Como o trabalho organizado pode reverter décadas de declínio

Como o trabalho organizado pode reverter décadas de declínio

A negociação coletiva tem sido, por muito tempo, um dos pontos de venda mais atrativos da força de trabalho organizada.

Em sua forma mais simples, a negociação coletiva envolve um corpo organizado de funcionários que negociam salários e outras condições de emprego. Em outras palavras, os sindicatos estão dizendo: Junte-se a nós e negociaremos com seu chefe para obter melhores salários.

Infelizmente, a negociação coletiva tradicional não é mais uma estratégia eficaz para o crescimento dos sindicatos. Isso é porque empregadores e muitos estados tornaram incrivelmente difícil para os trabalhadores formarem um sindicato, o que é necessário para os trabalhadores negociarem coletivamente.

Minha própria pesquisa sugere que os sindicatos devem buscar formas alternativas de se organizar, por exemplo, concentrando-se na defesa mais vigorosa dos trabalhadores e oferecendo benefícios como assistência médica. Isso ajudaria os sindicatos a aumentar de tamanho, colocando-os em uma posição mais forte para garantir e defender os direitos de negociação coletiva que ajudou a construir a classe média da América.

Por que os sindicatos ainda importam

sindicatos atingiu seu auge em meados dos 1950s, quando um terço dos trabalhadores americanos pertencia a um. Hoje, essa figura está em apenas 10.5%.

Uma grande parte do problema é que os empregadores usaram mão pesada táticas legais e gerenciais bloquear a organização e as eleições necessárias para formar um sindicato. E mais da metade dos estados dos EUA passaram as chamadas leis de direito ao trabalho, que permitem que os trabalhadores de uma empresa sindicalizada evitem pagar as taxas.

As apostas deste desafio são altas - não apenas para os sindicatos, mas para a maioria dos trabalhadores nos EUA. sindicatos correlacionar com salários mais baixos, benefícios reduzidos e maior desigualdade econômica.

Milhões podem ganhar com um movimento trabalhista fortalecido, de Motoristas Uber e Lyft na economia gig para funcionários de baixa remuneração no varejo e hospitalidade. E as pesquisas mostram quase metade dos trabalhadores não sindicalizados nos EUA. dizem que iriam se juntar a um se eles pudessem.

Acredito que há três modelos que os sindicatos tradicionais poderiam adotar para adicionar membros sem depender da certificação no local de trabalho e da negociação coletiva.

Advogando para os trabalhadores

Uma abordagem é construir sobre o sucesso de grupos de defesa dos trabalhadores como Lute por $ 15 e Aliança Nacional dos Trabalhadores Domésticos.

A luta pelo $ 15, por exemplo, desempenhou um papel de destaque na defesa do aumento do salário mínimo em vários estados, mais recentemente Connecticut, enquanto a Aliança Nacional dos Trabalhadores Domésticos ajudou a garantir a passagem da carta de direitos dos trabalhadores domésticos em Nova York.

O que todos eles têm em comum é que eles se engajam em protestos e greves para chamar a atenção do público para o sofrimento dos trabalhadores explorados enquanto defendem a justiça econômica e social. Os sindicatos, que costumavam participar desse tipo de ativismo, precisam recapturar um pouco desse espírito militante.

Estabelecendo padrões mínimos

Um segundo modelo envolve pressionar os empregadores a concordarem com um conjunto mínimo de padrões para benefícios e pagar para fornecer trabalhadores.

O Writers Guild of America, que representa roteiristas e outros na televisão, teatro e Hollywood, exemplifica esse modelo. Por exemplo, eles estabelecem níveis mínimos de compensação para trabalhos e deveres específicos e, em seguida, exigir que os membros - tanto os empregadores como os trabalhadores - adiram a eles. É um acordo de negociação coletiva com um alcance potencialmente muito mais amplo.

Isso porque esses acordos são negociados com os empregadores, mas também cobrem contratados independentes que também assinam contratos. Sua força vem da organização e defesa agressivas, além da importância estratégica dos trabalhadores que representam, o que pressiona os empregadores a participarem e cumprirem os padrões mínimos.

Outros sindicatos poderiam expandir essa abordagem para encorajar os trabalhadores em todas as indústrias que têm pouca ou nenhuma representação trabalhista a se juntar a suas fileiras como membros afiliados, o que deve pressionar os empregadores a fazerem o mesmo.

Como o trabalho organizado pode reverter décadas de declínio Uniões atingiram o pico nos 1950s. AP Photo / Sam Myers

Uniões com benefícios

Outra abordagem envolve o foco em oferecer benefícios especiais a trabalhadores independentes em troca de honorários.

Alguns grupos de trabalhadores já fazem isso, mas os trabalhadores se beneficiariam de sindicatos que combinam seu poder coletivo para oferecer bens e serviços com descontos mais elevados, como assistência médica, benefícios por invalidez e representação legal.

Por exemplo, embora o forte 375,000 União Freelancers não pode negociar o pagamento, oferece aos contratantes independentes esses tipos de benefícios com desconto. Em vez de cobrar taxas, cobra taxas por seus benefícios, operando essencialmente como sua própria companhia de seguros. Também defende mudanças nas políticas públicas que salvaguardam os freelancers da exploração, como a de Nova York. Lei de Proteção de Salário Freelance de 2010.

