Os Alunos e o Professor: Uma História Rumi para Iluminar, Deleitar e Informar

Uma história de Rumi para iluminar, deliciar e informar: os alunos e os professores

(Nota do Editor: Este artigo foi extraído do O livro de Rumi's prefácio (de Narguess Farzad) e contém uma história de Rumi do livro em si.)

Qualquer que seja a nossa formação cultural ou lingüística, todos podemos reivindicar algum conhecimento da vida dos outros, e esse conhecimento nos alcançou através de histórias. Essas histórias podem ter sido contadas por um avô animado; talvez nós os ouvíssemos no rádio ou os encontramos durante uma aula de estudos religiosos na escola, onde aprendemos sobre as vidas e os tempos dos santos, deuses e deusas.

As aulas de literatura e história que fizeram as impressões mais duradouras sobre mim são aquelas em que me permitiram vislumbrar a história de vida de um escritor ou quando minha professora se concentrou nas histórias humanas do período que está sendo ensinado, descascando as camadas. revelar algo da vida cotidiana ou das experiências emocionais das figuras imponentes cujas conquistas ou derrotas estávamos estudando ou, de forma mais pungente, sobre as vidas comuns e as experiências emocionais das pessoas comuns da época. Na verdade, não importava se esses relatos periféricos eram tênues ou apócrifos, já que a inclusão deles na lição tornava o episódio inteiro sob escrutínio mais emocionante e memorável.

As histórias nem sempre se referem ao grande, ao bom ou ao lendário. Em nossa própria vida cotidiana, compartilhamos continuamente instantâneos de nossas experiências sociais com círculos sempre crescentes e superpostos de conhecidos. Nós ritualisticamente marcamos uma ocasião, como um aniversário significativo, um aniversário ou uma lembrança, concentrando-nos em histórias que sutil e cuidadosamente trazem à tona as vulnerabilidades, paixões e idiossincrasias de um indivíduo. Como mestres contadores de histórias do passado, eliminamos as infelicidades desnecessárias e esclarecemos as características e realizações inesquecíveis de que somos testemunhas e, no processo, criamos mais uma subestabelecida indelével, algumas das quais podem ser contadas em anos e até gerações. vir.

Profetas e pregadores de todas as religiões e credos também foram mestres da prática e confiaram em parábolas e máximas para comunicar teologias complexas a seus seguidores. As parábolas das tragédias dos mártires atraíram e continuam a atrair homens e mulheres para lugares de culto em todo o mundo, para santuários e praças da cidade; tais parábolas muitas vezes compreendem pedaços da verdade lado a lado com pedaços de mito, usando sutileza literária para despertar paixões e dar nova vida a temas comuns.

Aqueles que ouvem ou lêem essas histórias parecem nunca encontrar as novas variantes de temas antigos tediosos. Talvez haja alguma certeza na previsibilidade de como esses contos de moralidade inevitavelmente concluem. Os filmes modernos que retratam as vidas dos mercadores da ganância em Wall Street, temperados com subtramas excitantes, são, em essência, adaptações de lições antigas que não se pode servir a Deus e ao dinheiro. Além disso, quase todos os contos de moralidade asseguram que “a luxúria da carne e a luxúria do olho” invariavelmente levam a problemas.

Com fome de histórias que nos dão folga do trabalho penoso de nossas vidas, agora nos reunimos diante do púlpito do Instagram, do Facebook e do YouTube para nos apropriarmos diariamente das travessuras das divindades modernas, dos deuses e deusas do século 21 e dos gurus que habitam. as alturas de Hollywood e suas réplicas enfeitadas por todo o mundo.

Para muitas comunidades e em muitas culturas, os narradores mais confiáveis ​​de histórias irresistíveis são os poetas. Poetas, em seus próprios modos inimitáveis, nos falam sobre os desafios e fracassos de encontrar o amor e as alegrias de formar amizade. Eles nos advertem das armadilhas, das traições e injustiças, que sempre encontramos ao longo do caminho, mas nos encorajam a banir a inveja e o desejo de vingança de nossos corações. Quase sempre são os poetas que nos ensinam como avaliar a enormidade de uma perda, lamentar com dignidade e, finalmente, aceitar a mortalidade.

