A importância do gato na meditação

A importância do gato na meditação

Tendo escrito um livro sobre loucura (Veronika Decide Morrer) Fui forçado a imaginar quantas coisas nos são impostas pela necessidade ou pelo absurdo. Por que usar gravata? Por que os relógios funcionam no sentido horário? Se vivemos em um sistema decimal, por que o dia tem 24 horas de 60 minutos?

O fato é que muitas das regras que obedecemos hoje em dia não têm base real. No entanto, se quisermos agir de maneira diferente, somos considerados “loucos” ou “imaturos”.

Enquanto isso, a sociedade continua a criar alguns sistemas que, na plenitude do tempo, perdem seu motivo de existência, mas continuam impondo suas regras. Uma interessante história japonesa ilustra o que quero dizer com isso.

Meditação e o gato

Um grande mestre zen budista, encarregado do mosteiro de Mayu Kagi, tinha um gato que era sua verdadeira paixão na vida. Então, durante as aulas de meditação, ele manteve o gato ao seu lado - para aproveitar ao máximo sua empresa.

Certa manhã, o mestre - que já era bastante velho - faleceu. Seu melhor discípulo ocupou seu lugar.
- O que faremos com o gato? - perguntou os outros monges.

Como um tributo à memória de seu antigo instrutor, o novo mestre decidiu permitir que o gato continuasse frequentando as aulas do Zen Budista.

Alguns discípulos dos mosteiros vizinhos, viajando por essas partes, descobriram que, em um dos templos mais famosos da região, um gato participou das sessões de meditação. A história começou a se espalhar.

Muitos anos se passaram. O gato morreu, mas como os estudantes do mosteiro estavam tão acostumados com a sua presença, logo encontraram outro gato. Enquanto isso, os outros templos começaram a introduzir os gatos em suas sessões de meditação: eles acreditavam que o gato era realmente responsável pela fama e excelência dos ensinamentos de Mayu Kagi.

Uma geração passou e tratados técnicos começaram a aparecer sobre a importância do gato na meditação zen. Um professor universitário desenvolveu uma tese - que foi aceita pela comunidade acadêmica - de que os felinos têm a capacidade de aumentar a concentração humana e eliminar a energia negativa. E assim, durante um século inteiro, o gato foi considerado uma parte essencial dos estudos Zen Budistas naquela região.

Mudando a Rotina

Até que um mestre apareceu que era alérgico a pêlos de animais, e decidiu remover o gato de seus exercícios diários com os alunos.

Houve uma reação negativa feroz - mas o mestre insistiu. Desde que ele era um excelente instrutor, os estudantes continuaram a fazer o mesmo progresso, apesar da ausência do gato.

Pouco a pouco, os mosteiros - sempre em busca de novas idéias, e já cansados ​​de ter que alimentar tantos gatos - começaram a eliminar os animais das classes. Em vinte anos, novas teorias revolucionárias começaram a aparecer - com títulos muito convincentes, como “A importância de meditar sem um gato”, ou “Equilibrar o universo zen apenas pelo poder da vontade, sem a ajuda dos animais”.

Outro século se passou e o gato retirou-se completamente dos rituais de meditação naquela região. Mas duzentos anos foram necessários para que tudo voltasse ao normal - porque durante todo esse tempo, ninguém perguntou por que o gato estava lá.

Este artigo foi reimpresso de
O site de Paulo Coelho, com gratidão.

Livro deste autor

Guerreiro da Luz: Um Manual de Paulo Coelho

Guerreiro da Luz: Um Manual
por Paulo Coelho.

Clique aqui para mais informações e / ou para encomendar este livro na Amazon.

Sobre o autor

Paulo Coelho, autor do artigo: O Inimigo Interior: Governado pelo Medo e a Necessidade de SegurançaPaulo Coelho é autor de numerosos livros, dos quais o primeiro a se tornar um sucesso, O Alquimista passou a vender mais de 65 milhão de cópias, tornando-se um dos livros mais vendidos da história. Foi traduzido em mais de 70 línguas, o 71st ser maltês, vencendo o Guinness World Record para o livro mais traduzido por um autor vivo. Desde a publicação do O Alquimista, Paulo Coelho tem geralmente escrito um romance a cada dois anos, incluindo Pela margem do rio Piedra eu sentei e chorei, O Monte Cinco, Veronika Decide Morrer, O Demônio ea Srta Prym, Onze Minutos, Como o Rio Fluir, As Valkírias e A Bruxa de Portobello. Visite seu Web site em www.paulocoelho.com

enafarzh-CNzh-TWnltlfifrdehiiditjakomsnofaptruessvtrvi

siga InnerSelf on

facebook-icontwitter-iconrss-icon

Receba as últimas por e-mail

{Emailcloak = off}