Este modelo é provavelmente a abordagem mais provável para conseguir atrair um grande número de novos membros. A crescente economia gig e indústrias de baixos salários, como fast food, são duas áreas que poderiam receber benefícios desses tipos de entidades coletivas.

O final do jogo

Idealmente, os sindicatos abraçariam todos esses três modelos, oferecendo benefícios com desconto para qualquer trabalhador interessado em assinar contrato, lutando por padrões mínimos em todos os setores e colocando a advocacia do trabalhador em primeiro plano. Ao ampliar as formas pelas quais os trabalhadores podem se unir e o que eles oferecem, os sindicatos se tornarão mais fortes e próximos das pessoas e comunidades que eles devem representar.

Mas de modo algum esses modelos pretendem suplantar o tradicional papel de barganha coletiva do trabalho organizado. Meu ponto é que os sindicatos devem quebrar a fixação na negociação tradicional e usar modelos alternativos como etapas intermediárias para o objetivo final de sindicalizar mais locais de trabalho a fim de negociar acordos coletivos de trabalho em nome dos trabalhadores.

Para chegar lá, porém, os sindicatos devem mobilizar uma massa crítica de trabalhadores. Só então eles vão quebrar a dinâmica do declínio do trabalho.

Sobre o autor

Marick Masters, Professora de Negócios e Professora Adjunta de Ciência Política, Wayne State University

Este artigo foi republicado a partir de A Conversação sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.

Livros recomendados:

Capital do Século XXI
por Thomas Piketty. (Traduzido por Arthur Goldhammer)

Capital na capa dura do século XXI por Thomas Piketty.In Capital no século XXI, Thomas Piketty analisa uma coleção única de dados de vinte países, desde o século XVIII, para descobrir os principais padrões econômicos e sociais. Mas as tendências econômicas não são atos de Deus. A ação política acabou com as desigualdades perigosas no passado, diz Thomas Piketty, e pode fazê-lo novamente. Uma obra de extraordinária ambição, originalidade e rigor, Capital do Século XXI reorienta nossa compreensão da história econômica e nos confronta com lições moderadoras para hoje. Suas descobertas vão transformar o debate e definir a agenda para a próxima geração de pensamento sobre riqueza e desigualdade.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.


A fortuna da natureza: como os negócios e a sociedade prosperam investindo na natureza
por Mark R. Tercek e Jonathan S. Adams.

A fortuna da natureza: como os negócios e a sociedade prosperam investindo na natureza por Mark R. Tercek e Jonathan S. Adams.Qual é a natureza vale a pena? A resposta a esta pergunta-que tradicionalmente tem sido enquadrado em termos ambientais, está revolucionando a maneira como fazemos negócios. Dentro Fortune da naturezaMark Tercek, CEO da The Nature Conservancy e ex-banqueiro de investimentos, e o escritor de ciência Jonathan Adams argumentam que a natureza não é apenas a base do bem-estar humano, mas também o investimento comercial mais inteligente que qualquer empresa ou governo pode fazer. As florestas, várzeas e os recifes de ostras, muitas vezes vistos simplesmente como matéria-prima ou como obstáculos a serem eliminados em nome do progresso, são de fato tão importantes para nossa prosperidade futura quanto a tecnologia ou a lei ou a inovação empresarial. Fortune da natureza oferece um guia essencial para o bem-estar econômico e ambiental do mundo.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.


Além Outrage: O que deu errado com a nossa economia e nossa democracia, e como corrigi-lo -- por Robert B. Reich

Além OutrageNeste livro oportuno, Robert B. Reich argumenta que nada de bom acontece em Washington, a menos que os cidadãos são energizados e organizados para fazer atos certeza de Washington no bem público. O primeiro passo é ver a imagem grande. Além Outrage liga os pontos, mostrando porque a participação crescente de renda e de riqueza indo para o topo tem prejudicado o crescimento eo emprego para todos, minando a nossa democracia; causado americanos a tornar-se cada vez mais cínico sobre a vida pública, e muitos americanos virou um contra o outro. Ele também explica por que as propostas do "direito regressivo" está absolutamente errado e fornece um roteiro claro do que deve ser feito. Aqui está um plano de ação para todos os que se preocupa com o futuro da América.

Clique aqui para mais informações ou para encomendar este livro na Amazon.


Isso muda tudo: ocupe Wall Street e o movimento 99%
por Sarah van Gelder e funcionários do SIM! Revista.

Isso muda tudo: Ocupe Wall Street e o Movimento 99% de Sarah van Gelder e equipe do YES! Revista.Isso muda tudo mostra como o movimento Occupy está mudando a maneira como as pessoas veem a si mesmas e ao mundo, o tipo de sociedade que acreditam ser possível e seu próprio envolvimento na criação de uma sociedade que trabalhe para o 99% em vez de apenas 1%. Tentativas de classificar esse movimento descentralizado e de rápida evolução levaram à confusão e percepção equivocada. Neste volume, os editores de SIM! Revista reunir vozes de dentro e de fora dos protestos para transmitir as questões, possibilidades e personalidades associadas ao movimento Occupy Wall Street. Este livro apresenta contribuições de Naomi Klein, David Korten, Rebecca Solnit, Ralph Nader e outros, além de ativistas do Occupy que estavam lá desde o início.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.



enafarzh-CNzh-TWnltlfifrdehiiditjakomsnofaptruessvtrvi

siga InnerSelf on

facebook-icontwitter-iconrss-icon

Receba as últimas por e-mail

{Emailcloak = off}