Por que definir limites de velocidade muito baixos aumenta os acidentes fatais

Reforma

Por que definir limites de velocidade muito baixos aumenta os acidentes fatais

A definição de limites de velocidade a apenas cinco quilômetros por hora, abaixo das recomendações de engenharia, produz uma redução estatisticamente significativa nos acidentes totais, fatais e de lesões, além de colisões com danos materiais apenas, segundo os pesquisadores.

"Se (no entanto) você diminuir o limite de velocidade em 10, 15, 25 milhas por hora ou mais, os motoristas parem de prestar atenção", diz Vikash Gayah, professor assistente de engenharia civil na Penn State. "Descobrimos que houve um aumento de acidentes fatais e de ferimentos em locais com limites de velocidade fixados em 10 milhas por hora ou mais abaixo das recomendações de engenharia".

Os limites de velocidade são normalmente definidos com base nos resultados de estudos de engenharia que coletam dados de tráfego de fluxo livre e selecionam uma velocidade apropriada usando um modelo estatístico. No entanto, fatores como zonas escolares, pressão cidadã ou política e questões de segurança percebidas contribuem para a prática bastante comum de reduzir os limites de velocidade abaixo das diretrizes de engenharia, relatam os pesquisadores. Análise e Prevenção de Acidentes.

“Ao fazer a pesquisa de velocidade, estamos olhando para velocidades de fluxo livre - a velocidade que os motoristas selecionam com base nas condições meteorológicas geométricas e prevalecentes”, diz Gayah.

A equipe de pesquisadores coletou dados de velocidade em três ocasiões diferentes dos segmentos da estrada 12 em Montana, um estado que põe limites de velocidade menores do que os engenheiros aconselham. Oito dos locais da 12 postaram limites de velocidade alterados abaixo das recomendações de engenharia, seja por 5 mph, 10 mph, 15 mph ou 25 mph. Os outros quatro sites publicaram limites de velocidade iguais às recomendações de engenharia e serviram como locais de comparação.

Cada período de coleta de dados considerou a presença de nenhuma aplicação da lei, aplicação da lei leve ou aplicação pesada da lei.

Os dados de velocidade foram coletados em horas de luz do dia e em condições climáticas amenas usando sensores de pavimento ocultos. Veículos grandes, como caminhões e carros que viajavam muito próximos, foram excluídos. Os carros que viajam a menos de 10 mph da velocidade postada ou a mais de 20 mph do limite de velocidade publicado, conhecido como velocidade fora de ponto, também foram excluídos. Os dados do histórico de acidentes de um período de quatro anos antes e depois dos limites de velocidade alterados também faziam parte da análise.

Os pesquisadores descobriram que os veículos eram duas vezes mais propensos a obedecer ao limite de velocidade em locais com maiores limites de velocidade estabelecidos em 50 mph ou 55 mph em comparação com o caso base de menos de 50 mph, e quatro vezes mais propensos a obedecer quando postado O limite de velocidade foi entre 60 e 70 mph.

A presença de aplicação pesada da lei em zonas com baixos limites de velocidade mostrou uma velocidade média reduzida de 4 mph e maior conformidade com limite de velocidade.

“A prática de estabelecer limites de velocidade inferiores ao que seria recomendado em um estudo de engenharia é aceitável se for apenas um pouco - por cinco milhas por hora”, diz Gayah.

Tal diferença mostrou um aumento no cumprimento do limite de velocidade, uma diminuição no dano à propriedade apenas e acidentes totais, fatais e de ferimentos. Diferenças maiores entre os valores de limite de velocidade afixados e recomendados pela engenharia parecem aumentar a frequência de acidentes e reduzir a conformidade com o limite de velocidade.

O Departamento de Transporte de Montana e a Administração Federal de Rodovias apoiaram este trabalho.

