Faculdades historicamente negras dão aos graduados um aumento salarial

No 2010, dois economistas alegaram que os graduados de faculdades e universidades historicamente negras, ou HBCUs, sofrem uma “penalidade salarial” - isto é, ganham relativamente menos do que teriam se tivessem ido a um não HBCU.
Pesquisas conflitam sobre como os graduados em faculdades historicamente negras se saem no mercado de trabalho. sirtravelalot / Shutterstock.com

No 2010, dois economistas alegaram que os graduados de faculdades e universidades historicamente negras, ou HBCUs, sofrem um “penalidade salarial”- isto é, eles ganham relativamente menos do que teriam se tivessem ido a um não-HBCU.

Em um rascunho inicial do artigo, os economistas - um de Harvard e outro do MIT - argumentaram que, embora as HBCUs possam ter servido a um propósito útil nos 1970s, elas estavam agora, por algumas medidas, servindo a "retardar o progresso preto. ”A razão pela qual, eles sugeriram, é que instituições tradicionalmente brancas podem ter melhorado na educação de estudantes negros e que pode haver valor em“ conexões inter-raciais ”quando chegou a hora de conseguir um emprego.

O documento, que contava com dados dos 1950s até os primeiros 2000s, gerou manchetes negativas para as HBCUs. Por exemplo, o Wall Street Journal chamou HBCUs "academicamente inferior. ”O New York Times alertou os leitores sobre o“pagamento em declínio de faculdades negras. "

Como um estudioso que pesquisou HBCUs, meus colegas e eu descobrimos evidências contrárias: os estudantes que frequentam as HBCUs não sofrem uma penalidade salarial relativa. De fato, descobrimos que eles normalmente e, em média, ganham mais do que estudantes semelhantes que freqüentaram não HBCUs. Nossas descobertas são baseadas na comparação de HBCUs com outras escolas com uma considerável população estudantil negra.


Receba as últimas notícias do InnerSelf


Produtores de médicos negros, engenheiros

Estabelecido em grande parte para servir os negros após a Guerra Civil e no Era Jim Crow segregação racial, as HBCUs foram as única opção de ensino superior para muitos americanos negros nos meados dos 1960s durante o impulso para a integração. Desde então, as HBCUs têm atendido uma parcela em declínio de estudantes negros. Por exemplo, as HBCUs atendem à 17.3% dos estudantes universitários negros da 1980, mas, pela 2015, o número havia caiu para 8.5%.

HBCUs têm estado em constante luta por sua sobrevivência financeira por causa do declínio da inscrição, entre outras coisas. De fato, alguns especialistas em finanças da faculdade prever que muitas HBCUs desaparecerão nos próximos anos 20.

Atualmente, as HBCUs atendem a cerca de Estudantes 298,000 e classificar entre os maiores produtores de médicos negros. HBCUs também desempenham um papel desproporcional na produção de graduados negros em ciências, tecnologia, engenharia e matemáticaou STEM.

Um prêmio salarial

Nosso estudo incluiu faculdades e universidades sem fins lucrativos 1,364, públicas e privadas, que premiam pelo menos um diploma de bacharelado.

O aumento dos salários foi mais forte para as HBCUs de elite: Hampton, Howard, Morehouse, Spelman e Xavier. Porém, o efeito persistiu nos anos 10 após a graduação para todos os graduados de todas as HBCUs 59 - mais da metade dos 100 ou mais HBCUs na nação - que foram incluídos na amostra. Outras HBCUs não foram incluídas devido à falta de dados.

E também não era uma pequena quantia de dinheiro. Em nosso estudo, descobrimos que os estudantes da HBCU das universidades de elite ganham 32% mais seis anos após a frequência do que os estudantes com características semelhantes que frequentaram outras faculdades e universidades.

Mas antes que alguém celebre nossas descobertas como uma vitória clara para as HBCUs, algumas ressalvas estão em ordem.

Existem penalidades

Primeiro, nem todos os graduados da HBCU ganham mais do que todos os que não são da HBCU o tempo todo. De fato, assim como Freyer e Greenstone fizeram uma década atrás, descobrimos que no início de suas carreiras - que se estende a seis anos após a formatura - os formandos típicos da HBCU sofrem de fato uma penalidade salarial.

O estudo da HBCU no 2010 descobriu que os graduados ganhavam 20% menos que os colegas de outras faculdades dos 1990s, embora não se saiba quanto tempo após a graduação isso ocorreu.

Descobrimos que há uma penalidade salarial de 11% após seis anos, mas depois desaparece após anos de 10 e, de fato, se torna uma vantagem. Portanto, embora os graduados típicos da HBCU possam estar ganhando menos dinheiro do que os que não são da HBCU no final dos 20s, pelos seus primeiros alunos do 30, eles estão ganhando mais.

Também descobrimos que a vantagem salarial para as HBCUs permanecia, independentemente da principal. Na minha opinião de economista, os ganhos relativos para os participantes da HBCU após seis anos sugerem que, em média, os graduados da HBCU têm mais condições de encontrar empregos que correspondam às suas habilidades e capacidades.

