tercek e Jonathan S. Adams.Qual é a natureza vale a pena? A resposta a esta pergunta-que tradicionalmente tem sido enquadrado em termos ambientais, está revolucionando a maneira como fazemos negócios. Dentro Fortune da naturezaMark Tercek, CEO da The Nature Conservancy e ex-banqueiro de investimentos, e o escritor de ciência Jonathan Adams argumentam que a natureza não é apenas a base do bem-estar humano, mas também o investimento comercial mais inteligente que qualquer empresa ou governo pode fazer. As florestas, várzeas e os recifes de ostras, muitas vezes vistos simplesmente como matéria-prima ou como obstáculos a serem eliminados em nome do progresso, são de fato tão importantes para nossa prosperidade futura quanto a tecnologia ou a lei ou a inovação empresarial. Fortune da natureza oferece um guia essencial para o bem-estar econômico e ambiental do mundo.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.


Além Outrage: O que deu errado com a nossa economia e nossa democracia, e como corrigi-lo -- por Robert B. Reich

Além OutrageNeste livro oportuno, Robert B. Reich argumenta que nada de bom acontece em Washington, a menos que os cidadãos são energizados e organizados para fazer atos certeza de Washington no bem público. O primeiro passo é ver a imagem grande. Além Outrage liga os pontos, mostrando porque a participação crescente de renda e de riqueza indo para o topo tem prejudicado o crescimento eo emprego para todos, minando a nossa democracia; causado americanos a tornar-se cada vez mais cínico sobre a vida pública, e muitos americanos virou um contra o outro. Ele também explica por que as propostas do "direito regressivo" está absolutamente errado e fornece um roteiro claro do que deve ser feito. Aqui está um plano de ação para todos os que se preocupa com o futuro da América.

Clique aqui para mais informações ou para encomendar este livro na Amazon.


Isso muda tudo: ocupe Wall Street e o movimento 99%
por Sarah van Gelder e funcionários do SIM! Revista.

Isso muda tudo: Ocupe Wall Street e o Movimento 99% de Sarah van Gelder e equipe do YES! Revista.Isso muda tudo mostra como o movimento Occupy está mudando a maneira como as pessoas veem a si mesmas e ao mundo, o tipo de sociedade que acreditam ser possível e seu próprio envolvimento na criação de uma sociedade que trabalhe para o 99% em vez de apenas 1%. Tentativas de classificar esse movimento descentralizado e de rápida evolução levaram à confusão e percepção equivocada. Neste volume, os editores de SIM! Revista reunir vozes de dentro e de fora dos protestos para transmitir as questões, possibilidades e personalidades associadas ao movimento Occupy Wall Street. Este livro apresenta contribuições de Naomi Klein, David Korten, Rebecca Solnit, Ralph Nader e outros, além de ativistas do Occupy que estavam lá desde o início.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.



enafarzh-CNzh-TWnltlfifrdehiiditjakomsnofaptruessvtrvi

siga InnerSelf on

facebook-icontwitter-iconrss-icon

Receba as últimas por e-mail

{Emailcloak = off}