Como a maior democracia do mundo lança suas cédulas

Como a maior democracia do mundo lança suas cédulas

Sobre 600 milhões de cidadãos indianos são esperados para lançar seus votos sobre um período de 39 dias terminando maio 19, na eleição em curso para o parlamento do seu país. tem aproximadamente 900 milhões de eleitores qualificados, e o país tem tipicamente visto cerca de dois terços deles se transformam em locais de votação.

Eu tenho trabalhado na segurança dos sistemas de votação eletrônica por mais de 15 anos, e, junto com outros colegas, tenho estado interessado em entender como uma nação pode contar que muitos votos são lançados durante um período tão longo. Índia usa um máquina de voto eletrônica projetada e fabricada domesticamente - tantas como 4 milhões deles at 1 milhões de locais de votação, pelo menos alguns em extremamente remoto Localizações.

democracia Diferentes áreas da Índia votam em sete dias diferentes, ao longo de um período eleitoral no dia 39. Furfur, traduzido por RaviC / Wikimedia Commons, CC BY-SA

A primeira versão da máquina de votação eletrônica indiana estreou no eleição estadual em Kerala em 1982. Agora eles são usados ​​em eleições em todo o país, que acontecem em dias diferentes em diferentes áreas.

Como funciona?

Quando um eleitor chega ao local de votação, apresenta um ID da foto e o policial verifica se ela está no cadastro eleitoral. Quando é a vez dela votar, um oficial de votação usa a unidade de controle de uma máquina de votação eletrônica para desbloquear sua unidade de votação, pronta para aceitar seu voto.

A unidade de votação tem uma interface de usuário muito simples: uma série de botões com nomes e símbolos de candidatos. Para votar, o eleitor simplesmente aperta o botão ao lado do candidato de sua escolha.

Após cada botão, uma impressora imprime a escolha do eleitor em papel e a exibe ao eleitor por alguns segundos, para que a pessoa possa verificar se a votação foi registrada corretamente. Em seguida, o papel é deixado em uma caixa de armazenamento bloqueada.

Todo o sistema funciona com uma bateria, por isso não precisa de ser ligado.

Quando é hora de fechar o local de votação no final do dia da votação, cada dispositivo de urna eletrônica e caixa de armazenamento de papel é lacrada com cera e fita contendo as assinaturas dos representantes dos vários candidatos naquela eleição, e armazenada sob Guarda armada.

democracia Uma mulher testa uma urna eletrônica na Índia antes das eleições nacionais daquele país. Fotografia AP / Swarup Manish

Depois que o período eleitoral termina e é hora de contabilizar os votos, as urnas eletrônicas são lançadas, os selos abertos e as contagens de votos para cada unidade de controle são lidas de sua placa de exibição. Os trabalhadores eleitorais entregam manualmente esses totais individuais de máquinas para obter os resultados das eleições para cada distrito.

Proteções de segurança - e preocupações

A máquina de votação eletrônica indiana é executada principalmente em hardware e firmware especializados, ao contrário das máquinas de votação usadas nos EUA, que são intensivas em software. Destina-se ao único propósito de votar e especialmente projetado para isso, ao invés de depender de um sistema operacional padrão como o Windows, que precisa ser atualizado regularmente para corrigir vulnerabilidades de segurança detectadas.

Cada máquina requer apenas uma conexão entre uma unidade de votação e uma unidade de controle; não há provisões para conectar uma urna eletrônica a uma rede de computadores, muito menos à internet - inclusive sem fio.

Este design oferece algumas proteções contra possíveis adulterações de como os votos são registrados e registrados. A Comissão Eleitoral da Índia alegou repetidamente que a máquinas de votação eletrônicas são à prova de adulteração. No entanto, um estudo acadêmico demonstrou Existem maneiras de manipular as máquinas. Em particular, a simplicidade do design permite ataques simples, como interceptando e modificando o sinal transportado pelo cabo da máquina.

A Comissão Eleitoral não publicou quaisquer avaliações de segurança independentes, então não está claro exatamente o que é - ou não é - possível. Partes que perder eleições frequentemente mal-estar suspeito e questionar o equipamento.

Fabricação das máquinas

As Eu e outros observamosQuando as máquinas estão sendo feitas, há uma série de oportunidades para alguém manipular fisicamente uma urna eletrônica de maneira que o teste de dispositivo de pré-seleção não seja detectado. O software das máquinas é projetado, escrito e testado em duas empresas de eletrônicos de propriedade do governo da Índia: Bharat Electronics Limited e Electronics Corporation of India Limited. Os chips para as máquinas são fabricados fora da Índia. Nas versões anteriores da máquina, o fabricante do chip também escrevia o código da máquina no chip; hoje as empresas de eletrônicos fazem isso sozinhas.

A qualquer momento durante a fabricação, teste e manutenção, pode ser possível introduzir fichas falsificadas ou trocar outros componentes que poderiam permitir que hackers alterassem os resultados.

A Comissão Eleitoral da Índia argumenta que qualquer manipulação ou erro seria detectado porque a urna eletrônica é testada com freqüência e os representantes candidatos têm oportunidades para participar de eleições simuladas imediatamente antes de uma máquina ser usada em uma eleição real. No entanto, é possível fazer alterações que não serão detectadas. O teste pode revelar apenas alguns problemas, e a ausência de problemas durante o teste não significa que os problemas não existam.

Auditando os resultados das máquinas

Existe, no entanto, um mecanismo para detectar ataques - o papel impresso com o voto e armazenado de forma segura com o equipamento eletrônico. UMA Diretriz da Suprema Corte 2013 pediu à Comissão Eleitoral para criar esse processo para proteger a integridade da votação processo.

democracia Um funcionário eleitoral indiano exibe um registro em papel de amostra de uma cédula eletrônica durante uma demonstração de como o equipamento funciona. Fotografia AP / Swarup Manish

Em cada círculo eleitoral, cinco máquinas de votação electrónicas Os resultados serão auditados comparando uma contagem manual das impressões com os registros eletrônicos. (Isso significa que 1% ou 2% das máquinas de cada grupo constituinte serão testadas.) Os partidos de oposição pediram ao Supremo Tribunal que ordene auditorias de metade de todas as máquinas de votação eletrônica, mas isso pode não acontecer com a eleição deste ano.

Embora o sistema de urnas eletrônicas seja útil e funcional, os funcionários e observadores não devem presumir que não há como adulterar os resultados. A Comissão Eleitoral deve certamente continuar a melhorar os testes e fornecer relatórios públicos de testes independentes. No entanto, como nenhuma tecnologia pode ser inviolável, cada resultado eleitoral deve ser verificado por uma auditoria manual, para garantir que os resultados estejam corretos, sejam eles quais forem.A Conversação

Sobre o autor

Poorvi Vora, professor de ciência da computação, Universidade George Washington

Este artigo foi republicado a partir de A Conversação sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.

Livros relacionados

{amazonWS: searchindex = Livros; palavras-chave = segurança de eleições; maxresults = 3}

enafarzh-CNzh-TWnltlfifrdehiiditjakomsnofaptruessvtrvi

siga InnerSelf on

facebook-icontwitter-iconrss-icon

Receba as últimas por e-mail

{Emailcloak = off}