Por mais de oitocentos anos, um número incontável de pessoas nas terras de língua persa, e nas últimas décadas muitas mais ao redor do mundo que têm acesso a um crescente número de excelentes traduções, escolheram Mowlana Jalal od-Din Balkhi, Rumi, como o professor espiritual cuja reviravolta cuspidora, juntamente com a pungência da emoção sincera expressa, tem sido uma fonte de conforto e instrução.

Embora a extensão do conhecimento acadêmico sobre os fundamentos filosóficos e teológicos da ordem de misticismo de Rumi agora supere os escritos do próprio poeta, é mais recompensador ler as histórias reais de Rumi, que abrem o portal místico para seu mundo.

As histórias que Rumi inventa ou reutiliza para ajudar a compreender os princípios do Sufismo estão intrinsecamente entrelaçadas na urdidura e na trama do tecido de seus ensinamentos, ainda que para vê-las isoladamente como as parábolas que são, precisamos trabalhar meticulosamente o nosso caminho através de vinte e seis mil linhas duplas de verso métrico, compiladas nos seis livros do Masnavi-ye Manavi (Dísticos Espirituais), sua magnum opus.

É um alívio e um prazer ter a tarefa concluída para nós por Maryam Mafi, uma das mais respeitadas, fiéis e eloqüentes tradutores da poesia de Rumi. Mafi, a tradutora, move-se sem esforço entre as duas línguas do persa e do inglês, ao transmitir o significado semântico do texto original em inglês. No entanto, Mafi, o escritor e leitor atento do Masnavi transfere as requintadas sutilezas, a visão precisa e a sagacidade espontânea do original para a versão em inglês, dando vida à definição de poesia de Robert Frost como “aquilo que é perdido fora do verso na tradução”.

Na sua última tradução, O livro de Rumi, Mafi voltou sua atenção para mais de cem histórias que ela selecionou do Masnavi.

Página após página de parábolas e contos, Rumi não apenas entretém, mas também guia o leitor, ou mais precisamente o ouvinte, a compreender as complexidades da vida, a obedecer à autoridade do amor e a resolver conflitos. Rumi levanta questões não respondidas, bem como perguntas sem resposta.

O elenco da maioria de seus contos são personagens reconhecíveis cujos clones habitam histórias ao redor do mundo: juízes sábios ou enganosos, mulheres astutas ou desconfiadas, mendigos astutos ou lacrimosos, charlatães, almas crédulas e muitos animais faladores.

Rumi fala de feitos reais e dos milagres dos profetas; ele elabora a maldade de rouges e pega mercenários. Funções corporais, disfarces, atos de heroísmo, identidades erradas, envolvimentos sexuais, consequência da gula e arrogância, e todos os relatos imaginativos e extravagantes de vícios e virtudes, bem como superstições comuns, são jogados na mistura.

A linguagem do narrador poético dos contos eleva-se às alturas dos altos versos com o uso impecável de metáforas e diálogos internos intrinsecamente estruturados, depois mergulha no uso de trocadilhos, expressões vernaculares da época, expressões de ribaldry e puro humor obsceno. Ele cita o melhor da poesia persa e árabe de sua época e confia em seu conhecimento acadêmico do Alcorão e nas palavras do profeta Maomé para sustentar seus argumentos. Rumi está tão à vontade com o jargão da vida baixa e os malandros do souk como ele é com o discurso retórico dos teólogos na mesquita e gramáticos na madrassa.

Rumi implanta muitos dispositivos dramáticos para se comunicar com pessoas de todas as esferas da vida. Os papéis que ele atribui aos animais, à flora e à fauna, estão de acordo com as antigas tradições milenaristas de contar histórias no Oriente, onde a sagacidade dos animais ou sua produção de travessuras está no mesmo nível do caráter humano.

Mowlana Jalal od-Din, juntamente com muitos de seus contemporâneos medievais no Irã, como Sa'di de Shiraz e Nezami de Gandja, valorizaram a potência das histórias como embaixadores mais confiáveis ​​para difundir as tradições culturais e orais através das tradições políticas, religiosas e religiosas. fronteiras nacionais.

A voz de Rumi em toda a sua produção literária, mas particularmente no Masnavialterna entre lúdico e autoritário, esteja ele contando histórias de vidas comuns ou convidando o leitor perspicaz a níveis mais altos de introspecção e obtenção de valores transcendentes. As traduções de Maryam Mafi refletem delicadamente as nuances da poesia de Rumi, mantendo o tom positivo de todos os escritos de Rumi, bem como a sensação de suspense e drama que marcam a essência da obra de Rumi. Masnavi.