Fatores demográficos

O que torna as HBCUs mais eficazes como escadas rolantes para ganhos no mercado de trabalho e mobilidade de renda? Pesquisa anterior meus colegas e eu, conduzidos na Howard University, descobrimos que uma alta proporção de estudantes negros em uma faculdade ou universidade serve como um impulso à identidade e à auto-estima dos negros. Descobrimos que esse impulso se traduz na aquisição de habilidades no mercado de trabalho que resulta em uma vantagem de ganhos.

Dada a história das HBCUs recebendo recursos desiguais, nossos resultados sugerem que governo e filantropia poderiam considerar mais financiamento para HBCUs. Isso pode permitir que eles sejam ainda mais bem-sucedidos no que fazem, principalmente quando se trata de permitir que estudantes de famílias que ganhe menos dinheiro subir economicamente.

Sobre o autor

Gregory N. Preço, Professor, Economia, Universidade de Nova Orleans

Este artigo foi republicado a partir de A Conversação sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.

Livros recomendados:

Capital do Século XXI
por Thomas Piketty. (Traduzido por Arthur Goldhammer)

Capital na capa dura do século XXI por Thomas Piketty.In Capital no século XXI, Thomas Piketty analisa uma coleção única de dados de vinte países, desde o século XVIII, para descobrir os principais padrões econômicos e sociais. Mas as tendências econômicas não são atos de Deus. A ação política acabou com as desigualdades perigosas no passado, diz Thomas Piketty, e pode fazê-lo novamente. Uma obra de extraordinária ambição, originalidade e rigor, Capital do Século XXI reorienta nossa compreensão da história econômica e nos confronta com lições moderadoras para hoje. Suas descobertas vão transformar o debate e definir a agenda para a próxima geração de pensamento sobre riqueza e desigualdade.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.


A fortuna da natureza: como os negócios e a sociedade prosperam investindo na natureza
por Mark R. Tercek e Jonathan S. Adams.

A fortuna da natureza: como os negócios e a sociedade prosperam investindo na natureza por Mark R. Tercek e Jonathan S. Adams.Qual é a natureza vale a pena? A resposta a esta pergunta-que tradicionalmente tem sido enquadrado em termos ambientais, está revolucionando a maneira como fazemos negócios. Dentro Fortune da naturezaMark Tercek, CEO da The Nature Conservancy e ex-banqueiro de investimentos, e o escritor de ciência Jonathan Adams argumentam que a natureza não é apenas a base do bem-estar humano, mas também o investimento comercial mais inteligente que qualquer empresa ou governo pode fazer. As florestas, várzeas e os recifes de ostras, muitas vezes vistos simplesmente como matéria-prima ou como obstáculos a serem eliminados em nome do progresso, são de fato tão importantes para nossa prosperidade futura quanto a tecnologia ou a lei ou a inovação empresarial. Fortune da natureza oferece um guia essencial para o bem-estar econômico e ambiental do mundo.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.


Além Outrage: O que deu errado com a nossa economia e nossa democracia, e como corrigi-lo -- por Robert B. Reich

Além OutrageNeste livro oportuno, Robert B. Reich argumenta que nada de bom acontece em Washington, a menos que os cidadãos são energizados e organizados para fazer atos certeza de Washington no bem público. O primeiro passo é ver a imagem grande. Além Outrage liga os pontos, mostrando porque a participação crescente de renda e de riqueza indo para o topo tem prejudicado o crescimento eo emprego para todos, minando a nossa democracia; causado americanos a tornar-se cada vez mais cínico sobre a vida pública, e muitos americanos virou um contra o outro. Ele também explica por que as propostas do "direito regressivo" está absolutamente errado e fornece um roteiro claro do que deve ser feito. Aqui está um plano de ação para todos os que se preocupa com o futuro da América.

Clique aqui para mais informações ou para encomendar este livro na Amazon.


Isso muda tudo: ocupe Wall Street e o movimento 99%
por Sarah van Gelder e funcionários do SIM! Revista.

Isso muda tudo: Ocupe Wall Street e o Movimento 99% de Sarah van Gelder e equipe do YES! Revista.Isso muda tudo mostra como o movimento Occupy está mudando a maneira como as pessoas veem a si mesmas e ao mundo, o tipo de sociedade que acreditam ser possível e seu próprio envolvimento na criação de uma sociedade que trabalhe para o 99% em vez de apenas 1%. Tentativas de classificar esse movimento descentralizado e de rápida evolução levaram à confusão e percepção equivocada. Neste volume, os editores de SIM! Revista reunir vozes de dentro e de fora dos protestos para transmitir as questões, possibilidades e personalidades associadas ao movimento Occupy Wall Street. Este livro apresenta contribuições de Naomi Klein, David Korten, Rebecca Solnit, Ralph Nader e outros, além de ativistas do Occupy que estavam lá desde o início.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.



enafarzh-CNzh-TWnltlfifrdehiiditjakomsnofaptruessvtrvi

siga InnerSelf on

facebook-icontwitter-iconrss-icon

Receba as últimas por e-mail

{Emailcloak = off}