Estados vermelhos e azuis concordam em taxar as corporações (e muitas outras coisas)

Estados vermelhos e azuis concordam em taxar as corporações mais (e muitas outras coisas)

Os americanos são um povo irremediavelmente dividido por guerras culturais e desacordos fundamentais sobre o papel e o tamanho apropriado do governo. Você sabe disso; Eu sei isso. Todo mundo sabe disso. Em algumas partes do país, as pessoas carregam metralhadoras pelo corredor de produtos para bebês e querem cortar tanto os cupons de alimentos quanto os impostos dos milionários, enquanto em outros estamos ampliando a igualdade no casamento e tentando construir transportes de massa decentes e celebrando a diversidade. É uma fenda profunda e intransponível, e a disfunção em nosso Congresso apenas reflete isso.

Certo? Bem, aguente firme.

Em todas as partes do país, a maioria das pessoas concorda que devemos tributar mais os ricos e as corporações.

E se você pedisse aos americanos em distritos em grande parte "vermelhos" ou republicanos e em grande parte "azuis" ou distritos democratas perguntas muito específicas sobre o que o governo deveria fazer - sobre impostos, direitos reprodutivos, relações exteriores e coisas do tipo, e 96 por cento do tempo? acordado?

E 69 por cento das vezes não houve diferença estatisticamente significante em quão grande eram as maiorias favoráveis ​​nos dois tipos de distritos?

Bem, acontece que é o que acontece.

A maioria das pessoas está de fato em acordo

In um estudo fascinanteVoz do povo, uma organização sem fins lucrativos voltada para dar ao povo americano uma voz mais eficaz no processo de formulação de políticas, analisou os resultados de uma série de pesquisas dos últimos anos e adicionou as suas próprias, e então comparou as respostas específicas do 388 opções de políticas e orçamentos nos distritos ou estados do Congresso considerados “vermelhos” ou “azuis”.

E nós não somos tão polarizados quando você chega às tachas de metal.

Na verdade, mesmo nos problemas de teclas que abrangeram a maior parte do 14 das questões 388 onde havia polarização, havia muito mais perguntas sobre as quais não havia discordância do que sobre as quais havia. Por exemplo, das questões 14 sobre o aborto, apenas duas foram polarizadas; um fora de 10 no controle de armas; oito de 29 em direitos dos homossexuais.

Embora não houvesse muitas perguntas sobre o desenvolvimento da comunidade, vale a pena notar que fornecer mais financiamento para moradia é uma das coisas que foram amplamente aceitas.

Em áreas onde você pode esperar um conflito dramático, como a reforma da saúde, a imigração, ou o Iraque e o Afeganistão, não houve perguntas polarizadas. (Veja bem, algumas das posições da maioria são decepcionantes para mim, mas essa é uma questão separada. E eu suspeitaria da amplitude do estudo se não fosse assim.)

A ideia de que estamos divididos é uma ferramenta poderosa para aqueles que têm influência política.

Por que não está esta primeira página de notícias e nas estações de notícias 24-hora?

Ainda mais agradavelmente surpreendente, prefazendo as perguntas com fortes declarações ideológicas calculadas para lembrar os respondentes das posições opostas entrincheiradas, não fazia diferença em quão polarizada era sua resposta. Isso é incrivelmente animador.

Finalmente, eu li o apêndice listei as respostas reais, e essa parte me surpreendeu: nas questões sobre tributação, as diferenças na maioria das questões não eram estatisticamente significativas. Mas para o punhado de perguntas em que as maiorias concordavam, mas o tamanho das maiorias era diferente, foram os estados vermelhos que queriam levantar impostos milionários e corporativos e não impostos sobre aqueles que ganhassem US $ 50,000 por margens maiores.

Como o relatório dizia, quando solicitados a fazer seu próprio orçamento federal, “os distritos vermelhos arrecadavam a mesma quantia de receita dos impostos de renda que os distritos azuis faziam, mas estavam mais inclinados a buscar receita de impostos corporativos e impostos do que eram azuis. distritos. ”

Vale a pena repetir: Em todas as partes do país, a maioria concorda que devemos tributar mais os ricos e as corporações, mas os distritos vermelhos têm mais apetite para fazer isso do que o azul!

Alguém por favor me diga por que isso não é notícia de primeira página em todos os lugares.

Um monte de influências acontecendo

Agora, claramente, isso não corrigirá a disfunção do Congresso e levará à tributação progressiva da noite para o dia. Há muitas outras influências na tomada de decisões, como ficou claro estudo recente fora de Princeton mostrando que as elites econômicas e os grupos de interesses organizados, principalmente os negócios, têm muito mais influência na política do que os americanos médios de meios moderados.

No entanto, a ideia de que todos nós estamos divididos de forma fragmentada e que não pode haver um terreno comum e que é inútil tentar encontrar algum é uma ferramenta poderosa no arsenal daqueles que têm essa influência e querem mantê-la.

Martin Gilens, co-autor do estudo de Princeton, disse em uma entrevista com Talking Points Memo que um dos fatores que nos levou a esse estado não-democrático é “a falta de organizações de massa que representem e facilitem a voz dos cidadãos comuns”.

É preciso muito mais energia para ir lá e criar uma organização assim, quando você acredita que vastas áreas do país são irremediavelmente diferentes de você e não querem as mesmas coisas que você. A ideia de que realmente não estamos divididos pode ser uma dose poderosa de esperança.

Este artigo foi publicado originalmente em SIM! Revista


estados vermelho e azulSobre o autor

Miriam Axel-Lute escreveu este artigo para o Blog da Shelterforce em Rooflines.org, onde apareceu originalmente. Miriam é editora da Shelterforce e diretora associada do National Housing Institute.


Livro recomendado:

Capital do Século XXI
por Thomas Piketty. (Traduzido por Arthur Goldhammer)

Capital na capa dura do século XXI por Thomas Piketty.In Capital no século XXI, Thomas Piketty analisa uma coleção única de dados de vinte países, desde o século XVIII, para descobrir os principais padrões econômicos e sociais. Mas as tendências econômicas não são atos de Deus. A ação política acabou com as desigualdades perigosas no passado, diz Thomas Piketty, e pode fazê-lo novamente. Uma obra de extraordinária ambição, originalidade e rigor, Capital do Século XXI reorienta nossa compreensão da história econômica e nos confronta com lições moderadoras para hoje. Suas descobertas vão transformar o debate e definir a agenda para a próxima geração de pensamento sobre riqueza e desigualdade.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.

enafarzh-CNzh-TWnltlfifrdehiiditjakomsnofaptruessvtrvi

siga InnerSelf on

facebook-icontwitter-iconrss-icon

Receba as últimas por e-mail

{Emailcloak = off}