O livro de Rumi é outra preciosidade na série de traduções de Maryam Mafi, que saúda a universalidade de Mowlana como poeta e como contador de histórias. Não consigo pensar em melhor homenagem ao legado de Rumi do que na avaliação de Henry Wadsworth Longfellow sobre o que faz um grande poeta:

"Tudo que é melhor nos grandes poetas de todos os países não é o que é nacional neles, mas o que é universal. Suas raízes estão em seu solo nativo; mas seus galhos se agitam no ar antipatriótico, que fala a mesma língua aos homens, e suas folhas brilham com a luz ilimitada que permeia todas as terras ".

Alunos e professores - por Rumi

Os alunos ficaram exasperados com a professora terrivelmente rígida, que nunca lhes permitia um momento de descanso. Todos os dias, eles invocavam planos maliciosos para distraí-lo, mas de alguma forma nunca conseguiram enganá-lo. Um dia, o mais inteligente dos garotos, que também era o mais descolado, apresentou um plano brilhante. Enquanto seus colegas de classe se reuniam em torno dele depois da escola, ele explicou a eles:

“Amanhã de manhã, quando chegarmos à escola, vou me aproximar do mestre primeiro e perguntar como ele se sente e por que ele está tão pálido. Vou lhe desejar bem e dizer que ele deve cuidar melhor de si mesmo. Então, todos vocês devem seguir o meu exemplo e um após o outro repetir as mesmas perguntas para que possamos incutir dúvidas em seu coração. Depois da quinta ou sexta pessoa, certamente ele deve começar a se perguntar se temos um ponto ou não. Quando trinta de nós disserem a ele a mesma coisa, ele não terá escolha a não ser acreditar em nós e nos deixar fora da escola pelo menos por alguns dias.

Os garotos estavam todos empolgados e elogiaram o rapaz inteligente por sua idéia astuta. O garoto fez com que todos prometessem não contar para seus pais e seguir seu esquema. Na manhã seguinte, os estudantes chegaram na hora certa e esperaram a chegada do menino esperto, pois não podiam começar sua trama sem ele. Assim que ele chegou, eles acenaram um para o outro e um por um entrou na sala de aula.

“Bom dia para você, senhor. Você está bem senhor? Por que você parece tão pálido nesta bela manhã? ”Disse o menino esperto para o professor astuciosamente.

“Estou perfeitamente bem. O que você está tagarelando? Vá se sentar no seu lugar ”, a professora ordenou ao menino em sua costumeira maneira abrasiva.

A primeira semente da dúvida havia sido plantada. Os alunos entà £ o entravam na sala de aula um após o outro e cada um dirigia-se ao professor, comentando com preocupaçà £ o sobre a saúde deste. Apesar de suas negações repetidas, o professor lentamente começou a acreditar nos garotos, pois ouvira o mesmo comentário sobre seu semblante pálido trinta vezes. Ele começou a tremer e realmente se sentiu febril. Logo, ele estava rapidamente empacotando seus papéis e livros e correndo para casa, com trinta meninos a reboque.

Durante todo o caminho para casa, ele estava pensando em como sua esposa o havia negligenciado recentemente, e como, apesar de toda a sua gentileza e generosidade, ela o desejava doente. Entretendo esses pensamentos negativos sobre sua esposa inocente, o professor apressou-se pelas estreitas ruas secundárias até sua humilde casa, enquanto os meninos o seguiam de perto a cada passo do caminho.

Ele bateu a porta da frente ruidosamente, pretendendo assim anunciar sua chegada prematura a sua esposa quando ele entrou em sua casa. Quando ela viu que ele havia retornado da escola tão cedo, ela rapidamente se aproximou dele e perguntou sobre sua saúde.

"Você é cego? Você não vê como estou doente? Você é tão hipócrita! Você pode muito bem ver o quão horrível eu estou me sentindo, mas você finge que não há nada comigo! ”Ele retrucou.

“Minha querida, o que você está dizendo? Você deve estar sofrendo de delírios. Nada é o problema com você! - disse sua esposa, tentando apaziguar sua raiva.

“Você é desprezível; você é uma mulher horrível! Você não pode ver o meu estado de pena? É minha culpa que você é cega e surda às minhas necessidades? ”Ele continuou, caluniando cruelmente sua esposa.