Fonte: Andrea Borodevyc para Penn State

Livros relacionados

Limites de velocidade: onde o tempo passou e por que temos tão pouco à esquerda

ReformaAutor: Mark C. Taylor
Encadernação: Hardcover
Estúdio: Yale University Press
Gravadora: Yale University Press
Editora: Yale University Press
Fabricante: Yale University Press

Comprar
Revisão editorial:
A leading thinker asks why “faster” is synonymous with “better” in our hurried world and suggests how to take control of our runaway lives

We live in an ever-accelerating world: faster computers, markets, food, fashion, product cycles, minds, bodies, kids, lives. When did everything start moving so fast? Why does speed seem so inevitable? Is faster always better?

Drawing together developments in religion, philosophy, art, technology, fashion, and finance, Mark C. Taylor presents an original and rich account of a great paradox of our times: how the very forces and technologies that were supposed to free us by saving time and labor now trap us in a race we can never win. The faster we go, the less time we have, and the more we try to catch up, the farther behind we fall. Connecting our speed-obsession with today’s global capitalism, he composes a grand narrative showing how commitments to economic growth and extreme competition, combined with accelerating technological innovation, have brought us close to disaster. Psychologically, environmentally, economically, and culturally, speed is taking a profound toll on our lives.

By showing how the phenomenon of speed has emerged, Taylor offers us a chance to see our pace of life as the product of specific ideas, practices, and policies. It’s not inevitable or irreversible. He courageously and movingly invites us to imagine how we might patiently work towards a more deliberative life and sustainable world.




No Speed Limit

ReformaAutor: Frank Owen
Encadernação: Brochura
Estúdio: Griffin St. Martin
Gravadora: Griffin St. Martin
Editora: Griffin St. Martin
Fabricante: Griffin St. Martin

Comprar
Revisão editorial:

Hell's Angels and fallen televangelists. Cross-country truckers and suburban mothers. Trailer parks, urban clubs, college campuses, and military battle?elds. Methamphetamine is the stimulant wiring every corner of American culture.

Like cocaine and heroin, meth was ?rst synthesized for medicinal purposes. By the 1940s, it was a wonder drug used to treat depression, hyperactivity, obesity, epilepsy, asthma, and addictions to other drugs and alcohol. But meth truly exploded years later when biker gang cooks using burners, beakers, and plastic tubes brought their expertise to remote rural areas where the drug could be manufactured in kitchen labs.

Acclaimed journalist Frank Owen follows users, cooks, dealers, doctors, and cops to uncover the dramatic story taking place in cities, small towns, and farm communities across America. No Speed Limit is a panoramic, high-octane investigation by a journalist who knows ?rsthand the powerful highs and frightening lows of meth.





Sem Limite de Velocidade: Três Ensaios sobre o Aceleracionismo (Precursores: Ideias Primeiro)

ReformaAutor: Steven Shaviro
Encadernação: Brochura
Estúdio: Univ Of Minnesota Press
Gravadora: Univ Of Minnesota Press
Editora: Univ Of Minnesota Press
Fabricante: Univ Of Minnesota Press

Comprar
Revisão editorial:

Accelerationism is the bastard offspring of a furtive liaison between Marxism and science fiction. Its basic premise is that the only way out is the way through: to get beyond capitalism, we need to push its technologies to the point where they explode. This may be dubious as a political strategy, but it works as a powerful artistic program.

Other authors have debated the pros and cons of accelerationist politics; No Speed Limit makes the case for an accelerationist aesthetics. Our present moment is illuminated, both for good and for ill, in the cracked mirror of science-fictional futurity.

Forerunners: Ideas First is a thought-in-process series of breakthrough digital publications. Written between fresh ideas and finished books, Forerunners draws on scholarly work initiated in notable blogs, social media, conference plenaries, journal articles, and the synergy of academic exchange. This is gray literature publishing: where intense thinking, change, and speculation take place in scholarship.






Reforma
enafarzh-CNzh-TWtlfrdehiiditjamsptrues

siga InnerSelf on

google-plus-iconfacebook-icontwitter-iconrss-icon

Receba as últimas por e-mail

{Emailcloak = off}

siga InnerSelf on

google-plus-iconfacebook-icontwitter-iconrss-icon

Receba as últimas por e-mail

{Emailcloak = off}