"Eu vou trazer-lhe o espelho para que você possa ver por si mesmo que nada é o problema com você."

“Para o inferno com seu espelho! Você sempre me odiou e me desejou o pior. Vá e prepare minha cama, eu preciso descansar!

A mulher ficou atordoada, incapaz de se mexer ou decidir o que deveria fazer, quando o marido gritou: “Vá em frente, você não vale nada! Você quer que eu desmaie aqui mesmo?

A mulher decidiu ficar quieta e fazer o que ele pediu; caso contrário, ele poderia pensar que ela tinha intenções ruins, e ele poderia realmente se tornar desagradável. Assim, ela preparou sua cama no chão e deixou-o com seus alunos, que o acompanharam até a casa. Os meninos se reuniram em torno de sua cama e começaram a rever as lições em voz alta, tendo sido instruídos por seu líder a fazer tanto barulho quanto possível para exacerbar a dor de cabeça de fantasia do professor.

"Calma!", Retrucou a professora. “Calma, eu disse! Ir para casa. Me deixe em paz."

Os estudantes estavam finalmente livres; Desejando ao seu professor toda a saúde do mundo, eles praticamente voaram para fora de sua casa. Eles não foram para casa, porém, e em vez disso permaneceram nas ruas, jogando vários jogos que fantasiavam há muito tempo. Suas mães, no entanto, logo descobriram que seus filhos tinham falhado na escola e, quando os encontraram nas ruas, eles os repreendiam, recusando-se a aceitar que haviam sido dispensados ​​pelo professor. Eles ameaçaram visitar a casa do professor no dia seguinte e descobrir a verdade. E assim eles fizeram. Eles encontraram o pobre homem deitado miseravelmente sob vários edredons, suando como um porco e gemendo de dor.

“Caro senhor, nos perdoe, pois não acreditamos em nossos filhos”, confessou as mulheres. “Agora podemos ver por nós mesmos como você realmente está doente! Que Deus lhe conceda uma vida longa e saudável.

"Estou realmente grato aos seus filhos perceptivos por terem detectado minha doença", disse a professora com gratidão. “Eu estava tão empenhada em ensiná-los que ignorara totalmente minha própria saúde. Se não fosse por eles, eu logo estaria morto com certeza!

E tal era o destino do professor ignorante, que tinha sido enganado por repetição sem fundamento e doutrinação conduzida por meras crianças.

© 2018 por Madyam Rafi. Todos os direitos reservados.
Prefácio copyright 2018 por Narguess Farzad.
Extraído com permissão do editor,
Hampton Roads Publishing. www.redwheelweiser.com
.

Fonte do artigo

O Livro de Rumi: 105 Histórias e Fábulas que Ilumina, Deleita e Informa
por Rumi. Tradução de Maryam Mafi. Prefácio de Narguess Farzad.

O Livro de Rumi: 105 Histórias e Fábulas que Iluminam, Deleitam e Informam por Rumi. Tradução de Maryam Mafi. Prefácio de Narguess Farzad.A voz de Rumi alterna entre lúdico e autoritário, quer ele esteja contando histórias de vidas comuns ou convidando o leitor perspicaz a níveis mais altos de introspecção e obtenção de valores transcendentes. As traduções de Mafi refletem delicadamente as nuances da poesia de Rumi, mantendo o tom positivo de todos os escritos de Rumi, bem como a sensação de suspense e drama que marcam a essência dos Masnavi. (Também disponível como uma edição do Kindle e MP3 CD.)

clique para encomendar na amazon

Sobre os Autores

Rumi (Jalal ad-Din Muhammad Balkhi) era um poeta muçulmano sunita do século 13, jurista, erudito islâmico, teólogo e místico sufi.

Maryam Mafi nasceu e foi criado no Irã. Ela foi para a Universidade Tufts, nos EUA, em 1977, onde estudou sociologia e literatura. Enquanto lia para seu mestrado em comunicações internacionais nas universidades americanas e de Georgetown, ela começou a traduzir literatura persa e vem fazendo isso desde então.

Narguess Farzad é pesquisador sênior em estudos persas na Escola de Estudos Orientais e Africanos da Universidade de Londres.

Mais livros de Maryam Mafi

enafarzh-CNzh-TWnltlfifrdehiiditjakomsnofaptruessvtrvi

siga InnerSelf on

facebook-icontwitter-iconrss-icon

Receba as últimas por e-mail

{Emailcloak = off}